Uma visita inesquecível

*

UMA VISITA INESQUECÍVEL

Pelos idos dos anos 70 viajamos para a bela cidade de Uberaba para visitarmos o nosso querido Chico Xavier. Chegando na rua Eurípides Barsanulfo, embora ainda faltasse algum tempo para o inicio da reunião onde contaríamos com a presença do Grande Médium, já era intensa a movimentação em torno da Casa Espírita.

Mães, muitas delas carregando seus filhos ao colo, entravam pelo portão, para em seguida, acomodarem-se em torno de longa mesa tosca em busca da sopa reconfortante, cujos pratos, fumegantes, estavam sendo servidos por cerca de uma dezena de voluntários.

Algumas dessas mulheres carentes, ao mesmo tempo em que se alimentavam, procuravam amamentar seus rebentos. Essas criaturas, além de roupas e alimentos, recebiam assistência medica efetuada pelo Médico e Médium doutor Valdo Vieira. Ficamos emocionados com o trato carinhoso dispensado pelo companheiro do Chico, àquela verdadeira multidão de necessitados.

Valdo em pleno vigor da juventude, trazia no semblante sereno as marcas saudáveis e rubras do jovem que denotava usufruir os tempos felizes. Tal realidade não se dava somente no campo das aparências, pois nosso irmão durante os trabalhos da psicografia, em companhia do grande Chico, postava-se para a recepção das mensagens, lado a lado, ambos atuavam fazendo com que os lápis deslizassem com velocidade incrível sobre as alvas folhas de papeis. A igualdade e a grandeza do fenômeno não se davam apenas no campo das aparências, pois as belezas das mensagens eram tocantes e se confundiam.

O consultório onde Valdo prestava atendimento limitava-se a um cubículo, cuja porta era frontal à calçada, onde perfilavam crianças e adultos. A fila formada defronte o pequeno consultório estendia-se ao longo da murada e o mais impressionante é que muitos desses necessitados diziam-se forasteiros e que haviam empreendido longas caminhadas pela noite adentro até ali chegarem.

Aquela multidão de necessitados guardava profundo respeito pelos dois missionários. O que nos deixou emocionado foi o fato de constatar que os médiuns retribuíam cada vez que tinham suas mãos beijadas pelos maltrapilhos, abraçando-os fazendo festas, como se os tivessem reencontrado depois de muito tempo.

Convidado pelo Chico, para que lhe fizesse companhia, enquanto ele estivesse prestando atendimento Fraterno, as pessoas que compunham caravanas originárias dos diversos estados. Confesso que me enchi de importâncias, chegando a imaginar que ele assim procedia por necessitar que eu lhe desse “uma força”. Vejam até que ponto pode chegar a mísera pretensão humana.

Postei-me ao lado do grande Médium e ele iniciou o atendimento a aquela verdadeira multidão. Voltei-me para traz e constatei que não havia uma só cadeira. Como assim? Praticamente setecentas pessoas a serem ouvidas e nós aqui em pé ?
Mas era esse o procedimento daquela Grande Alma. Não se dava o direito de sentar-se enquanto aqueles que o buscavam permanecessem a sua frente em busca de uma palavra.

Aproximou-se uma senhora carregando nos braços uma menina de aproximadamente dois anos e perguntou ansiosa:
– Chico esta menina esteve tão doentinha, será que agora ela vai se arribá?
O Médium depois de um largo sorriso ergueu o bracinho da criança e disse eufórico:
-Querida irmã essa menina só pode sarar! Observe a mãozinha dela! Mais parece uma estrela!
Notei que os olhos da mulher marejaram.

Na verdade, até então não havia presenciado tamanha expressão de felicidade no semblante de uma mãe. Naquele momento pude avaliar a razão pela qual Chico houvera solicitado, para que eu pobre ignorante, ali ficasse ao seu lado, a fim de que pudesse assimilar tudo aquilo.

A visão ampla daquele homem revelava-se em seus mínimos gestos. Num determinado instante ele permitiu -se interromper o atendimento àquelas pessoas e voltando-se para uma voluntária da casa solicitou gentilmente:
-Mirtes, por favor, peça ao irmão Lázaro que venha até aqui.
Um minuto depois se aproximou o homem aparentando trinta e cinco anos. Colarinho da camisa todo puído e trazia o semblante marcado pela tristeza. Assim que deu um carinhoso abraço no Lázaro Chico perguntou-lhe:
-E então bom amigo, conseguiu safar-se da enfermidade?
-Sim Chico, mas será que eu vou conseguir arrumar emprego?
-Esteja certo disso Lázaro – disse enquanto erguia os braços da humilde criatura – Se Deus lhe deu dois instrumentos tão maravilhosos quanto esses, será que Ele vai negar-lhe um emprego?
Lázaro se foi pisando nas alturas, e eu cada vez mais abestalhado com tudo aquilo que acabava de presenciar.

Confesso que nem me lembro se minhas pernas estavam cansadas ou não, só sei que o grande Chico, na grandeza de sua humildade, fez de contas que não percebeu que viera marcar para sempre, com seus exemplos de Amor, a Alma desta mísera criatura.

Álvaro Basile Portughesi
clareon@uol.com.br
*
Publicado em SinapsesLinks:
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

Espiritismo Kardecista

*

Espiritismo Kardecista

por Rubem César Fernandes

O Espiritismo Kardecista surgiu na França, no século XIX, por obra de Léon Hyppolite Dénizart Rivail, que se tornou conhecido como Allan Kardec. Fenômenos mediúnicos despertavam interesse nos salões franceses desde o século anterior, combinando a curiosidade filosófico-científica com a experimentação quase religiosa dos mistérios do espírito. Positivismo e misticismo combinavam-se. Kardec observou sistematicamente estes fenômenos e desenvolveu uma obra que se tornou referência clássica para um movimento que se expande ainda em nossos dias.

As idéias de Kardec tiveram boa recepção no Brasil. Despertaram o interesse de pessoas letradas que viam nelas sinais de modernidade contrastante com o conservadorismo católico. Ganharam adeptos nas elites formadas por profissionais liberais e militares. Em 1884, já eram difundidas o bastante para que se criasse uma Federação Espírita Brasileira. No século XX, o Brasil tornou-se o país de maior expressão espírita. Conta hoje com alguns milhões de fiéis declarados e suas idéias influenciam a cultura religiosa em seu conjunto. O princípio da reencarnação, por exemplo, é aceito, provavelmente, por uma maioria de brasileiros.

Os espíritas reúnem-se em “Centros”. A liderança do Centro não precisa ser formada por um Seminário, nem ser submetida a um rito qualquer de investidura. Os espíritas são econômicos quanto aos ritos, preferindo a comunicação verbal e direta. A formação de seus quadros é feita no dia-a-dia do Centro. As seções têm um forte caráter educativo, com palestras explicativas da doutrina. Ao final da palestra, os médiuns percorrem a audiência dando “passes”, que servem como um discreto rito de purificação.

As seções mediúnicas preservam o mesmo estilo. A incorporação não anula a consciência do médium e ocorre, costumeiramente, num ambiente de penumbra e recato. Se o espírito é superior, orienta os presentes, oferecendo-lhes conselhos. Se, ao contrário, o espírito sofre ainda pelas coisas terrenas perdidas, inverte-se a relação, cabendo aos médiuns o trabalho de doutrinar e oferecer ajuda àquele espírito sofredor.

A mediunidade espírita realiza a mesma combinação de esclarecimento e caridade que deve guiar a vida dos fiéis. Permite que o progresso moral atravesse a barreira da morte, colocando vivos (“encarnados”) e mortos (“desencarnados”) em comunicação. A literatura espírita, abundante, é ela própria fruto da mediunidade. Autores como Francisco Cândido Xavier, o Chico Xavier, redigem sob a influência direta de espíritos superiores, psicografando os seus ensinamentos. Há artistas que pintam em transe. Mais espetacular, chegando ao ponto de gerar polêmicas, é a prática médica, e mesmo cirúrgica, executada por espíritos desencarnados que se utilizam do “aparelho” do médium. O suposto cirurgião germânico Dr. Fritz continua a praticar no Brasil, utilizando-se de uma sucessão de médiuns e atraindo grande número de pacientes.

Não há centro espírita que não desenvolva alguma obra de caridade. Creches, asilos, ambulatórios, distribuição de alimentos etc., são objeto de trabalho voluntário que alcança um grande número de beneficiários. É a expressão mais visível da moral espírita, baseada no princípio do “carma”. Acreditam que toda ação, boa ou má, tem a sua conseqüência no caminho da evolução espiritual de cada indivíduo. O esclarecimento e a caridade conduzem o espírito ao longo de sucessivas reencarnações, num sentido evolutivo, que nos permite superar os sofrimentos terrenos e migrar para níveis mais elevados de existência.
*
Fonte:
http://www2.mre.gov.br/cdbrasil/itamaraty/web/port/artecult/religiao/espirit/index.htm
*
Sobre o autor:
Rubem César Fernandes
Rubem César Fernandes formou-se em História, na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), fez mestrado em Filosofia, na Universidade de Varsóvia (Polônia), e tornou-se PhD na Universidade de Colúmbia (Nova York). Foi professor na Universidade de Colúmbia, na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), no Museu Nacional (Rio de Janeiro), na UFRJ e na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). É secretário executivo do Instituto de Estudos da Religião (ISER) e secretário executivo do Viva Rio. Autor, entre outros, de Romarias da Paixão (Rio de Janeiro, Rocco, 1995), Privado Porém Público (Rio de Janeiro, Relume Dumará, 1995), Vocabulário de Idéias Passadas (São Paulo, Relume Dumará, 1995) e Novo Nascimento – Os Evangélicos em Casa, na Igreja e na Política (no prelo).
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Conheça: Janelas da Alma
https://sites.google.com/site/eudisonleal/Home
*

Joanna de Ângelis

*

Joanna de Ângelis

Venha assistir conosco no
Centro Espírita União e Caridade,
dia 03 de abril, próxima sexta-feira, às 19 horas, o belíssimo

Documentário: As Vidas de Joanna de Ângelis

O médium e orador espírita Divaldo Pereira Franco narra as diferentes existências deste Espírito venerando, como Joana de Cusa, onde teve contato com o mestre nazareno e a abadessa Joana Angélica de Jesus, participando do movimento de independência do Estado da Bahia e também do Brasil. O documentário traz ainda confissões e casos pessoais do médium ocorridos entre os mais de 60 anos de mediunidade e divulgação do Espiritismo guiados pelo iluminado Espírito.

O Centro Espírita União e Caridade está localizado à
Rua Dr. Souza Alves, nº. 142, Centro – Taubaté.

A entrada é franca.

Em caso de dúvidas, por favor, entre em contato conosco por meio dos nossos endereços eletrônicos ou telefone:
kikagoncalves@gmail.com – Ana Cristina.
estelo7@yahoo.com.br – com Liane
ou pelo telefone 3635-3344 – Livraria do “Seu Zezinho”
Sua presença é muito importante para nós.
Muita paz e luz.
*

Chico 100 anos em 2010

*

Centenário de Francisco Cândido Xavier em 2010

Federativas espíritas reunidas em Aracaju
Objetivo é debater participação e projeto relativo aos 100 anos de Chico Xavier
30/03/2009 – 16:10

Nos dias 3, 4 e 5 de abril acontece em Aracaju a 23ª Reunião da Comissão Regional Nordeste, com a presença de todas as Federativas Espíritas dos estados nordestinos e mais dirigentes da Federação Espírita Brasileira (FEB). A freqüência do Encontro Regional, que acontece no Hotel Bello Mar, foi estimada em 100 pessoas.

As delegações de cada federativa compostas pelo presidente, assessor e mais oito coordenadores de áreas específicas serão recepcionadas pela anfitriã, Federação Espírita do Estado de Sergipe (Fees), na pessoa de seu presidente, engenheiro Júlio César Freitas Góes e demais diretores.

No encontro serão discutidos assuntos de alta relevância para o movimento espírita da região e nacional com destaque para o projeto ´Centenário de Francisco Cândido Xavier em 2010´, cuja homenagem será por ocasião do 3º Congresso Espírita Brasileiro.
*
Fonte:
http://www.infonet.com.br/noticias/ler.asp?id=84089&titulo=cidade
*

Solidão

*

Solidão

Chico Xavier

Solidão não é a falta de gente para conversar, namorar, passear ou fazer sexo… isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar… isto é saudade.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe às vezes, para realinhar os pensamentos… isto é equilíbrio.

Tampouco é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a nossa vida… isto é um Princípio da Natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado… isto é circunstância.
Solidão é muito mais que isto.

Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão, pela nossa alma.

Francisco Cândido Xavier
*