O Planeta precisa de você

*

O Planeta precisa de você

Queridos companheiros,

Fazemos parte de um todo. Somos células energéticas pulsando no universo. O que pensamos e o que produzimos pode alterar a quantidade de energias salutares que permitem equilibrar o planeta.

Atualmente o planeta encontra-se em estado crítico, pois a evolução de energias improdutivas cresce em número alarmante, não permitindo o perfeito encaixe das forças da natureza com as das células vivas existentes.

Urge a transformação de pensamentos e atitutes. As forças do mal se instalam na natureza através de guerras e descontroles climáticos.

Há necessidade de cuidar do planeta, mas principalmente da mente do homem. Esse, com sua sede de poder, não visa nada a não ser pisar nos que passarem na sua frente. O importante é subir, conseguir mais e mais.

Se não houver solidariedade, principios e ajuda ao próximo, não haverão trabalhos sustentáveis que salvem o planeta. Ele precisa de pessoas que se amem, que tenham delicadezas, que se dediquem ao bem comum.

Diante das terríveis catástrofes de nossos tempos, o homem esqueceu-se de ser bom, de amar ao próximo como a si mesmo, como nos ensinou Jesus.

Se as células materias em estágio no planeta não se espiritualizarem, deixando de lado os prazeres físicos, haverá uma combustão dos elementos químicos existentes no Universo e não existirá nada que iniba a destruição do Planeta Terra.

O homem acaba com o homem e os espíritos se amontoam em zonas de sofrimento ,sempre maquinando novas destruições e desajustes.
Unam-se, amem-se, ajudem uns aos outros, caso contrário não haverá tempo de existir um tempo melhor.

Que haja olhos de ver e ouvidos de ouvir para essa súplica das colônias espirituais que, unidas, tentam de todas as formas alertar o Planeta e seus ocupantes.

Graças a Deus
Ana Joaquina Andrade, pelo espírito de Vandobler Gusman
(Colônia de cromoterapia em 29.06.2010)
*
Fonte:
http://anajo2010.blogspot.com/2010/06/alerta-o-planeta-precisa-de-voce.html
*

Sistema Solar

*

Sistema Solar

O Universo tem limites? Vai ser eterno? Viajaremos por ele?

Os bilhões de galáxias, estrelas, planetas e outros corpos celestes, as distâncias infinitas, as dimensões fantásticas e a dinâmica das transformações situam o Universo muito além da imaginação e das indagações humanas.

Nosso planetinha está dentro dele. É uma jóia minúscula, mas berço de nossas vidas e repositório de outras tantas maravilhas.

Em tudo, o Universo assombra, espanta e encanta.
Para que ele exista é necessário que haja um Criador.
Com Poder, Inteligência, Criatividade, gosto pela Beleza e pela Vida, em grau máximo.

É um privilégio de nossa geração poder conhecer melhor e ser participante desta obra incomparável de Deus.
*
Autoria: desconhecida
*

Planeta Terra

*

Planeta Terra

Esta famosa imagen representa la primera fotografía en la que la Tierra está a la vista desde el espacio. La foto fue tomada el 7 de diciembre de 1972, cuando la tripulación de Apolo 17 dejó la órbita de la Tierra. Con el Sol a sus espaldas, la tripulación tuvo una visión perfectamente iluminada del planeta azul.

Fotografía cortesía del Centro Espacial Johnson de la NASA
Publicado por Paco Gil el 4/08/2009 08:18:00 PM
*
Fonte:
http://fotoblogciencia.blogspot.com/
*

Planeta Terra

O dia em que a Terra parou

Marcelo Gleiser

—————————————————-
Obama chamou gente de primeira para a área ambiental
—————————————————

Semana passada, assisti à nova versão do clássico filme de ficção científica “O dia em que a Terra parou”. O original, de 1951, dirigido por Robert Wise, tinha uma missão sombria: alertar a população para os perigos da Guerra Fria e uma possível catástrofe nuclear. Um ser extraterrestre, Klaatu, e seu super-robô Gort, vêm à Terra para interceder junto aos líderes mundiais.

Caso falhem, e a humanidade constitua uma ameaça à galáxia, uma liga interplanetária destruiria a Terra e os seus primitivos habitantes que não sabem viver sem violência. “Viemos visitá-los em paz e com boa vontade”, diz Klaatu ao sair da espaçonave. Logo leva um tiro de um soldado. Não temos a sofisticação moral para lidar com seres superiores e aprender com eles. O que tememos, destruímos. Do ponto de vista do alienígena, somos macacos com brinquedos perigosos.

Passados 57 anos, pouco mudou.

Continuamos sendo moralmente primitivos e com armas cada vez mais poderosas. Vivemos permanentemente à beira de uma catástrofe nuclear. Mudaram os focos da crise, mas a realidade não. Os EUA e a Rússia mantêm um estoque de milhares de bombas nucleares. O desequilíbrio no Oriente Médio e a crise econômica na Rússia e na Ucrânia podem abrir caminho para que materiais e segredos nucleares caiam nas mãos de terroristas. Mesmo a simples contaminação dos aqüíferos com material radioativo pode afetar milhões de pessoas.

Mas o novo Klaatu não veio aqui para falar de bombas atômicas. Sua missão é outra. Keanu Reeves, um alienígena perfeito (aliás, só mesmo em papéis como esse ou como Neo em “Matrix” ele tem a chance de mostrar o seu talento de não-ator), e seu robô Gort -um monstro ultra-avançado criado a partir de nanorobôs e materiais desconhecidos na Terra- vem aqui para salvar o mundo. Nosso planeta está sendo destruído, diz ele. E os culpados são os humanos. Caso sua missão falhe -e falha logo de saída, como na versão original-, a humanidade será aniquilada para proteger a Terra. Somos uma espécie predadora e destrutiva. Não compreendemos a repercussão global do que fazemos com o nosso planeta. Somos primitivos, moralmente e ecologicamente. Não merecemos viver no planeta em que vivemos, “um dos poucos na galáxia capazes de sustentar a vida com tanta diversidade”, diz Klaatu.

Não sabemos quantos planetas na galáxia têm as propriedades da Terra e a capacidade de manter a vida por bilhões de anos. Mas tudo indica que são poucos.

A missão de Klaatu é a nossa missão, a missão da nossa geração: salvar o planeta de nós mesmos. A questão não se reduz apenas ao aquecimento global, se bem que essa já deveria ser suficiente para produzir profundas mudanças na política de meio ambiente. Temos que incluir a devastação das florestas, o desrespeito aos animais e à vida em geral, a agricultura sem planejamento que devora os nutrientes dos solos, a exploração cega dos combustíveis fósseis que causa devastações ecológicas de proporções apocalípticas.

No estado da Virgínia do Oeste, nos EUA, montanhas inteiras são destruídas na produção do carvão mineral, enquanto os detritos são atirados nos vales e rios. Exemplos como esse não faltam mundo afora. O planeta sofre como um todo.

Felizmente, parece que as coisas estão mudando. Na mesma semana em que o filme foi lançado, Barack Obama anunciou os membros do seu gabinete de energia e proteção ambiental. Gente de primeira, competentes e plenamente cientes daquilo que precisa ser feito. Espero que Klaatu, que sem dúvida estava já por chegar, fique em órbita um tempo, observando. Talvez ele não precise aterrissar.

MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover (EUA), e autor do livro “A Harmonia do Mundo”


Fonte:
JFSP21DEZ08MAIS3
*

54 Aquecimento Global

*

Temperatura do planeta

02/02/2007 – 09h13
Temperatura do planeta aumentará até 4ºC até 2100, diz ONU

da France Presse, em Paris
da Folha Online

A temperatura média do planeta subirá de 1,8ºC a 4ºC até 2100, provocando um aumento do nível dos oceanos de 18 a 59 cm, inundações e ondas de calor mais freqüentes, além de ciclones mais violentos durante mais de um milênio.
[confira o relatório completo em inglês no formato .PDF]

As conclusões foram anunciadas nesta sexta-feira em Paris pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês), da ONU (Organização das Nações Unidas).

O comitê do IPCC engloba centenas de cientistas e representantes de 113 países.

O documento de 21 páginas –o mais importante a respeito do aquecimento global– traça um quadro preocupante sobre o futuro do planeta caso não sejam adotadas as medidas adequadas. De acordo com os especialistas do IPCC, o aquecimento do planeta se deve, com 90% de chance, às emissões de dióxido de carbono provocadas pelo homem. Benoit Tessier/Reuters

Torre Eiffel apagada em ato simbólico sobre o efeito estufa

O IPCC afirmou ainda que as emissões passadas e futuras de CO2 continuarão contribuindo para o aquecimento global e a elevação do nível dos mares durante mais de um milênio, levando em consideração sua permanência na atmosfera.

Se os países não adotarem os meios para reduzir a poluição da atmosfera, a temperatura média pode aumentar até 6,4%.

Este desajuste modificará totalmente as condições climáticas: provocará ondas de forte calor, as inundações serão cada vez mais freqüentes, os ciclones tropicais, tufões e furacões provavelmente serão mais intensos, os recursos de água potável diminuirão e a elevação do nível do mar pode provocar o desaparecimento de algumas ilhas e superfícies férteis.

As mudanças obrigarão milhares de pessoas a abandonarem suas casas, e o número de refugiados do clima será superior ao de refugiados de guerra, alertam alguns especialistas.

Encontro

A reunião na capital francesa de 500 especialistas do grupo, criado em 1988 pela ONU e a Organização Meteorológica Mundial com o objetivo de servir de mediador entre os cientistas e os governantes, é a conclusão de mais de dois anos de trabalho.

De acordo com a organização ecológica Greenpeace, o informe do painel intergovernamental aciona o ‘sinal de alerta’ necessário para impulsionar os governos à ação.

‘Se o último relatório do IPCC em 2001 nos fez despertar, este é um sinal de alerta. A boa notícia é que nossa compreensão do sistema climático e do impacto humano melhorou, a ruim é que nosso futuro parece perigoso’, afirma a organização em um comunicado.

Diante das previsões desalentadoras, os cientistas esperam que a comunidade internacional apresente uma resposta vigorosa e unida que implique a continuidade do Protocolo de Kyoto, destinado a reduzir as emissões de dióxido de carbono, cuja primeira fase expira em 2012.

No entanto, este protocolo ainda não foi ratificado pelos Estados Unidos, que é o maior poluidor mundial.

Danos

O chefe do Comitê Internacional de Mudanças Climáticas, Rajendra Pachauri, qualificou o relatório como um documento “muito impressionante”, que vai além dos “estudos anteriores”.

Segundo Susan Solomon, cientista do governo dos EUA, “não há dúvidas de que o aumento de gases poluidores é causado pelas atividades humanas”.

De acordo com o documento, não importa o quanto a civilização reduza a emissão de gases, o aquecimento global e o aumento do nível dos oceanos vão perdurar por séculos.

“Não é algo que possa ser detido. Nós teremos que conviver com isso”, afirmou Kevin Trenberth, diretor de análises climáticas do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica de Boulder, no Colorado, à Associated Press.

“Estamos criando um planeta diferente. Em cem anos, teremos um clima diferente”, afirmou.

Criado pela ONU em 1988, o comitê divulga relatórios a cada cinco ou seis anos. Os documentos são divulgados em fases — este é o primeiro de quatro previstos para este ano.
*
Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u15950.shtml
http://www.ipcc.ch/SPM2feb07.pdf
*
*
***