Autêntico Missionário

*

Falar sobre Chico Xavier

De “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, capítulo XVII – “Sede perfeitos”, item 3: “O homem de bem”: “… O homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus.

Respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam. Em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade…”.

Falar sobre Chico Xavier é comentar sobre um legítimo apóstolo de Jesus Cristo…
Um autêntico missionário, que renunciou aos caprichos de ordem pessoal, para tornar-se humilde servo do Senhor, dentro da seara Espírita.

No entanto, Chico jamais deixou de respeitar as pessoas dos mais diferentes credos, tratando a todos como seus irmãos.

Um ser humano que fez da mediunidade uma lição de vida, distribuindo amor ao próximo com extraordinária abnegação.

Um amigo incondicional de todo aquele que necessitasse de amparo, material e/ou moral.

Um espírito alegre de hábitos simples, porém, muitíssimo disciplinado e determinado ao trabalho.

Grande irmão, que, debalde tenha encontrado inúmeras adversidades no caminho, desde os primeiros anos de sua infância, jamais se permitiu escorar na revolta ou na indiferença!

Extremamente fiel a Jesus, não titubeou em tatuar a palavra amor em seu próprio coração, exercendo o sublime sentimento com ternura e devotamento.

Mesmo que cultivasse o hábito de se apequenar, comparando-se a pequeninas ramas de vegetais e animais microscópicos, para nós, Chico é referência de caráter nobre, de homem de bem!

Na prática da caridade, labutou com esmero, sendo o conjunto total de seus biógrafos capazes apenas de expor um pálido reflexo de sua obra.

Afinal, o que mais não deve ter feito este exemplo de virtude, quando encarnado na Terra?

Quantos, por exemplo: pratos de sopa, nacos de pão, quantias amoedadas, cobertas, cestas básicas e enxovais não foram por ele endereçados aos filhos do Calvário?

Quantas mães e pais aflitos não encontraram lenitivo ante a sua presença, recebendo palavra esclarecedora e fraterna?

Quantos irmãos desencarnados não receberam a oportunidade de se mostrarem novamente vivos aos seus familiares e amigos através de inúmeras cartas consoladoras (psicografia), repletas de esperança quanto ao reencontro no porvir?

Como também, quantos ensinamentos da Espiritualidade Amiga não legou à Humanidade, através do seu lápis iluminado?

Livros a mancheias ele recebeu, em parceria mediúnica com elevadas entidades espirituais, retirando mais uma ponta do véu de ignorância e preconceito que obstrui a visão espiritual do homem.

Quantas instituições de caridade não foram erguidas, especialmente no Brasil, e quantas outras ainda não se erguerão em toda a Terra, inspiradas no seu exemplo de homem de bem?

Falar sobre Chico Xavier é, sobretudo, versar sobre a fé e o amor divino, que açambarca a tudo e a todos nos caminhos da evolução!

Thiago Silva Baccelli é Orador Espírita, Psicólogo Clínico e bacharel em Direito.
*
Fonte:
http://www.jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoA&SUBMENU=Opiniao&CODIGO=29951
*

Anúncios

Estejamos atentos!

*

Estejamos atentos!

28/04/2009 às 08:11
Quando se trata de combater o egoísmo e o orgulho, observamos que a dificuldade é das mais diversas em muitas pessoas com as quais temos contato, dentro e fora das Casas Espíritas Cristãs.

Mesmo entre nós, espíritas, que buscamos nos movimentar sob o estandarte da caridade, é tarefa simples perceber que dentro de nossos muros há muitos adeptos ou simplesmente curiosos que apenas frequentam o Centro com o objetivo exclusivo de receber uma bênção, seja ela qual for.
Na verdade, ainda são pouquíssimos aqueles que aprenderam a vivenciar os postulados espíritas!

Isto posto, sem mesmo haver necessidade alguma de se colocar a mão no bolso para ser caridoso… Explicamos: há várias formas de se fazer caridade, e a material, embora seja a mais fácil, para os sovinas não o é! A doação de nosso tempo, atenção e carinho a quem quer seja vale sempre muito mais do que simplesmente entregar a alguém qualquer recurso monetário.

Quem tem a oportunidade de comentar o Evangelho ou as demais obras da nossa Doutrina de Paz e de Amor adquire uma visão privilegiada do recinto, pois fica de frente para os demais.

E, costumeiramente, em alguns irmãos que ali se encontram identificamos claramente algumas expressões características de desconforto, como, por exemplo: inquietação e trejeitos; justo no momento em que na preleção há o comentário da necessidade de que todos nós temos de trabalhar em favor do perdão, da humildade, da paciência e da caridade.

Nada contra tais, por favor, não é crítica a eles que estou querendo desenvolver no presente texto…
Pelo contrário, penso que está faltando algo mais é de nós mesmos, que temos convicção do que expomos, assim como dos demais companheiros cuja fé e amor de Jesus já tenha tocado intimamente!

Necessitamos é de mais exemplificação de nossa parte, tarefa que não é fácil para espíritos imperfeitos, eu bem o sei…

Mas devemos recordar, a todo o momento, que a causa é do Cristo e não nossa! Trabalhamos em nome do Senhor, não nos esqueçamos disto!
Adversários, sorrateiramente, têm se infiltrado dentro do Movimento Espírita, tentando desvirtuar o Consolador Prometido por Jesus… Estejamos atentos!
Não devemos pensar que os espíritos das Trevas se preocupam diretamente conosco, com o nosso limitado esforço, pois somos pequeninos e até certo ponto insignificantes para eles!

Todavia, reconhecemos que inteligências perversas intentam infatigavelmente atingir o Cristo, e sendo impossível a esses atingi-Lo de maneira direta, buscam atacá-Lo através das pessoas, dentro das quais identificam algum potencial para exemplificar os Seus ensinamentos.

A Espiritualidade Amiga têm nos enviado informações a respeito de grandes mudanças que acontecerão na Terra nos próximos lustros…
Somos espíritos imortais e iremos viver pela Eternidade, entretanto, o Mestre conta conosco no dia de hoje, com a diminuta parcela de contribuição que pudermos dar em favor do despertar da Humanidade!

Por outro lado, compreendemos que cada um dá apenas daquilo que possui! Fraterno lembrete aos trabalhadores da última hora: não nos deixemos iludir, repito: estejamos atentos!

Aproveitemos a oportunidade que nos é concedida… Afinal, o que importa o ridículo do mundo se estivermos operando na paz do Senhor?
Se nos tornamos fiéis escudeiros da mensagem de Jesus, triunfaremos!

Thiago Silva Baccelli é Orador Espírita, Psicólogo Clínico e bacharel em Direito.
*
Fonte:
http://www.jornaldeuberaba.com.br/?MENU=CadernoA&SUBMENU=Opiniao&CODIGO=29813
*