Voz de Luz do Coração

*

Voz de Luz do Coração

Há um Grande Amor em seu pequeno coração.

Aceite-o.

Você é uma centelha viva do Infinito.

Alegre-se.

A Luz do Todo está em tudo!

Então, seja feliz!

Certa vez, o mestre Babaji ensinou: “Quando o coração fala ao coração, não há mais nada a dizer“.

Seja ele ou ela, quem for, é um presente da Vida ao coração.

Sua ligação não vem da Terra, mas do espírito!

Que as pessoas conscientes possam reconhecer uns aos outros pela Voz de Luz do Coração.
*
Autoria: desconhecida
*
Colaboração:
Aylla Harard
Guaratinguetá-SP
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Otimismo

*

Convite ao Otimismo

Não vitalizes tristezas nem desencantos, apesar das configurações de sofrimentos que surjam e se avolumem pela senda que percorres.

Quando tudo parece perdido, invariavelmente uma solução surge, inesperada, providencial. E se não se materializa a resposta almejada, diretriz melhor conduzirá o problema de maneira salutar para ti mesmo, se te dispuseres esperar.

Sombras não se modificam com sombras.

O pântano não renascerá drenado com a condenação da lama.

Mister espargir luz e fazer canais providenciais.

Para tanto, o homem deve impor-se a tarefa de abrir janelas de otimismo nas salas onde dominaram tristezas e arejar escaninhos pestilenciais de pessimismo mediante o aroma da esperança.

Pessimismo é enfermidade que engendra processo de psicose grave por antecipação de um mal que, talvez, não ocorrerá.

A cada instante as circunstâncias geram circunstâncias outras, fatores atuais compõem fatores futuros, dependendo da direção que lhes imponhas.

Não te canses, desse modo, exageradamente sob o peso da nostalgia ou te entorpeças asfixiado pelos tóxicos das frustrações que todos experimentam…
Entrega-te a Deus e deixa-te conduzir tranquilamente.

Otimismo é estímulo para o trabalho, vigor para a luta, saúde para a doença das paisagens espirituais e luz para as densas trevas que se demoram em vitória momentânea.

Nas duas traves da Cruz, quando tudo pareceria perdido, o Justo, em excelente lição de otimismo, descerrou os painéis da Vida Verdadeira, morrendo para ressurgir em gloriosa madrugada de Imortalidade, que até hoje é o canto sublime e a rota segura, plena de alegrias para todos nós.

Mensagem do Livro
CONVITES DA VIDA
Editora: Leal
Médium: Divaldo Franco
Espírito: Joanna de Ângelis
Formatação PPT: Manolo Quesada
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Sucesso do Além

*

Sucesso do Além

JFSP26ABR2010E1
FERNANDA MENA
LAURA MATTOS
DA REPORTAGEM LOCAL

O fenômeno de bilheteria do filme “Chico Xavier” e a onda de produções ligadas ao espiritismo, que têm marcado 2010, estão ajudando espíritas brasileiros a “saírem do armário”.

“O discurso de reconhecimento da doutrina e de figuras centrais do espiritismo vai ajudar muita gente a assumir que é espírita”, avalia Célia Arribas, socióloga e pesquisadora da USP, autora do livro “Afinal, Espiritismo É Religião?” (Alameda Editorial), com lançamento previsto para maio. “Usando uma linguagem figurativa, é possível dizer que eles vão sair do armário.”

Para Geraldo Campetti, diretor da Federação Espírita Brasileira (FEB), a difusão da doutrina realizada pelo filme, já visto por mais de 2 milhões de brasileiros, é um marco. “O espiritismo era um, antes de 2010, e será outro, após o final deste ano”, analisa.

“Esse impacto fica visível na crescente demanda por informações que, desde a estreia do filme, tem ocorrido nos centros espíritas de todo o país.”

Junte-se ao sucesso do filme a novela “Escrito nas Estrelas”, da TV Globo, que teve audiência média, nas duas primeiras semanas, superior à de suas antecessoras no horário. Na trama, o protagonista morre e segue o enredo como espírito.

Além disso, até o final do ano, devem ser lançadas uma minissérie na Globo e três filmes em que a vida após a morte ou a mediunidade tem papel principal. Entre eles, chega aos cinemas em setembro o filme “Nosso Lar”, baseado em livro homônimo de Chico Xavier, que já vendeu cerca de 2 milhões de exemplares desde sua primeira edição, em 1944.

Ser ou não ser

O sucesso de obras de temática espírita, no entanto, não pode ser explicado apenas com dados de pesquisas demográficas, que apontam existir no país cerca de 4 milhões de espíritas declarados.

Segundo estimativa da FEB, somados praticantes e simpatizantes, esse número deve chegar a 23 milhões de brasileiros.
Isso porque espiritismo não é uma religião proselitista. Logo, frequentar um centro espírita é diferente de ser espírita.
“Vou a um centro, mas também sou judia”, diz Sandra Becher, 30, na saída de uma sessão do filme de Daniel Filho.

Hoje, há cerca de 12 mil centros espíritas no país -número que dobrou na última década.

Ainda assim, Luís Eduardo Girão, 38, produtor associado de “Chico Xavier”, conta que o filme enfrentou dificuldades de financiamento “porque ainda existe a discriminação”.

Herança dos tempos em que praticar espiritismo era crime, como rezava o primeiro Código Penal do Brasil República, de 1890 -cujos efeitos práticos se estenderam até 1945.

A saída encontrada pela elite brasileira, que traduziu a obra de Allan Kardec do francês para o português, foi a produção de uma literatura que introduzisse princípios espíritas numa linguagem romanceada, de maior penetração. Afinal, quem é que não quer saber como é a vida após a morte?

Foi a popularização da chamada literatura espírita, estandarte das listas de mais vendidos, que abriu caminho para a boa performance do espiritismo no cinema e na TV.

“Este é um mercado que se tornou promissor economicamente”, explica Sandra Stoll, autora do livro “Espiritismo à Brasileira” (Edusp). “As produções cinematográficas têm apenas capitalizado um público simpatizante e predisposto, que é enorme.”
*
Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2604201007.htm
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Chico orando

*

ORAÇÃO NOSSA

Emmanuel
(Chico Xavier)
 
Senhor, ensina-nos:

a orar sem esquecer o trabalho;
a dar sem olhar a quem;
a servir sem perguntar até quando;
a sofrer sem magoar seja a quem for;
a progredir sem perder a simplicidade;
a semear o bem sem pensar nos resultados;
a desculpar sem condições;
a marchar para frente sem contar os obstáculos;
a ver sem malícia;
a escutar sem corromper os assuntos;
a falar sem ferir;
a compreender o próximo sem exigir entendimento;
a respeitar os semelhantes, sem reclamar consideração;
a dar o melhor de nós, além da execução do próprio dever, sem cobrar taxa de reconhecimento.

Senhor, fortalece em nós a paciência para com as dificuldades dos outros, assim como precisamos da paciência dos outros para com as nossas próprias dificuldades.

Ajuda-nos para que a ninguém façamos aquilo que não desejamos para nós.

Auxilia-nos, sobretudo, a reconhecer que a nossa felicidade mais alta será invariavelmente, aquela de cumprir-te os desígnios onde e como queiras, hoje agora e sempre.
*
Colaboração:
Erda Nemitz – São Paulo-SP
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Os Livros

*

Os Livros


“É proibida a entrada a quem não andar espantado de existir.”
José Gomes Ferreira (Porto-Portugal 1900-1985 Porto-Portugal),
em “As aventuras de João sem medo”

“Sempre que se conta um conto de fadas, a noite vem.”
Clarissa Pinkola Estés (Indiana-Estados Unidos, n. 1943)

“A leitura engrandece a alma.”
Voltaire, pseudônimo de François-Marie Arouet (Paris-França 1694-1778 Paris-França)

“Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro.”
Henry David Thoreau (Concord-Estados Unidos 1817-1862)

“Acho a televisão muito educativa.
Todas as vezes que alguém liga o aparelho, vou para outra sala e leio um livro.”
Groucho Marx, pseudônimo de Julius Henry Marx (Nova Iorque-Estados Unidos 1890–1977 Los Angeles-Estados Unidos)

“Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo como de um alçapão.
Eles não têm pouso nem porto, alimentam-se um instante em cada par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias, no maravilhado espanto de saberes que o alimento deles já estava em ti…”
Mário Quintana
(Alegrete-RS 1906-1994
Porto Alegre-RS)

“O Livro Desconhecido
Estou à procura de um livro para ler. É um livro todo especial. Eu o imagino como a um rosto sem traços. Não lhe sei o nome nem o autor. Quem sabe, às vezes penso que estou à procura de um livro que eu mesma escreveria. Não sei. Mas faço tantas fantasias a respeito desse livro desconhecido e já tão profundamente amado. Uma das fantasias é assim: eu o estaria lendo e, de súbito, uma frase lida com lágrimas nos olhos, diria em êxtase de dor e de enfim libertação: mas é que eu não sabia que se pode tudo, meu Deus!”
Clarice Lispector
(Tchechelnik-Ucrânia 1920-1977
Rio de Janeiro-RJ)

“Devemos ler para oferecer à nossa alma a oportunidade de luxúria.”
Henry Miller
(Nova Iorque-Estados Unidos 1891-1980 Los Angeles-Estados Unidos)

“O livro é uma das possibilidades de felicidade de que dispomos.”
Jorge Luis Borges
(Buenos Aires-Argentina 1899-1986 Genebra Suíça)

“É o que você lê quando não tem que fazê-lo que determinará o que você será quando não puder evitar.”
Oscar Wilde
(Dublin-Irlanda 1854-1900 Paris-França)

“Estremeço se dizem bem. Tal página de Fialho, tal página de Chateaubriand fazem formigar toda a minha vida em todas as veias…”
Bernardo Soares, um dos heterônimos de Fernando Pessoa (Lisboa-Portugal 1888-1935 Lisboa-Portugal), no “Livro do Desassossego”

“O livro é um mudo que fala, um surdo que responde, um cego que guia, um morto que vive.”
Pe. Antônio Vieira (Lisboa-Portugal 1608-1697 Salvador-BA)

“Escrever é gravar reações psíquicas. O escritor funciona qual antena – e disso vem o valor da literatura. Por meio dela, fixam-se aspectos da alma dum povo, ou, pelo menos, instantes da vida desse povo.”
Monteiro Lobato(Taubaté-SP 1882-1948 São Paulo-SP)

“Quem não vê bem uma palavra, não pode ver bem uma alma.”
Fernando Pessoa (Lisboa-Portugal 1888-1935 Lisboa-Portugal)

“O mais belo triunfo do escritor é fazer pensar os que podem pensar.”
Eugène Delacroix
(Saint-Maurice-França 1798-1863 Paris-França)

“É ainda possível chorar sobre as páginas de um livro, mas não se pode derramar lágrimas sobre um disco rígido.”
José Saramago (Azinhaga-Portugal, n. 1922)

“Às vezes um texto muito interessante passa despercebido porque não sabemos ler. Saber ler não é simplesmente ser alfabetizado. Saber ler é poder, junto, pensar com o autor, compreendê-lo e criticá-lo.”
Leila Maria Barbosa e Wilma Mangabeira, em “A incrível história dos homens e suas relações”

“Que progresso nós estamos fazendo! Na idade média teriam queimado-me. Agora estão contentes em queimar meus livros.”
Sigmund Freud (Pribor-República Checa 1856-1939 Londres-Inglaterra)

“Louvai ao Senhor, livro meu irmão, com vossas letras e palavras, com vosso verso e sentido, com vossa capa e forma, com as mãos de todos que vos fizeram existir,
louvai ao Senhor!”
Adélia Prado (Divinópolis-MG, n. 1935), em imitação do “Cântico das Criaturas”, de São Francisco de Assis

“Refresca-te, irmã, na água da pequena tigela de cobre com pedacinhos de gelo, abre os olhos sob a água, lava-os, enxuga-te com a toalha áspera e lança um olhar num livro que amas.
Começa assim um dia belo e útil.”
Bertolt Brecht
(Augsburg-Alemanha 1898- 1956 Berlim-Alemanha), em “Conselho à atriz C. N.”, fim da década de 1920

“Onde se queimam livros, cedo ou tarde, se queimam homens.”
Heinrich Heine (Düsseldorf-Alemanha
1797-1856 Paris-França)

“Sempre imaginei o paraíso como uma grande biblioteca.”
Jorge Luis Borges (Buenos Aires-Argentina 1899-1986 Genebra-Suíça)

“Os livros são os mais silenciosos e constantes amigos; os mais acessíveis e sábios conselheiros; e os mais pacientes professores.”
Charles W. Elliot
(Boston-Estados Unidos 1834-1926 Northeast Harbor-Estados Unidos)

“Se tens um jardim e uma biblioteca,
tens tudo.”
Marco Túlio Cícero (Arpino-Itália
106 a.C.–43 a.C. Formia-Itália )

“A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde.”
André Maurois, pseudônimo de Emile Salomon Wilhelm Herzog (Elbeuf-França 1885-1967 Paris-França)

“Livros e solidão: eis o meu elemento.”
Benjamin Franklin
(Boston-Estados Unidos 1706-
1790 Filadélfia- Estados Unidos)

“Dupla delícia: o livro traz a vantagem de a gente poder estar só e ao mesmo tempo acompanhado.”
Mário Quintana (Alegrete-RS 1906-1994 Porto Alegre-RS)

“Em uma boa biblioteca, você sente, de alguma forma misteriosa, que está absorvendo, através da pele, a sabedoria contida em todos aqueles livros, mesmo sem abri-los.”
Mark Twain, pseudônimo de Samuel Langhorne Clemens (Flórida-Estados Unidos 1835-1910 Redding-Estados Unidos)

“Este lugar é um mistério, Daniel, um santuário. Cada livro, cada volume que vês tem alma, a alma de quem o escreveu e a alma dos que o leram e viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro muda de mãos, cada vez que alguém desliza o olhar pelas suas páginas, o seu espírito cresce e torna-se forte.”
Carlos Ruiz Zafón (Barcelona-Espanha, n. 1964), em “A sombra do vento”

“A leitura… esse vício impune…”
Valéry Larbaud (Vichy-França 1881-1957 Vichy-França)

“Que nunca o livro fique longe de tua mão e de teus olhos.”
São Jerônimo
(Dalmácia-Croácia? 342?-420 Belém-Cisjordânia)

A função do leitor/1
“Quando Lucia Pelãez era pequena, leu um romance escondida. Leu aos pedaços, noite após noite, ocultando o livro debaixo do travesseiro. Lucia tinha roubado o romance da biblioteca de cedro onde seu tio guardava os livros preferidos.
Muito caminhou Lucia, enquanto passavam-se os anos. Na busca de fantasmas caminhou pelos rochedos sobre o rio Antióquia, e na busca de gente caminhou pelas ruas das cidades violentas.
M
uito caminhou Lucia, e ao longo de seu caminhar ia sempre acompanhada pelos ecos daquelas vozes distantes que ela tinha escutado, com seus olhos, na infância. Lucia não tornou a ler aquele livro. Não o reconheceria mais. O livro cresceu tanto dentro dela que agora é outro, agora é dela.”
Eduardo Galeano (Montevidéu-Uruguai,
n. 1940), em “O livro dos abraços”

“Ler é beber e comer. O espírito que não lê emagrece como um corpo que não come.”
Victor Hugo (Besançon-França 1802-1885 Paris-França)

“Quando você relê um clássico, você não vê mais no livro do que havia antes; você vê mais em você do que havia antes.”
Clifton Fadiman (Nova Iorque-Estados Unidos 1904-1999 Flórida-Estados Unidos)

“Não há livros morais nem imorais. O que há são livros bem escritos ou mal escritos.”
Oscar Wilde
(Dublin-Irlanda 1854-1900 Paris-França)

“Uma boa leitura dispensa com vantagem a companhia de pessoas frívolas.”
Marquês de Maricá, pseudônimo de Mariano José Pereira da Fonseca (Rio de Janeiro-RJ 1773-1848 Rio de Janeiro-RJ)

“Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina.”
Cora Coralina, pseudônimo de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretas (Cidade de Goiás-GO 1889-1985 Goiânia-GO)

“Um livro deve ser o machado que partirá os mares congelados dentro de nossa alma.”
Franz Kafka (Praga-República Checa 1883-1924 Klosterneuburg-Áustria)

“Onde eu não estou, as palavras me acham.”
Manoel de Barros
(Cuiabá-MT, n. 1916)

“A leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas, por incrível que pareça, a quase totalidade das pessoas não sente esta sede.”
Carlos Drummond de Andrade
(Itabira do Mato Dentro-MG 1902-1987
Rio de Janeiro-RJ)

“Livro bom é o que é aberto com expectativa, e fechado com deleite e aproveitamento.”
Amos Alcott
(Connecticut-Estados Unidos 1799-1888 Massachusetts-Estados Unidos)

“Um público comprometido com a leitura é crítico, rebelde, inquieto, pouco manipulável e não crê em lemas que alguns fazem passar por ideias.”
Mário Vargas Llosa
(Arequipa-Peru, n. 1936)

Autoria: desconhecida

Colaboração:
Mário Leal Filho – São Paulo-SP

Publicado m: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Pérolas de Luz

*

Pérolas de luz

Emmanuel
Francisco Cândido Xavier


A receita da vida será sempre melhorar-nos, através da melhora que venhamos a realizar para os outros.

Em matéria de felicidade só se possui aquela que se dá.

Cada pessoa renasce na soma do que já fez.

A melhora de tudo para todos começa na melhora de cada um.

A vida por fora de nós é a imagem que somos por dentro.

Perante Deus toda pessoa é importante.

Quem perdeu a própria fé, nada mais tem a perder.

Quem condena atira uma pedra que voltará sempre ao ponto de origem.

A indulgência é a fonte que lava os venenos da cultura.

Nunca se viu egoísmo que não se queixe de ingratidão.

Não te digas incapaz, nem te digas inútil. Auxilie como puderes.

A felicidade não entra em portas trancadas.

Em qualquer empresa, a irritação dos responsáveis faz a metade do insucesso.

Não sobrecarregues teus dias com preocupações desnecessárias, a fim de que não percas a oportunidade de viver com alegria.

Quem aprende a ouvir com atenção aprende a falar com proveito.

Esclarece e avisa para o bem, mas não exijas do próximo aquilo que ainda não consegues fazer.

De imediato, ninguém renova pessoa alguma.

A herança da liberdade pertence ao dever cumprido.

Obrigação cumprida será sempre o nosso mais valioso seguro de proteção.

Inteligência sem obras é tesouro enterrado.

Mobiliza o conhecimento elevado para atenuar a ignorância.

Reclamar é ferir-se.

A alma corajosa não é aquela que se dispõe a revidar o golpe recebido e sim
aquela que sabe desculpar e esquecer.

Mais fácil sofrer, difícil é perdoar.

Perdão é lucro.

O dinheiro pode proporcionar-te reconforto, mas o descanso da alma vem de Deus.

Em qualquer parte a vida te conhece pelo que és, mas apenas te valoriza pelo que fazes de ti.

Aproveita o tempo construindo o bem, a fim de que o tempo te aproveite, de modo a fazer o melhor de ti.

Créditos:
Autoria: Emmanuel
Psicografia: Chico Xavier
Livro: Pérolas de Luz – CEU – 1992
PPT: Gilmar da Cunha Trivelato
Colaboração: Irvênia Prada – São Paulo-SP

Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/