21 Sentidos!

*

Ambiência

Datação
1922 cf. CF3

Acepções
| substantivo feminino
1 qualidade do que é ambiente, do que rodeia os seres vivos
2 o meio físico, material, em que vive um animal ou um vegetal; meio ambiente
3 Derivação: por extensão de sentido.
conjunto de condições sociais, culturais, morais etc. que cercam uma pessoa e nela podem influir; meio ambiente
4 Rubrica: acústica. Regionalismo: Brasil.
nas apresentações ao vivo, conjunto de sons indiretos que produzem reverberação e afetam a qualidade sonora
5 Rubrica: arquitetura.
espaço preparado para criar um meio físico e estético (ou psicológico) próprio para o exercício de atividades humanas; ambiente
*
Etimologia
fr. ambiance (1885) ‘meio ambiente, atmosfera que envolve uma pessoa ou coisa’; ver 2i- e ambi(e)-
*
Fonte:
http://houaiss.uol.com.br/
*

Reaprendizado

*

Reaprendizado

Espíritas entendem ser fase de reaprendizado
Da Redação

Prêmio Nobel de Química em 1977, o russo Ilya Prigogine concluiu que sistemas não podem evoluir em estado de equilíbrio. Em outras palavras: o caos é necessário ao progresso.
*
Para o presidente da Associação Médico-Espírita de Santos (AME-Santos), Ricardo Sallum, esta é a definição mais confortável para o momento que a humanidade atravessa. A exemplo dos católicos, a comunidade espírita acredita que esta é uma fase de reaprendizado. “A Terra é uma escola, não estamos aqui a passeio. Viemos para construir, deixar algo para o futuro”, defende Sallum.

Ele atribui o receio coletivo a uma visão limitada, na qual só se enxerga a possibilidade de perdas materiais, embora reconheça que essa sensação é praticamente inevitável. “A primeira coisa com que a pessoa se preocupa é com o seu emprego”.

Mas, além da ameaça ao bolso, a crise traz risco à saúde. Sallum adverte que sentimentos como medo, insegurança e raiva são atalhos para as doenças. “Esses sentimentos levam à depressão. A partir daí, nosso sistema imunológico não reconhece, por exemplo, as células cancerígenas que precisa matar”, explica.

Desta fase de “desencarne coletivo” que os espíritas acreditam estar em andamento, fica a esperança de um planeta melhor. “As pessoas tendem a buscar o conforto espiritual quando falta o material. Isso, com certeza, trará mudanças boas”.
*
Fonte:
http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=400013&opr=103
*

Selos Espíritas

*

Selos Espíritas

Conheça alguns dos selos comemorativos relativos ao Espiritismo.
Fonte:
http://www.sidneyrezende.com/noticia/31440+selos+espiritas+comemorativos
*
Você pode contribuir?
Você tem outros selos que possa nos enviar a imagem?
Então… escreva:
ep-leal@uol.com.br
Muito obrigado.
Fraternalmente,
Leal
*

Jogo dos Espíritos

*

Brincadeira do Copo

“Jogo dos Espíritos” será adaptado aos cinemas
Data: 27 de Fevereiro de 2009
Por: Pablo Cordeiro

“Tabuleiro Ouija”, ou “Jogo dos Espíritos” e “ Brincadeira do Copo”, como é mais conhecido aqui no Brasil, é o próximo jogo de tabuleiro que ganhará os cinemas. Segundo a MTV, o CEO da Hasbro, Brian Goldner, revelou que o projeto já está sendo desenvolvido pela Universal Pictures.

“Metade das pessoas que jogam Ouija como uma sessão espírita acham que é um jogo”, disse Goldner. “A outra metade acha que ele é muito mais sério do que isso. Então essa é a ideia, de isto ser real ou apenas imaginação. Isto é algo que é feito pelos participantes, ou é algo que é realmente do exterior?”, questionou. Ainda segundo ele, sua intenção é produzir algo assustador como “O Chamado” e “O Dom da Premonição”.

O Tabuleiro Ouija nada mais é do que uma tábua com letras e números, em que os participantes utilizam o dedo indicador, um copo ou uma caneta para obterem respostas a questionamentos direcionados a espíritos. Se verdade ou não, jamais na história algo pode ser provado. Céticos e religiosos não crêem nesse tipo de possessão, no entanto o espiritismo não descarta a hipótese dessa via de comunicação dos espíritos com o mundo dos vivos.

O roteiro está sendo escrito por David Berenbaum (“Mansão Mal-Assombrada”) e detalhes do enredo ainda não foram divulgados.
*
Fonte:
http://www.cinemacomrapadura.com.br/noticias/14871/jogo_dos_espiritos_sera_adaptado_aos_cinemas
*

Osteoporose

*

A Praga dos Ossos Fracos

A osteoporose afeta boa parte das mulheres depois da menopausa. Não há cura para a doença, só paliativos. A única arma eficaz contra ela são os cuidados a ser tomados desde a juventude.

A osteoporose é um dos fantasmas que assombram as mulheres na pós-menopausa. A doença, tipicamente feminina, causa um tipo de degeneração óssea para o qual não há cura, só paliativos. Os sintomas iniciais e mais perceptíveis são perda de altura e forte dor nas costas. Com os ossos enfraquecidos, as vítimas da osteoporose podem sofrer fraturas graves, principalmente de costelas, quadris, punhos e espinha dorsal.

Existem 200 milhões de doentes no mundo, dos quais 10 milhões estão no Brasil.

De cada quatro diagnósticos, três são realizados somente depois da primeira fratura, quando há muito pouco a fazer. A arma mais eficaz contra a osteoporose é a prevenção. Ou seja, muito cálcio, vitamina D e ginástica moderada. Essas medidas devem ser adotadas desde a juventude. Explica-se: cerca de 90% da estrutura óssea é formada até os 20 anos. Quanto mais sólido for seu processo de calcificação, menor ser á o risco de a doença se manifestar mais tarde. É como quem poupa dinheiro para uma aposentadoria tranqüila.

Na verdade, a osteoporose é o acirramento de um fato natural. A partir dos 35 anos, toda mulher perde massa óssea. A perda maior ocorre nos primeiros dez anos depois da menopausa. Isso porque o organismo feminino fica sem a proteção do hormônio estrógeno, que estimula justamente a formação de massa óssea. Uma perda de até 10% nesse período é considerada normal. Entre 10% e 25%, entra-se na fase da osteopenia, um estágio anterior à osteoporose em que ainda é baixo o risco de fraturas. As que sofrem da doença têm uma perda bem mais comprometedora, acima de 25%. Recomenda-se que entre 30 e 40 anos seja feito um exame de densitometria óssea, para verificar se já há indícios do problema e servir de base para comparações futuras.

Máquinas de última geração conseguem medir perdas de massa óssea mínimas, de até 2%. Se a propensão à doença for identificada com alguma antecedência, é possível minorar seus efeitos. O tratamento mais empregado é a reposição hormonal. A administração de hormônios sintéticos reduz os riscos de fratura em até 70%. Usados por muito tempo, no entanto, aumentam a probabilidade de surgimento de c âncer de mama e de colo do útero. Nos últimos anos, chegaram às farmácias brasileiras drogas capazes de retardar a ação da doença. As taxas de sucesso desses medicamentos chegam a 65% e eles não apresentam os riscos dos hormônios.

Fonte: Revista Veja
*
Colaboração:
Mário Leal Filho – São Paulo-SP
*
Publicado em:
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Janelas da Alma:
https://sites.google.com/site/eudisonleal/Home
*