proto-Elamita

*
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-eMM
*

*
proto-Elamita
*
Britânicos dizem estar perto de traduzir escrita mais antiga ainda não decifrada
DA BBC BRASIL

A luta de estudiosos para desvendar segredos de cinco mil anos guardados na escrita mais antiga do mundo ainda não decifrada pode estar chegando ao fim.

Um projeto internacional de pesquisa, liderado pela Oxford University, na Inglaterra, já lança luz sobre uma sociedade perdida que viveu na Idade do Bronze, no Oriente Médio, cujos trabalhadores escravos viviam com rações mínimas de alimento, à beira de morrer de fome.

“Acho que estamos finalmente a ponto de romper a barreira”, disse Jacob Dahl, acadêmico do Wolfson College da Oxford University e diretor do Ancient World Research Cluster.

Britânicos dizem estar perto de traduzir escrita mais antiga ainda não decifrada
A escrita usada por essa civilização é chamada de proto-Elamita e foi usada entre 3200 AC e 2900 AC em uma região que corresponde hoje ao sudoeste do Irã.

A arma secreta de Dahl para decifrar o código é um aparelho capaz de ver a escrita com uma clareza nunca conseguida antes.

A máquina tem forma de uma abóbada e emite flashes de luz sobre objetos que contêm amostras da escrita.

Os flashes fazem parte de um sistema computadorizado que usa uma combinação de 76 tipos de luzes para captar cada pequena ranhura ou sulco na superfície dos objetos.

Assim, os cientistas conseguem produzir uma imagem virtual que pode ser vista de todos os ângulos possíveis.

A análise está sendo feita no museu Louvre, em Paris, onde está a maior coleção de amostras desse tipo de escrita do mundo.

ESFORÇO COLETIVO
Dahl e sua equipe pretendem disponibilizar as imagens pela internet. O objetivo é que o público e outros acadêmicos ajudem na decodificação dos textos.

“Estamos enganados quando achamos que quebrar um código tem a ver com um gênio solitário que de repente entende o significado de uma palavra. O que funciona com mais frequência é o trabalho paciente de uma equipe e o compartilhamento de teorias. Colocar as imagens na internet deve acelerar esse processo.”

Até agora, Dahl já decifrou 1.200 sinais mas disse que, depois de mais de dez anos de estudos, muito ainda se desconhece – mesmo palavras básicas como vaca ou gado.
“É um território desconhecido da história da humanidade”, ele disse.

ESCRITA ADULTERADA
Mas por que essa escrita seria tão difícil de interpretar?

Dahl acha que sabe, em parte, a resposta. Ele descobriu que os textos originais parecem conter muitos erros – e isso dificulta o trabalho de encontrar padrões consistentes.

Ele diz acreditar que isso se deva à ausência de estudo e aprendizado naquela sociedade. Os estudiosos não encontraram evidências de listas de símbolos ou exercícios para que os escribas aprendessem a preservar a precisão da escrita.

Isso teve conseqüências fatais para o sistema de escrita, que foi sendo adulterado e depois desapareceu após apenas 200 anos.

“A falta de uma tradição de estudos significou que muitos erros foram cometidos e o sistema de escrita pode ter se tornado inútil”, disse Dahl.

O que dificulta ainda mais a decodificação é o fato de que esse é um estilo de escrita diferente de qualquer outro daquele período.

Além disso, não foram encontrados textos bilíngues – recurso que auxiliaria muito o trabalho dos pesquisadores.

Segundo Dahl, a escrita proto-Elamita foi elaborada a partir de uma língua da Mesopotâmia que foi alterada.

VIDA DURA
As placas usadas para o registro dos símbolos da escrita revelam detalhes íntimos dos escribas: algumas trazem as marcas das unhas dos autores.

Os pequenos símbolos e desenhos, gravados no barro de forma ordeira e cuidadosa, são claramente o produto de uma mente inteligente.

Embora ainda envoltos em mistério, os textos permitem que vislumbremos um pouco da realidade vivida por esse povo.

Segundo Dahl, os textos incluem um sistema de numeração, o que indica que muitas das informações contidas nas placas são de natureza contábil.

A sociedade era agrícola e bastante simples. Havia uma camada de líderes, figuras poderosas de nível médio e trabalhadores – que eram tratados como se fossem “gado com nomes”.

Os líderes tinham nomes que refletiam seu status – o equivalente a alguém ser chamado de “Senhor Cem” para indicar o número de pessoas que estavam abaixo dele.

Dahl disse que é possível saber qual era a dieta dos trabalhadores: cevada, possivelmente triturada para formar um mingau e cerveja fraca. A quantidade de alimento que eles recebiam ficava pouco acima do limite da sobrevivência.

Aqueles de status mais elevado comiam iogurte, queijo e mel. Eles também criavam cabras, carneiros e bois. “Sua expectativa de vida pode ter sido tão longa como a de hoje”, disse Dahl.

Dahl tem esperanças de que, com apoio suficiente, os segredos dessa última grande escrita, remanescente dos primórdios da nossa civilização, poderão ser finalmente desvendados.
*
Colaboração:
Roberto Borges Kerr
São Paulo-SP

Anúncios

Dicionário Infantil

*
Por favor, click sobre a imagem para ampliá-la. Grato.
Link permanente para esta mensagem:__ http://wp.me/p1oMor-dbG
Mensagem número # 5.807 – Domingo @ 20120226033741
Visitas recebidas de Março de 2011 à 26/02/2012 = 37.393
Por favor, você pode divulgar o blog?
Link: https://sinapseslinks.wordpress.com/
Contato: Leal, e-mail: sinapseslinks@gmail.com
Muito obrigado pela sua importante visita!
Seja Abençoado.
*
*

*
*
Dicionário Infantil
*
Você convive com crianças?
Você entende o que elas dizem?
Você conhece o idioma delas?
PPS Fantástico!!!
*
Saiba mais consultando o Dicionário…Click aqui. Grato.
*
Colaboração:
Roberto Borges Kerr
São Paulo-SP
*

Humildade

*
*
Por favor, click sobre a imagem para ampliá-la. Grato.
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-cUz
Contato: Leal, e-mail: sinapseslinks@gmail.com
*
*

*
*
Humildade

Viajei uma vez de classe executiva, e ao meu lado um senhor de terno, cara de executivo, lendo a Bíblia.

Achei que fosse um destes bispos de igrejas que visam o lucro viajando com todo o conforto do mundo, mas era na realidade um Vice Presidente de uma empresa subsidiária da Alcoa.

Perguntei porque ele estava lendo a Bíblia.

“Como Vice Presidente de uma grande empresa eu tenho muita influência e poder sobre a vida de milhares de pessoas. Se eu não tomar cuidado, este poder pode subir à minha cabeça, o que causaria muita infelicidade.

Por isto, acho importante ir todo domingo à Igreja, para relembrar que existe uma pessoa mais poderosa e muito mais sábia do que eu.”

Eu já ouvi muitas razões para se ir todo domingo à Igreja, mas esta era uma ideia nova.
Achei uma razão muito interessante para ir até uma Igreja toda semana, não para pedir perdão ou pedir ajuda.

Mas como uma forma para que aqueles que comandam o poder tenham o bom senso de baixar a bola, perceber todo domingo o limite da prepotência, fazer semanalmente um ato de humildade e ficar de joelhos como todos nós.

A classe dominante de ontem ainda acreditava em Deus, mas nestes últimos 50 anos foi substituída por outra classe que já não acredita em algo superior a História, que não vai à Igreja mostrar humildade, nem jogar um balde de água fria na arrogância.

A nova classe dominante das universidades, da mídia, dos líderes dos movimentos sociais, dos políticos e da maioria dos intelectuais passaram a acreditar que não há ninguém superior a eles, que eles sabem tudo, que mudarão o mundo sem ter que prestar contas a mais ninguém.
Os fins justificam os meios.

Intelectuais mandam cada vez mais nas nossas vidas, achando que são os czares da economia, altruístas da Sociologia, protagonistas da História, endividando países ao seu bel prazer, congelando preços e salários, sequestrando nossa poupança, destruindo o capital social deste país, retirando 38% da renda de seus legítimos donos, e assim por diante.

Como eles sabem tudo, os fins justificam os meios, afinal eles são superiores.

Para os social democratas, como o PSDB, bastava colocar 100 intelectuais em postos chaves, as melhores cabeças deste país, e tudo ficaria resolvido.

Mal sabem que hoje em dia não basta uma centena de intelectuais para administrar um país.

O número mais próximo seria no mínimo os 12 milhões de membros da chamada classe média, que está sendo deliberadamente destruída pelos intelectuais que não querem competição.

Se você intelectual, que não acredita em Deus, e por isto não quer ir para a Igreja uma vez por semana, para não mostrar aos seus correligionários que acredita que existe algo superior à sua ciência, pelo menos seja humilde como o Vice Presidente da Alcoa.

O sofrido povo do Brasil agradece.

Blog – Stephen Kanitz
*
Colaboração:
Roberto Borges Kerr
São Paulo-SP
*
Publicado em: SinapsesLinks
https://sinapseslinks.wordpress.com/
*

Páscoa

*

Páscoa

PÁSCOA – é a data mais importante do calendário cristão, celebra a ressurreição de Jesus Cristo no terceiro dia após a sua crucificação. A origem da Páscoa Cristã data do início do cristianismo e é, provavelmente, a data comemorativa mais antiga do calendário cristão depois do domingo, que é a comemoração semanal da ressurreição. Aliás, os Puritanos – Pilgrims – que colonizaram a Nova Inglaterra, parte nordeste dos EUA, davam mais ênfase às celebrações dominicais do que à Páscoa, ou ao Natal).

O festejo é realizado no domingo seguinte a lua cheia posterior ao equinócio da Primavera, portanto a Páscoa acontece entre o dia 22 de março o dia 25 de abril. Esta regra foi fixada após muita controversa. A controversa permaneceu na igreja cristã até o século VIII D.C. A dificuldade na fixação da data era causada principalmente pelo fato de que os judeus utilizavam um calendário baseado nos meses lunares.

A Páscoa Cristã está ligada, no que diz respeito ao calendário e, de certo modo, à origem, à Páscoa judaica (Pessach, ou em hebraico פסחא). O significado das duas celebrações é bastante diferente, tendo em comum, além da data, apenas o sentido de passagem, ou de renovação.

De acordo com a tradição hebraica, a primeira celebração de Pessach ocorreu há 3500 anos. Narra a Tora que Deus, irritado pela resistência de Faraó em libertar o povo de Israel que era escravo no Egito, decidiu ferir os egípcios com mais uma praga, que certamente os obrigaria a deixar sair o povo hebreu. À meia noite o primogênito de cada família iria morrer, em todas as famílias, desde a família do faraó até a mais pobre.

Deus ordenou e Moisés obedeceu e reuniu o povo e disse que cada pai deveria escolher um carneiro ou cabrito bom e saudável de seu rebanho. Deveria matá-lo e molhar os umbrais (mezuzót) das portas com o sangue do cordeiro. A mãe de cada família deveria cozinhar a carne para um jantar especial e, depois de terem ceado, deveriam ficar dentro de casa. O sangue na porta seria o sinal para Anjo de Deus de que aquela família deveria ser poupada da praga. Até hoje os judeus observam esse costume e dão à festa o nome de Pessach, isto é, “passagem”, porque foi nessa noite que o Anjo de Deus, passando pelos israelitas sem lhes causar mal algum, feriu os egípcios com uma grande praga que matou todos os primogênitos.

O povo egípcio ficou tão aterrorizado que correu em massa ao palácio do faraó para suplicar-lhe que deixasse os hebreus sair. Assim, o rei deu a permissão a Moisés para levar o povo embora e sair do Egito, esperando que isso fizesse terminar os males que atormentavam o Egito. Os próprios egípcios presentearam os hebreus antes de sua partida para o deserto, ou porque era costume entre eles ou, talvez, pelo de¬sejo de os ver bem longe.

A Páscoa (Pessach, ou פסחא) foi instituída entre os judeus como recordação e celebração desta libertação (Hebreus 11:28). É importante notar que Pessach significa passagem, porém a passagem do anjo da morte.

Entre os cristãos, a semana anterior à Páscoa é considerada como Semana Santa. Esta semana tem início no Domingo de Ramos que marca a entrada de Jesus na cidade de Jerusalem, como é narrado na Bíblia, por exemplo, em Marcos 11 e João 12. O povo, entusiasmado com a chegada de Jesus à Jerusalem, arrancou ramos de palmeiras e estendeu no caminho para formar um tapete por onde Jesus, montado em um pequeno jumento, passaria, daí o nome de Domingo de Ramos.

A Páscoa cristã celebra a ressurreição de Cristo. Lembrando os fatos narradas na Bíblia, Jesus planejava fazer sua última celebração de Páscoa com seus discípulos mais próximos e deu ordens a Pedro e João que preparassem a refeição (Mateus 26:19). Durante a refeição Jesus partiu o pão e deu aos seus discípulos, depois tomou um cálice de vinho, deu graças e o ofereceu aos seus discípulos ordenando que bebessem e que isto seria o selo na nova aliança que Deus estava fazendo naquele momento com as pessoas de todas as nações. Depois da refeição Jesus conversou longamente com seus discípulos preparando-os para o que estava por vir. Mais tarde Jesus seria preso, após ser traído por Judas Iscariotes, acabando por ser condenado à morte por crucificação. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu até sua ressurreição, quando então ressurgiu da morte e seu espírito e seu corpo foram reunificados. Há muitos testemunhos da ressurreição relatados na Bíblia, por exemplo, em João 20 e 21 e em Lucas 24.

Celebrar a Páscoa, para os cristãos, é considerar a unidade inseparável entre a cruz e a ressureição. O Crucificado da Sexta-feira Santa é o vitorioso Ressuscitado do Sábado de Aleluia. Se apenas a morte de Jesus Cristo, perderíamoas a novidade surpreendente de Deus, que é capáz de renovar todas a coisas e dar nova vida ao que morreu. Se celebrássemos, no entanto, somente a ressurreição, esvariaríamos o sentido das experiênicias de cada dia, marcadas por sombras e preocupações, angústias e tristezas, e também sonhos e esperanças de um mundo melhor.

A Páscoa nos ensina que o Povo de Deus não pode deixar de sonhar, desejar e esperar. Contra todo desespero e ilusão é necessário seguir criando e trabalhando por um mundo melhor.

A promessa da vida, que brota da ressurreição de Cristo, conduz também o ser humano ao Espírito Santo, que vivifica no sofrimento e remete ao louvro da nova criação.
Somos filhos da ressurreição. Caminhemos na luz!
*

Autor:
Roberto Borges Kerr
São Paulo-SP
*

Nascimento de Jesus

*

Nascimento de Jesus

Lucas 2:1
Naqueles dias saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo fosse recenseado.

Lucas 2:2
Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirínio era governador da Síria.

Lucas 2:3
E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade.

Lucas 2:4
Subiu também José, da Galiléia, da cidade de Nazaré, à cidade de Davi, chamada Belém, porque era da casa e família de Davi,

Lucas 2:5
a fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida.

Lucas 2:6
Enquanto estavam ali, chegou o tempo em que ela havia de dar à luz,

Lucas 2:7
e teve a seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou em uma manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem.

Lucas 2:8
Ora, havia naquela mesma região pastores que estavam no campo, e guardavam durante as vigílias da noite o seu rebanho.

Lucas 2:9
E um anjo do Senhor apareceu-lhes, e a glória do Senhor os cercou de resplendor; pelo que se encheram de grande temor.

Lucas 2:10
O anjo, porém, lhes disse: Não temais, porquanto vos trago novas de grande alegria que o será para todo o povo:

Lucas 2:11
É que vos nasceu hoje, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

Lucas 2:12
E isto vos será por sinal: Achareis um menino envolto em faixas, e deitado em uma manjedoura.

Lucas 2:13
Então, de repente, apareceu junto ao anjo grande multidão da milícia celestial, louvando a Deus e dizendo:

Lucas 2:14
Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens de boa vontade.

Lucas 2:15
E logo que os anjos se retiraram deles para o céu, diziam os pastores uns aos outros: Vamos já até Belém, e vejamos isso que aconteceu e que o Senhor nos deu a conhecer.

Lucas 2:16
Foram, pois, a toda a pressa, e acharam Maria e José, e o menino deitado na manjedoura;

Lucas 2:17
e, vendo-o, divulgaram a palavra que acerca do menino lhes fora dita;

Lucas 2:18
e todos os que a ouviram se admiravam do que os pastores lhes diziam.

Lucas 2:19
Maria, porém, guardava todas estas coisas, meditando-as em seu coração.

Lucas 2:20
E voltaram os pastores, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto, como lhes fora dito.
*
Lucas 2:21
Quando se completaram os oito dias para ser circuncidado o menino, foi-lhe dado o nome de Jesus, que pelo anjo lhe fora posto antes de ser concebido.
*
Fonte:
http://www.tiosam.net/Biblia/biblia.asp?livro=42&capitulo=2&NomeLivro=Lucas
*
Colaboração:
Roberto Borges Kerr
São Paulo-SP
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*