Sergio Ricci Goldstein

*
*

*
*
Sergio Ricci Goldstein
*
Facebook: http://migre.me/58ZEd
Centro Espírita Lar do Caminho
Jornal Construindo a Vida
Campos do Jordão-SP
*
Olá amigo obreiro da causa de Jesus, Salve!
Já faz tempo que recebo seu Jornal.
De lá tenho tirado matéria para o meu blog.
Sou um dos milhares de seus assinantes.
Muito obrigado!
*
Sergio, Continue!!!
Fraternalmente,
Leal – aprendiz em todas as instâncias da Vida
*

Gostamos mesmo de Aparecer

*
*

*
*
Gostamos mesmo de Aparecer

Quando estamos online, perdemos um pouco a capacidade de crítica.

“Há uma sensação de anonimato e privacidade quando se está online. É comum as pessoas entrarem em estado alterado’ de consciência, semelhante ao sonhar.”

Para a psicóloga Dora Sampaio Góes, do Hospital das Clínicas de SP, gostamos mesmo de aparecer. “Queremos vender uma identidade.”

O problema é confundir o íntimo com o social e tomar público o particular, segundo ela. “Usamos as redes sociais como se fossem nosso quarto. Há uma deturpação da noção de intimidade.”

Owen Tripp diz mais: “O que antes escreviam na porta do banheiro vai hoje para o mural do Facebook.” E há um preço a pagar. A advogada Patrícia Peck, especialista em direito digital, diz que falta a todos uma noção do risco real na intemet.
“As pessoas ‘podem falar o que pensam, mas respondem pelo que dizem.”

Faça a conta: se você tem 200 amigos no Facebook e cada um também tem 200, uma postagem sua pode chegar a 40 mil pessoas que você nem tem ideia de quem sejam.

Assustador, não?

Mas não ê preciso apagar o perfil em todas as redes sociais. Alex Primo, professor de comunicação da UFRGS, diz que é possível separar o profissional do pessoal em redes sociais com listas e configurações de privacidade.

Mas reconhece que internet é um convite à exposição.

“Quanto mais você se expõe, mais vantagens pode receber.

Só posso usar ferramentas do Google se der os meus dados.

O Facebook só é divertido quando atualizamos.”
*
Fonte:
Folha Equilíbrio
Data: 28jun2011
Página 6
*
Publicado em: SinapsesLinks
https://sinapseslinks.wordpress.com/
*

Comunicação

*
*

*
*
Comunicação
*
Classificação das Habilidades Sociais

Comunicação Verbal:
pode ser definida como uma troca de Informação verbal entre duas ou mais pessoas Segundo Chlavenato (2000) significa tornar comum uma mensagem ou informação.

As pessoas se comunicam de diversas formas. mas a comunicação verbal é a mais comum e se refere à emissão de palavras e sons que usamos para nos comunicar.

A comunicação é responsável pela formação de extensas redes de troca social que mantêm e alteram a cultura
A Interação social se manifesta na comunicação entre as pessoas e é por meio desta e de outros fenômenos que as pessoas manifestam seu comportamento em relação aos outros.

Sensibilidade Perceptiva:
(comunicação não verbal):
envolve a capacidade de decodificar o significado de comportamentos não verbais, por meio de gestos, posturas, expressões faciais, movimentos dos olhos, paralinguagem, dentre outros.

Refere-se também à capacidade de transmitir mensagens não verbais de acordo com os objetivos sociais.

A comunicação não verbal não apenas se ajusta à comunicação verbal, mas também favorece a expressão de Intenções e emoções (Portella. 2006) Para Rector e Trinta (1985: 1990, citado por Portei Ia, 2006) 65% da nossa comunicação é não verbal.

A percepção da atitude de uma pessoa seria Influenciada em 7% pelo conteúdo verbal, 38% pelo tom de voz e 55% pela face (Fortuna e Portella. 2010) refere-se à habilidade de fornecer e de receber feedback positivo e negativo, Para Fortuna e Portella (2010), dar e receber feedback (retroalimentação) constituem habilidades essenciais para regular o próprio desempenho e os das pessoas com quem se convive, visando a relações saudáveis e satisfatórias. Dar e receber feedbacks podem ser entendidos como uma descrição verbal ou escrita sobre o desempenho da pessoa.

Autoapresentação Positiva:
é uma habilidade social que consiste na capacidade de apresentar-se de forma adequada nas diferentes situações sociais, envolvendo aspectos relacionados às regras de demonstração e à aparência (Portella Stingel e Bastos. 2005). Pode também ser definida como as maneiras pelas quais os Indivíduos buscam controlar as Impressões pessoais para atingir um determinado objetivo (Leary 1995).

Capacidade Empática:
é a capacidade de compreender e sentir o que alguém pensa e sente em uma situação de demanda afetiva, comunicando-lhe adequadamente tal compreensão e sentimento (Dei Prette e Dei Prette. 2001) Por meio da empatia. é possível compreender os sentimentos e perspectivas da outra pessoa e experimentar para com a mesma compaixão e preocupação com seu bem-estar (Falcone. 1999).

Assertividade:
é a capacidade de expor de maneira objetiva. clara e direta o que se pensa sente ou quer sem ser passivo, tampouco agressivo.
Envolve autorrespeito e respeito pelos outros
É exercer os próprios direitos sem violar os dos outros, se colocando sem ser agressivo e sem ser passivo.
Dizer sim quando quer dizer sim. dizer não quando quer dizer não e solicitar mudança de comportamento são exemplos.

Fonte:
Revista Psique
Ano VI no. 63
Página 44

Publicado em: SinapsesLinks
https://sinapseslinks.wordpress.com/