Egrégora

*
*

*
*

Egrégora

Egrégora (do grego “Egregorien”, que significa “velar”, “cuidar”):

É a atmosfera coletiva plasmada espiritualmente num certo ambiente, decorrente do somatório dos pensamentos, sentimentos e energias de um grupo de pessoas voltado para a produção de climas virtuosos no mundo.

É a atmosfera psíquica resultante da reunião de grupos voltados para trabalhos e estudos baseados na LUZ.

Pode-se dizer que toda reunião de pessoas para a prática do Bem e da Virtude (independente de linha espiritual) forma uma egrégora específica, uma verdadeira entidade coletiva luminosa, a qual se agregam várias outras consciências extrafísicas alinhadas com aquela sintonia espiritual para um trabalho interdimensional.

Provavelmente foi por isso que Jesus ensinou:
“Onde houver dois ou mais em meu nome, aí eu estarei.”

O trabalho Ritual regular, constante, harmônico somado aos interesses superiores de seus praticantes é a fonte geradora de um nível vibratório elevado, alimentador constante de uma Egrégora capaz de gerar paz, evolução espiritual e conhecimento aos que dela usufruem.

Todos os agrupamentos humanos possuem suas egrégoras características:
todas as empresas, clubes, religiões, famílias, partidos, etc. 

Muitos dizem que não se deve misturar egrégoras de trabalhos diferentes, porém, quando o Amor se manifesta, desaparece qualquer ideologia doutrinária, e só fica o que interessa: a LUZ.

Egrégora é como um filho coletivo, produzido pela interação “genética” das diferentes pessoas envolvidas.

Se a egrégora é produzida por grupos de pessoas, basta você se aproximar e freqüentar as pessoas certas:
gente feliz, descomplicada, saudável, de bom caráter, boa índole.

Mas também com fibra, dinamismo e capacidade de realização;
sem vícios nem mentiras, sem preguiça ou morbidez.

Uma vez obtido o grupo ideal, todas as egrégoras geradas ou nas quais você penetre, vão induzi-lo à saúde, ao sucesso, à harmonia e à felicidade.

O dia em que os homens despertarem para climas mais universalistas e cosmoéticos, com certeza, esse mundo será melhor de viver.

Viva a LUZ, pouco importa o nome, o grupo ou a doutrina que fale dela.

E viva os mentores espirituais que ajudam a todos, independente de credo, raça ou cultura esposada.

Wagner Borges
Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick
*
Publicado em: SinapsesLinks
https://sinapseslinks.wordpress.com/
*
Colaboração:
Erda Nemitz
Holambra-SP
*
Link permanente: http://wp.me/s1oMor-egregora
*

Anúncios

Que você…

*

Que você…

Que você, mesmo sob a pressão do mundo, jamais negue o seu espírito.

Que você não permita que suas emoções estranhas bloqueiem o amor real.

Que você não deixe que alguém, homem ou espírito, roube sua alegria.

Que você diga não a tudo o que seja degradante de sua integridade.

Que, por onde for, com quem for, você vença a si mesmo.

Que você esteja livre das algemas da arrogância e do medo.

Que você possa olhar em seus olhos e sentir grandeza e integridade .

Que você valorize um coração luminoso e cuide bem de sua luz…

Que você se emocione só de sentir-se vivo, e agradeça a quem lhe deu a vida.

Que você respire alegremente, sentindo a energia permeando o ar.

Que você veja as partículas de luz dançando na atmosfera à sua frente…

Que você se respeite como Ser universal, para se respeitar como Ser humano.

Que você não deixe sua mente abafar o seu coração nem os seus sonhos.

Que você eleve as mãos para o sol e comemore a bênção da luz.

Que você ensine aos seus filhos a ver graça na vida, pois cada dia é sagrado.

Que você chore, se quiser, mas que o seu choro seja justo e traga lições.

Que você cante algum mantra, e que isso melhore as pessoas e o mundo.

Que você suba a montanha e reverencie o vento e os espíritos do ar.

Que você desça até a campina e reverencie os espíritos das brumas.

Que você cante uma canção pelos seus ancestrais e amigos de outrora.

Que você não se esqueça dos que partiram para o plano espiritual.

Que haja alegria nessa lembrança! Que haja luz! Que haja bênçãos nisso!

Que você também cante pelos amigos de agora, pois eles são presentes em sua vida.

Que você ame profundamente… E que isso dignifique sua jornada e o ser amado.

Que você seja uma presença de luz na vida dos outros… E que isso seja sempre!

Que você saiba reconhecer os seus erros e, com humildade, corrigi-los.

Que você perdoe a si mesmo e, assim, aprenda a perdoar aos outros.

Que você também reconheça suas qualidades e seus acertos, e fique alegre por isso.

Que você não se lamente pelas coisas do passado; apenas aprenda a lição e voe…

Que você não se deite com ira de ninguém e nem preso nas coisas do mundo.

Que você durma pensando no céu azul… E que visite as estrelas, em espírito**.

Que os espíritos das brumas guiem sua jornada espiritual, por onde você for…

Que você e eles dancem nos ares e celebrem a graça da amizade e do encontro.

Que você cante com eles! Que você ria muito lá em cima! Que você aprecie a vista!

Que você aprenda algo enquanto seu corpo dorme… E que você se lembre!

Que você sinta que o seu verdadeiro lar é em seu coração.

Que você seja feliz, mesmo que ninguém entenda por que .

Que você agradeça a Deus por tudo.

Que você leia essas linhas e acredite mais em si mesmo.

Que você e eu nos encontremos aqui, por sintonia espiritual.

Que nos reconheçamos como irmãos de luz, mesmo à distância.

Que um Poder Maior nos una, em espírito e verdade.

Que um Grande Amor encante nossos pequenos corações.

Que esses escritos iluminem a dádiva de mais um dia.

Que assim seja, pois, somos todos um!
Que haja Paz e Luz!

Tenha um dia feliz…
Somos todos um…

Texto – Wagner Borges
Formatação – Ana Lucia Chiavaioli
Junho / 2009

Colaboração:
Ianaê Seabra Pitanguy
São Paulo-SP

Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/

Discernimento

*

Discernimento

Há muito tempo as pessoas perdem tempo  esperando mensagens de seres do espaço ou de qualquer outro lugar e se esquecem de prestar atenção na vida que passa. É o pessoal que “viaja na maionese psíquica”, sempre procurando uma fuga da realidade e usando sua suposta motivação de profecias apocalípticas  para devaneios místicos .

Alguns grupos esperam algum asteróide chupão para separar o joio do trigo . Outros esperam que os extraterrestres baixem por aqui só para salvar o seu grupinho do fim do mundo (ou seja, morrem de medo de morrer e se acham escolhidos de alguma coisa) e outros citam o Apocalipse bíblico ou algum outro calendário catastrófico para justificar suas profecias mirabolantes, esquecendo do aqui e agora da vida. E qual calendário, desse ou daquele povo, poderá transformar alguém imaturo em sábio?

Ou mesmo regular absolutamente o destino da humanidade, já que o tempo é relativo? Tudo isso é uma tremenda falta de atenção em si mesmo. O ser humano espera que seres do mundo exterior venham e resolvam problemas interiores, problemas dentro de cada um. Nosso defeito clássico é ficar esperando que venha um Salvador, que nos salve de nós mesmos. Quanto tempo ainda vamos perder, quanto tempo ainda vamos esperar que alguém venha e resolva o que só cabe a cada um resolver? 

Tantas pessoas discutem o fim do mundo, qual o mestre certo a seguir, o quanto fulano ou sicrano ainda está imaturo, qual a fraternidade é mais evoluída, analisam  quem pode ou não ser salvo, ou seja, essas pessoas e grupos (que sempre esperam a salvação vir de fora e nunca a evolução de sua consciência por dentro, pelo próprio esforço e ampliação da lucidez e do bom senso)

Estão falando de catástrofes e asteróides chupões, mas não prestam atenção nos asteróides emocionais que já estão causando a destruição de sua inteligência por dentro do seu universo interior, que eles nunca olham. E por que eles nunca olham? Porque o que está fora parece chamar mais atenção do que o que está dentro. O medo de ficar só, o medo de não ser aceito pelo outro, o apego ao grupo de “amigos” que só comparecem no final de semana para aquele churrasco e aquela cervejinha. Fica a pergunta: eles vêm por causa da cerveja ou da companhia?

A maior das catástrofes já está acontecendo dentro de cada um: não conhecem as estrelas do próprio universo interior. Por isso procuram fora, tentando preencher o vazio consciencial de dentro ou simplesmente porque é mais fácil ter alguém que os guie hoje e que possa ser julgado amanhã.
Essas pessoas se fecham tanto  em seus mundos mortais e se esquecem da própria imortalidade.

A conclusão é óbvia: esse pessoal não tem certeza da própria imortalidade. Pois, se tivessem, não perderiam tempo com isso!
E outra coisa: paraíso e inferno são estados de consciência internos.
São portáteis: cada um carrega o seu por dentro. Logo, para qual paraíso externo alguém seria arrebatado? E os que estão com medo disso ou daquilo, já não estão no inferno de suas dúvidas e aflições?
Sim, cada ser vivo é o que sonha ser, cabe a cada um torna a vida um sonho ou um pesadelo.

Alguns falam que a Terra sairá de órbita, mas eles mesmos já estão fora de órbita… perdidos no espaço de energias funestas criados por eles mesmos, cheios de  profecias, medos e ilusões.
Outros tremem de medo de espíritos, que são desencarnados daqui mesmo, gente nossa, que apenas mora em outros planos de manifestação. E eu pergunto:
– Também não teriam medo de ETs, que são gente de fora?
E pergunto mais,
– Que calendário poderá mudar a minha consciência?

Se eu não for feliz por dentro, que ser de fora poderá me fazer feliz? Ninguém nesse ou no outro universo ou planeta é responsável pelo meu destino senão eu mesmo. Como posso supor que a Inteligência Maior colocaria o meu direito de ser feliz na mão de outrem? Se você acredita que não pode viver sem alguém, cuide-se. Você está gravemente doente da falta de amor próprio.

Seja o anjo, o guia espiritual, o mestre tal, o avatar da Nova era, ou Buda, quem poderá viver por mim? Quem poderá passar pelas experiências que preciso para amadurecer? Quem poderá andar ou evoluir em meu lugar? Quem poderá despertar o Deus em mim senão eu por mim mesmo? Eles podem até ajudar, iluminando nossa jornada, mas jamais caminharão por nós, nem retirarão as provas da senda, pois são elas necessárias para o aperfeiçoamento do Divino Ser em mim, em ti, no Todo.

Se um portal de luz se abrir, mas a  nossa consciência não se abrir, de que isso adiantará?
Está na hora de abrir o olhar amplo da visão sem julgamento, afinal se a árvore do vizinho é torta não seria essa sua natureza? Por que uma simples árvore torta constrange tanto nossa visão? Não seria mais natural se olhássemos primeiro para o nosso jardim, digo, nós mesmos? As pessoas têm medo de abrir o portal interior, têm medo das revelações, do que tais revelações podem causar ao seu mundo social. A luz de fora se esgota, a de dentro permanece eterna. 

Fala-se muito por aí em transição planetária e abertura de portais celestes. Porém, eu pergunto: transição é transformação? O ser humano está sujeito a muitas experiências e quebras de paradigmas a todo momento. Logo, cada experiência, quando acompanhada de quebra de paradigmas antigos e estagnados, já não é uma transição?

E precisa de portal para isso? Não basta a própria inteligência e sensibilidade ser o portal divino lá no alto da cabeça de cada ser vivo? Não é lá que está o abençoado  canal com Deus, com a consciência cósmica, glândula pineal e tantos outros nomes? Tantos nomes só para falar que está em cada cabeça sua sentença ou evolução.
Estamos todos nós em transição constante.

Cada dia é um novo dia, cheio de oportunidades de crescimento, por aqui mesmo, na boa e velha Terra. Cada dia é um recomeço. Cada coração é um portal do Divino, pois o Todo está em tudo!

Matéria é energia condensada e energia é matéria em estado radiante.
Logo, tudo é energia em graus variados de densidade. Tudo é energia.
Ou, como os antigos iniciados herméticos ensinavam: “TUDO É LUZ!”
Portanto, alguém feliz já tem um portal aberto em si mesmo: é o portal da alegria, da paz interior. E se tem certeza da própria imortalidade nada no mundo o afeta.

Olha o bem e o mal como parceiro na evolução  e aprende que no final do jogo o rei e o peão podem até voltar para a mesma caixa, mas a mente iluminada transcende o jogo e a caixa. 
E portando algo assim dentro do próprio coração, como poderia ter medo do futuro, seja ele qual for? Como poderia falar de fim de alguma coisa, sabendo que nada tem fim, nada morre? Afinal a vida só gera a vida. O que chamamos de morte é só uma nova condição da vida, que se prolongou para se eternizar.

O amanhã está sendo construído agora mesmo, em cada pensamento que engendramos, em cada atitude que tomamos. Por isso o momento atual é chamado de presente. Sim, é um presente mesmo, pois é nele que podemos corrigir os pseudo-erros, chamados também de aperfeiçoamento no processo de homens-deuses, erroneamente chamados de pecado ou autoculpa, uma desculpa muito barata para não sermos felizes.
Felicidade é um estado de espírito.

Com ou sem asteróide, com ou sem portal, com Ashtar Sheran, ou Buda, ou sem eles, todos nós precisamos aprender
muito, independentemente de qualquer causa fora de nós mesmos. Isso é básico! É óbvio! Precisamos crescer! Vamos evoluir!
Se  o mestre ou guru de alguém disse isso ou aquilo, não importa!

Com eles ou sem eles, precisamos crescer muito e isso é um feito só nosso, pois ninguém pode fazer esse milagre por nós. Cada um veio aqui para experimentar, para provar do fruto da sabedoria e elevar a consciência cósmica adormecida dentro de cada um e  termos o Todo dentro de nossos corações.
Não existe raça ou ser humano escolhido por poderes celestes: todos somos irmãos, não somos melhores diante dos olhos do DIVINO É, que nos observa  pelas lentes do Amor incondicional; todos somos energia; todos somos luz!

Terrestre é só o corpo físico, que nasce, cresce e morre na Terra.
O espírito pertence à luz, à Inteligência, Divina Luz, de onde todos, universalmente, vêm e vão, extraterrestres ou humanos, tudo uma coisa só, tudo irmãos, pois são expressões do mesmo Todo que está em tudo.

Se vem asteróide por fora, pouco importa. Estou bem por dentro, para qualquer situação. Se o mundo vai acabar algum dia, não importa! Só sei que eu não acabo, nem hoje nem amanhã.

Sou eterno por natureza, em espírito. Eu sei disso e não posso provar para os outros, mas estou tranqüilo! A certeza disso em mim já me basta para não ter medo de ser feliz, aqui e agora, e amanhã também, com corpo denso ou sutil, na Terra ou em outros lares… sempre bem comigo mesmo, sempre lúcido na senda evolutiva, sempre com o coração e a mente abertos a tudo o que for positivo e voltado para o bem comum da humanidade como um todo.

Que alegria! Não sou guru nem discípulo de nada. Não sou escolhido de poder algum, sou viajante universal, livre para deslizar entre as estrelas. Contudo, mesmo assim, já estou contente com o  pouco de discernimento que tenho e que essa estadia na Terra me ofertou pelo decorrer das vidas que aqui vivi e ainda vivo bem. Nesse e em outros planos carrego a noção que  já me basta, o amor que carrego no coração. Assim sou e serei feliz em qualquer parte desse ou de qualquer outro plano, mundo, universo e no Nirvana.

Paz e Luz para todos, sem distinção de raça ou credo, terrestres e extraterrestres, encarnados e desencarnados, pois o Todo está em tudo, e em todos.
Sejamos felizes, mesmo que os outros não entendam o porquê.
Somos luz!
Na Terra ou em qualquer outro lugar onde a vida nos colocar, não façamos por menos: somos consciências imortais. E basta saber disso para ser feliz.

Creio ser  isso que uma consciência evoluída diria aos homens. “Todos nós estamos de visita neste momento e lugar. Só estamos de passagem. Viemos observar, aprender, crescer, amar e voltar para casa.”                 
“O INEFÁVEL É INVISÍVEL AOS OLHOS DA CARNE, MAS É VISÍVEL À INTELIGÊNCIA E AO CORAÇÃO.”
*
Autores:
Wagner Borges – São Paulo-SP
Aylla Harard – Guaratinguetá-SP
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Quer comentar?
Por favor, escreva-me:
sinapseslinks@gmail.com
*
Fraternalmente,
Leal – aprendiz em todas as instâncias da Vida
*

Vida Após a Morte dos Animais

Vida Após a Morte dos Animais

– Wagner Borges –

Enquanto eu meditava, preparando-me espiritualmente para realizar uma aula para o grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB, entrou no quarto um cachorro desencarnado, brincando, latindo e batendo o rabo alegremente.

Percebia o animal pelas vias da clarividência, de olhos fechados, diretamente na tela mental frontal interna (correspondente à área de ação do chacra frontal*).

O cão era um vira-lata normal, adulto, de pelo castanho-claro (mais claro do que castanho), muito alegre e ativo. Ele olhava para alguém à frente, que eu não via, com o qual ele brincava e corria em torno. Contudo, mesmo sem ver a entidade extrafísica no ambiente, eu sentia sua presença tranqüila e amistosa.

Admirado com a alegria do animal, morto na Terra, mas vivo em espírito, cheio de animação, pensei: “Alguém deve estar chorando a perda desse animal. Do jeitinho alegre que ele é, deve estar fazendo muita falta para os seus donos e entes-queridos.”

Então, o espírito em frente se comunicou telepaticamente comigo e me disse o seguinte: “O nome dele é Terry. E ele está muito bem tratado aqui!”

Nesse instante, o meu chacra frontal pulsou, cheio de luz branquinha fluorescente e eu o vi também.

Era um homem alto, de cabelos pretos muito grandes, à moda indígena da América do Norte. Estava vestido de calça lisa marrom-claro, com uma camisa esporte, tipo pólo (por dentro da calça). O cinto era preto. Seus olhos eram bem pretos, brilhantes, e a pele bem moreno-avermelhada. No conjunto, ele mais parecia um mestiço de branco com índio americano, moderno no jeito, mas com uma certa atmosfera ancestral xamânica.

Ele me olhou e riu e na seqüência pegou o cão no colo. O animal se mexia feliz junto dele, tentando lambê-lo todo tempo. Em torno dele havia uma aura amarelo-suave, que irradiava uma atmosfera de segurança e tranqüilidade à sua volta.

Enquanto acariciava o animal em seu colo, ele me olhou firmemente e com simpatia e me disse: “Já que você fala das coisas do espírito para os homens encarnados na Terra, então diga-lhes que até mesmo os animais têm assistência espiritual após o desenlace da matéria. Eles são cuidados e afagados com muito carinho. Há grupos de auxiliares astrais que cuidam especificamente deles em seus períodos extrafísicos. São espíritos dedicados ao bem-estar desses nossos irmãos menores na Natureza.

E mais: peça aqueles que gostam dos animais, que orem na sintonia desses benfeitores invisíveis; para que eles se associem sutilmente com eles, em espírito, na mesma bondade e amor por esses serzinhos tão queridos.

Nenhuma criatura é abandonada pelo Grande Espírito.

O Seu Amor é para todos!

A Sua Luz anima todas as luzes e seres.
Para Ele, todos são iguais na Natureza.
Homens e animais, vegetais e minerais, todos são Seus filhos.

Que aqueles que sofrem com a perda temporária de seu bichinho amado, seja ele qual for, rezem ao Grande Espírito, para confortar seus corações. Mas, que saibam, também, que há outros seres que amam os seus bichinhos, que seguirão cuidando deles nesse imenso universo do Grande Espírito, cheio de vida, em todos os planos.

O meu recado é só esse.
Que Manitu** abençoe a sua jornada!”

P.S.: Agora, vou levar esses escritos e compartilhá-los com os meus companheiros de estudo e prática espiritual. Que a jornada deles também seja abençoada por Manitu, Senhor dos homens, dos animais*** e de tudo o mais que existe, seja lá onde ou como for.
Paz e Luz.
São Paulo, 12 de julho de 2006; às 19h50min.

– Notas:
* Chacra Frontal: centro energético situado no campo energético da testa e responsável pelos fenômenos de clarividência e percepção espiritual. Está ligado à glândula hipófise (pituitária).

** Manitu: designação que os índios algonquinos, da América do Norte, dão a uma força mágica não personificada, mas inerente a todas as coisas, pessoas, fenômenos naturais e atividades; O Todo; O Supremo; O grande Espírito; Deus.
*
Colaboração: Ianae Seabra Pitanguy – São Paulo-SP – Brasil
*