Sexualidade

*

Um lugar para beijar

—————————————————
[…] A SEXUALIDADE ESTÁ ENTRE AQUELAS QUE MAIS NOS INCOMODAM E CONSTRANGEM DE TODAS AS DIMENSÕES HUMANAS
————————————————–
Assisti na semana passada, no cine Olido (com próxima exibição no cine Bombril), ao documentário “Um Lugar para Beijar”, dirigido pela jornalista Neide Duarte e produzido pelo departamento de DST/ Aids da Secretaria de Saúde do município de São Paulo. O filme tem finalidade institucional nas ações de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e mostra a vida e as condições de homossexuais (e de travestis e transexuais) na periferia de São Paulo.

No fim da exibição, vi pessoas chocadas. Uma delas disse que sentia-se contaminada por aquilo que sempre tentou manter à distância. O que pensou que não existisse poderia estar ao lado, disfarçado. Ela contou estar com a sensação de perda de confiança em seu mundo. Acredito, porém, que ela tenha perdido a inocência ou a ilusão da normalidade.

A gente se acostuma com os cantos por onde anda e com as pessoas com quem convive, com nossas condições de vida e valores. A gente se acostuma com os próprios costumes e vai cultivando, assim, uma espécie de cegueira. Não vê que a vida é múltipla, irregular, e que os homens são criaturas que protagonizam novidades infinitas.

O que para a sociedade padronizada é aberração, desvio e imoralidade é apenas a experiência cotidiana de muitos. No entanto, quando condenada e entregue ao ocultamento, fica deformada e ameaçadora. No documentário, é a homossexualidade de moradores da periferia que está em foco. Mas ela não é desdenhada nem recriminada. Ela é o que é.

Também não é vista sob o olhar comum e preconceituoso que a faz ser lugar de muitos dos problemas sexuais da atualidade. A heterossexualidade, aceita pela sociedade, é também lugar de incontáveis desvios. É só nos lembrarmos de casos como o do austríaco que manteve a filha encarcerada por 20 anos e teve com ela vários filhos. Ou dos inúmeros casos de abusos sexuais de meninas por pais e padrastos ou de violências contra a mulher. Casos que, mais do que desvios, são crimes.

Mas não sou especialista em sexualidade nem pretendo teorizar sobre ela. O que me instiga são as perguntas que o documentário trouxe e nossas reações diante do sexo. A sexualidade, em qualquer uma de suas formas (bi, hetero, homo, trans), está entre aquelas que mais nos incomodam e constrangem de todas as dimensões humanas. Ou entre as que mais nos atraem. Por quê?

Numa cultura que nos faz acreditar que atos e palavras podem ser escolhidos pela razão, as questões sexuais nos desmentem e desorientam. Diante da aparente autonomia do sexo, ficamos perplexos, do mesmo modo que são Paulo se espantava diante da impotência de sua vontade: “Por que faço o mal que não quero e não faço o bem que quero?”.

Somos um problema para nós mesmos quando afetados por uma dimensão da vida humana assim contundente e provocativa. Ficamos desarrumados em nossa moralidade, desafiados e desautorizados em nossos princípios e preceitos.
*
DULCE CRITELLI, terapeuta existencial e professora de filosofia da PUC-SP, é autora de “Educação e Dominação Cultural” e “Analítica de Sentido” e coordenadora do Existentia – Centro de Orientação e Estudos da Condição Humana

dulcecritelli@existentia.com.br
*
Original:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/equilibrio/eq2805200901.htm
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Anúncios

Chavuot

*

Chavuot

SHAVUOT, celebrado dias 06 e 07 do mês de SIVAN,(este ano nos dias 29 e 30 de maio de 2009), é a festividade da colheita dos primeiros frutos e a comemoração do recebimento das Tábuas da Lei.

Devido o sentido religioso, isto é, porque recorda a revelação da TORÁ, também é conhecida com o nome de ZMAN MATÁN TORATEINU, e por tratar-se, igualmente, de uma festa agrícola, que marca o fim da colheita e a oferenda das primícias, chamam-na também de CHAG HABIKURIM

SHAVUOT é festejado pelos judeus, com muito orgulho, porque se sentem mensageiros dos sábios ensinamentos Divinos e herdeiros do Livro Sagrado, a TORÁ.

Todos os povos civilizados acabaram por reconhecer e aceitar em sua grande parte, o Decálogo dado por Deus à Moisés e à seu povo. Este é o fundamento de todas as grandes religiões monoteístas. Cabe ao povo de Israel a grande glória de haver transmitido os DEZ MANDAMENTOS ao mundo inteiro.
*
Colaboração:
Ricardo Leão – São Paulo-SP
*

Câncer de Pele e Rins

*

Câncer de Pele e Rins

de: Erda Nemitz
para: Eudison de Paula Leal
data: 27 de maio de 2009 18:44

Boas notícas são para partilhar

Já existe vacina anti-câncer (pele e rins). Foi desenvolvida por cientistas médicos brasileiros, uma vacina para estes dois tipos de câncer, que mostrou-se eficaz, tanto no estágio inicial como em fase mais avançada.

A vacina é fabricada em laboratório utilizando um pequeno pedaço do tumor do próprio paciente. Em 30 dias está pronta, e é remetida para o médico oncologista do paciente.
Nome do médico que desenvolveu a vacina: José Alexandre Barbuto
*
Hospital Sírio Libanês – Grupo Genoma.
Telefone do Laboratório:0800-7737327
(falar com Dra. Ana Carolina ou Dra. Karyn, para maiores detalhes)
Site: http://www.vacinacontraocancer.com.br
*
Isto é algo que precisa ser repassado.
Alguém pode estar precisando!
Por favor, divulguem esta vitória da medicina genética brasileira!
*