Perdão

*
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-ffF
*
20130129_Perdão
*
Perdão
*
PERDÃO – NECESSIDADE HUMANA

Perdoar não é apenas esquecer a ofensa, mas lembrar que o ofensor é um irmão doente e precisa ser amado.

Quem permanece em seu juízo perfeito jamais magoa alguém.

Quanto mais ilimitada a tua capacidade de compreender e amar, menos te sentirás exigido em matéria de perdão.

Agredido a cada instante , porque não assimilava os golpes que lhe eram desferidos, Jesus não experimentava a necessidade humana de perdoar.

Se a ofensa coloca à mostra as limitações de quem a pratica e o perdão, o grau de consciência de quem luta para superar-se, quem nada tem a perdoar revela que já se encontra um passo além no caminho do verdadeiro amor.

Irmão José

Psicografia pelo médium Carlos A. Baccelli, em
reunião pública do Lar Espírita “Pedro e Paulo”, na
manhã de 18 de julho de 2009, em Uberaba – MG)

Perdão!

*
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-dMK
*

*
*
Perdão – necessidade humana

Perdoar não é apenas esquecer a ofensa, mas lembrar que o ofensor é um irmão doente e precisa ser amado.

Quem permanece em seu juízo perfeito jamais magoa alguém.

Quanto mais ilimitada a tua capacidade de compreender e amar, menos te sentirás exigido em matéria de perdão.

Agredido a cada instante, porque não assimilava os golpes que lhe eram desferidos, Jesus não experimentava a necessidade humana de perdoar.

Se a ofensa coloca à mostra as limitações de quem a pratica e o perdão, o grau de consciência de quem luta para superar-se, quem nada tem a perdoar revela que já se encontra um passo além no caminho do verdadeiro amor.

Irmão José
(Página recebida pelo médium Carlos A. Baccelli, em reunião pública do Lar Espírita “Pedro e Paulo”, na manhã de 18 de julho de 2009, em Uberaba – MG)
*

Perdão em Família

*
*
Por favor, click sobre a imagem para ampliá-la. Grato.
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-cT0
Contato: Leal, e-mail: sinapseslinks@gmail.com
*
*

*
*
PERDÃO EM FAMÍLIA

Quando o ambiente doméstico, à conta de pesados compromissos morais, surgir frustrando os seus anseios sinceros de felicidade, não o abandone, persevere um tanto mais, pois tudo na vida tende a se transformar.

Enquanto não conseguir ser compreendido por quantos se acham ligados a você pelos laços consangüíneos, empregue a compreensão e a paciência necessárias para a manutenção da paz que deseja.

Lembre-se, o irmão difícil provavelmente é o desafeto de ontem que ressurge hoje, à conta de credor lesado, reclamando o ajuste dos nossos débitos.

O cônjuge intransigente quase sempre traz no subconsciente as marcas da incúria com que o ferimos em pretérito distante, transformando o lar de hoje em um verdadeiro laboratório de aprimoramento moral.

Por mais difícil que seja a convivência no lar, não tome atitudes precipitadas. Arme-se de um tanto mais de paciência e procure no companheiro ou na companheira as qualidades e não apenas os defeitos. Não desdenhe da sabedoria de Deus que colocou vocês juntos para a construção da vossa felicidade.

Cumpra a sua parte. Mude as suas atitudes e pensamentos antes de exigir a mudança dos outros que convivem com você. Ninguém se descarta de uma convivência necessária sem auferir para si, compromissos ainda mais graves do que aqueles que está vivendo hoje. Não destrua o lar à conta de interesses egoístas e mundanos. Lembre-se, aqueles que a vida trouxe para junto de nós, os quais muitas vezes não toleramos a presença, não os ajudamos e não aprendemos a amá-los, amanhã, retornarão para junto de nós, impondo-nos condições ainda mais aflitivas.

É assim que uma esposa hoje desprezada poderá retornar amanhã na condição de uma filha problema, obrigando-nos a um sacrifício ainda maior. Quantos esposos traídos e abandonados no passado estão hoje reencarnados como filhos das esposas infelizes de outrora, cobrando-lhes caro a insensatez da traição e do abandono.

A essas mães e pais, facilmente identificados pela relação difícil com seus filhos, aconselho que façam as mentalizações de reconciliação, ajudando a apagar, do subconsciente dos seus filhos, as imagens negativas registradas no passado.

O lar é o santuário onde devemos construir os alicerces da nossa felicidade. O tributo a pagar é a renúncia e o perdão. Sem pagarmos esse tributo, jamais consolidaremos nossa felicidade.

Antes de bater no peito e gritar pelos seus direitos, observe se está cumprindo as suas obrigações. Não falo das obrigações do pão e do teto, mas das obrigações morais para com a sua esposa ou esposo e para com os seus filhos. Está dando a eles o exemplo de fidelidade, de amor e de compreensão? Já consegue deixar do lado de fora da porta o mau humor e os problemas que não dizem respeito a sua família? Faça a si mesmo estas perguntas e analise profundamente. Fazendo isso, estará se aproximando do auto conhecimento que levará você a encontrar o caminho da felicidade, se é o que deseja realmente.

Eu vivi uma experiência que me permite falar com propriedade sobre esse assunto:

Estava casado há dois anos. Tinha um filho com um ano e três meses e outro com dois meses e alguns dias. Certa manhã, ao levantar-me para ir ao trabalho, olhei no berço do meu filhinho de dois meses e, com uma dor imensa no coração percebi que estava morto. Depois do choque que tivemos eu e minha esposa, fizemos os preparativos para o funeral. No momento em que o seu corpinho estava sobre a mesa, minha mãe viu o espírito de uma mulher aproximar-se dele, rindo as gargalhadas. A partir desse dia minha vida se transformou. Minha mulher que nunca fora agressiva, passou a maltratar-me. Os meus negócios começaram a regredir de tal forma que durante o período de oito meses, não consegui sequer pagar o aluguel da casa onde morava. Todos os meus planos pareciam ir por água abaixo, até o alimento ameaçava faltar. Nesse clima difícil, tivemos mais um filho.

O tempo passou…

Com muita luta, consegui equilibrar-me financeiramente, mas o trato com minha mulher piorou, meu primeiro filho que contava quase três anos de idade, afirmava ver uma mulher andando pela nossa casa.

Certo dia, quando retornava do trabalho, sem qualquer motivo, minha esposa tentou agredir-me. Sabendo do que se tratava, mantive a calma. Abri meus braços e orei com fé. Imediatamente ela caiu no chão, logo percebi tratar-se do espírito que minha mãe e meu filho haviam visto. Com palavras amigas, tentei convencê-la a abandonar tal perseguição, porém, seu ódio por mim era tanto que gritava:

– Maldito… Vou acabar com você!

Essa cena se repetiu durante quatro anos, duas ou três vezes por semana, e a cada investida eu lhe dava o que havia de melhor em mim, tratando-a com respeito e carinho. Graças ao conhecimento Espírita, eu sabia que algum mal havia feito para aquela irmã, em outra vida.

Eram os últimos dias de junho de 1972. Pela manhã estávamos conversando, eu, minha esposa e meu cunhado, quando a nossa irmã incorporou novamente. Chorava muito. Comovido eu chorei também. Senti que naquele momento havia conquistado o seu perdão. Conversamos em prantos, e quando partiu, prometeu não mais nos molestar. Logo em seguida meu cunhado incorporou um espírito que não revelou seu nome, mas disse-nos o seguinte:

– Meu irmão, Deus concedeu à vocês a oportunidade de transformar esse ódio em amor. Nossa irmã renascerá como vossa filha, preparem o berço, virá na figura de uma linda menina de olhos claros. Esta é a prova que vos dou.

Realmente! Em pouco tempo minha mulher concebeu, e em abril de 1973, nasceu minha filha, uma linda menina de olhos claros! Foi uma grande prova, principalmente para minha esposa que ainda tinha algumas dúvidas com relação à vida eterna. Graças às experiências vividas com minha mãe, o fato veio apenas confirmar a fé que cultivo desde criança, sem a qual, meu lar teria desmoronado.

A prova maior veio depois…

Devido ao ódio que a irmã sentia por mim, e que em tão pouco tempo não poderia ser apagado do seu subconsciente, durante a gravidez, minha mulher sentia-se influenciada por ela a ponto de sentir aversão por mim.

Durante os nove meses de gravidez, meu relacionamento com minha esposa foi muito difícil, precisei de muita paciência para superar. Depois que nasceu, quando tinha alguns meses de idade eu não podia tocá-la. Ao pegá-la no colo, imediatamente punha-se aos gritos como se estivesse sentindo dores, bastava entregá-la a alguém, prontamente se acalmava.

Até os três anos de idade tivemos uma relação muito difícil. Sempre me olhava com reserva e raramente respondia às minhas perguntas. Brincava e sorria com todos menos comigo.

Não fora meu conhecimento espírita, talvez essa aversão tivesse se perpetuado até hoje. Cheguei em alguns momentos a pensar em desistir de conquistá-la, minha dor era muito grande, por mais que eu tentasse aproximar-me, ela rejeitava-me rudemente. Apesar de tudo, continuei insistindo, até que finalmente consegui conquistá-la. Um dia, ao chegar em casa, estava brincando no jardim, olhei para ela e ao contrário do que sempre fazia que era correr para junto da mãe, correu para mim e, abraçando-me, beijou-me pela primeira vez. Chorei emocionado. Hoje, nos amamos muito!
*
Extraído do livro: Perdão – O Caminho da Felicidade!
*
Colaboração:
Diniz Aleixo de Moraes
São Paulo-SP
*

5ª Dimensão

*
*
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-cyy
*
*

*
*
11/11/11 Abre-se um Portal de LUZ para a
Elevação da Terra à 5ª Dimensão

Onze é o Número Mestre que reflete a transformação do físico no Divino. Em 11 de Novembro de 2011, que é o décimo primeiro dia do décimo primeiro mês do décimo primeiro ano do novo milênio, teremos uma oportunidade sem precedentes para contribuir com a Luz do Mundo.

Há inúmeras atividades da Luz e meditações globais agendadas para
este dia poderoso, e todas elas estão tecendo a sua Luz na revelação do Plano Divino. Este evento irá cumprir uma faceta crítica do Plano Divino, e intensificará a abundância dos eventos cheios de Luz que ocorrerão durante este Momento Cósmico na Terra.

Os eventos do 11-11-11 serão multifacetados e multidimensionais, mas um dos eventos mais significativos envolve uma mudança quântica no Sistema de Grade Cristalina da Terra. Este é o sistema que funciona dentro do corpo da Mãe Terra do mesmo modo que os Chacras da Humanidade, os meridianos da acupuntura e os pontos de
acupuntura funcionam em nossos corpos. O Sistema de Grade Cristalina é o veículo através do qual a Luz de Deus está fluindo para aumentar a energia, a vibração e a consciência de cada partícula e onda atômica e subatômica da preciosa energia da Vida que existe na Terra. Este é o sistema através do qual a Ascensão da Terra para os Reinos da Luz Infinita da 5ª Dimensão está sendo vitoriosamente realizada.

Segue uma canalização de Christine Day especial para essa data:

“Meus queridos,

Há uma grande mudança vindo para seu plano terreno, com as energias do 11/11/11 perto de ancorar em seu planeta, e essa energia vai abrir novos caminhos para vocês seguirem; isso vai movê-los para uma perspectiva diferente com relação àquela que vivem agora mesmo, de modo que não estarão mais vendo as coisas da mesma forma como estão vendo agora. Vocês são solicitados nesta época para se abrirem
e viverem através do centro cardíaco; é através do coração que vão começar a entender seu verdadeiro caminho e serão capazes de entender essa nova perspectiva de viver simplesmente sendo. É através do coração que vocês chegarão a uma realização da verdade.

A verdade daquilo que é importante em suas vidas, e vocês vão se voltar uns para os outros com uma nova compreensão do amor. Quando falamos de amor, falamos sobre autenticidade e integridade de ação consigo mesmos, e que vocês tragam essa mesma ação uns para os outros, soltando os pensamentos mesquinhos da mente do ego, que criam separação. Já passou o tempo de se agarrar a velhas rivalidades,
mágoas e egos inflados.

Não há competição aqui, somente um caminhar juntos e um compartilhar do amor.
Movendo-se juntos na consciência, como uma onda em movimento. Chegou o tempo de soltar a separação porque, na verdade, fora do ego, ela não existe. Chegou o momento de fazer uma declaração interna de não separação. Encontrem outros como vocês, que estejam preparados para se mover com essa onda de conexão, construam suas alianças e tragam sua consciência singular para a conexão do grupo. Honrem as diferenças que vocês trazem, abram seus corações e reúnam-se em unidade.

Com os tempos vindouros, vocês vão precisar dessas conexões; juntos vocês formam uma forte onda de luz, que fará uma enorme diferença em seu planeta. Reúnam-se em círculos, e permitam que a energia de seus círculos expanda e cresça em consciência. É importante permitir que seus círculos cresçam em número de participantes, não fechem seus círculos para os demais, recebam cada recém chegado como precioso aspecto da luz, que traz uma frequência singular para a energia de seus círculos.

Lembrem-se que são humanos, e que não são perfeitos, de modo que erros serão cometidos, perdoem a si mesmos, conforme dão seus passos adiante e iniciam essa aliança uns com os outros. Abram-se ao auto-perdão e ao perdão dos demais. Soltem e se abram a essa grande oportunidade que está diante de vocês!

Com muito amor,
Os Pleiadianos
*
Colaboração:
Edna e Paulo Galante
São Paulo-SP
*

Puxão de Orelha Remoto

*
*
Por favor, click sobre a imagem para ampliá-la. Grato.
*
*

*
*
*
*
Puxão de Orelha Remoto
*
Minhas orelhas estão sendo puxadas!!!
Face aos acontecimentos na minha Vida, e, minhas “reações” inapropriadas em resposta às provocações, meus Amigos Espirituais estão me mandando recado explícito: Perdoe!!!
*
Júlia (pseudo nome), minha amiga, que mora em Ubatuba-SP, é evangélica. Nós nos correspondemos por carta, manuscrita, pois ela não tem computador.
*
Júlia, já nasceu psicografando!!!
Em sendo evangélica, isto já lhe trouxe muita confusão dentro da(s) Igreja(s) que frequenta.
A psicografia… não é bem-vista…
Já li diversas mensagens psicografadas por ela… ao longo do tempo.
*
Já fazia um tempo que eu não recebia uma carta dela.
Agora, em meio a uma série de acontecimentos na minha Vida… no núcleo espírita, nas amizades, na família, sinto um tracionamento tipo centrifugação…
Tenho me esforçado para proceder de forma justa e equilibrada, MAS, certamente está deixando muito a desejar, e, de forma especial, aos olhos da Espiritualidade que me ampara.
*
Diante da minha surdez espiritual, ou seja, moco para o plano maior, então, os Amados Irmãos Espirituais, resolveram me mandar um recado, explícito, através da moça evangélica, que está distante, noutra cidade, e, nada sabe da minha Vida particular.
*
Faço o relato pois sinto o compromisso de agradecer e também, usando esta mídia, o blog, levar a público, minhas falhas e também o carinhoso atendimento dos Amados Irmãos Espirituais.
*
Agradeço a todos da minha Psicosfera.
Sou um aprendiz em todas as instâncias da Vida, portanto, todos são meus professores.
*
Ao encerrar quero deixar registrada minhas vibrações de amor a envolver o seu Coração.
Muito obrigado pela sua presença, irmãos Encarnados e Desencarnados.
Fraternalmente,
Leal -71- aprendiz em todas as instâncias da Vida
*

Ressentimento

*

*
*
Ressentimento
*
Dez regras para pôr fim ao ressentimento

1ª- Quando alguém o magoa, ponha “iodo espiritual” na ferida imediatamente. Isto é, reze fervorosamente, caso contrário poderá ocorrer uma infecção.

2ª- Se o ressentimento o tornou duro em seus pensamentos, aplique dreno nos agravos. Isto é, abra o seu coração para deixar que os agravos se encaminharem para fora dele.

3ª- Faça isso desabafando o peso de suas queixas com um conselheiro de confiança, ou escreva uma carta à pessoa pela qual tem ressentimento. Depois, rasgue a carta e, com os pedaços de papel na mão, reze por aquela pessoa, perdoando-a.

4ª- Tenha consciência do mal que o ressentimento lhe pode fazer, deixando-o até doente. Pense nisso toda vez em que um pensamento de ódio o assaltar.

5ª- Não cesse de perdoar, mesmo tendo-o feito uma ou duas vezes. Faça isso, setenta vezes sete ou quatrocentas e noventa vezes…

6ª- Pensar em perdoar não é o bastante. Deve chegar um momento específico no qual dirá: “Com a ajuda de Deus eu agora perdôo…”

7ª- Repita o Pai Nosso, colocando nele o nome daquele que o ofendeu: “Perdoa-me minhas ofensas, assim como eu perdôo…”

8ª- Reze pela outra pessoa, pedindo para ela bênçãos específicas, especialmente em relação a assuntos que previamente mais o aborrecem.

9ª- Fale de maneira bondosa e agradável, tão freqüentemente quanto possível, sobre a pessoa com a qual mantém diferenças.

10ª- Faça um estudo sincero dos fatores que criam tão infeliz relacionamento, de forma que o “ponto errado” que existe em você nunca mais se manifeste.

Moral da História: Permita que Jesus transforme a sua vida através do perdão. Seja canal da Graça Divina e, para que isso aconteça, basta você abrir o coração e deixar que Deus restaure por completo a sua vida, e faça de você uma verdadeira testemunha do Seu Amor e da Sua Misericórdia…
*
(autor desconhecido)
*
Acervo do Leal:
C:\#1_Leal\1_WPD\2007\20071115WPD_Misericórdia
*

Perdão

*

“O presente mais belo? O Perdão.”

Perdoar ainda é o melhor remédio para combater o estresse emocional, os estados alterados de humor e a infelicidade, além de oferecer grande ajuda na manutenção da saúde, em todos os sentidos.

Se um dia fui uma religiosa, hoje sou também uma pesquisadora da ciência do viver, do bem viver. E, quando falo de perdão, de seus efeitos e suas consequências, não sou a primeira a tocar do assunto, nem de longe. Apenas reinterpreto certos textos do Evangelho e traduzo, em outras palavras, o que nos dias de hoje muitos líderes políticos, cientistas e filósofos já estão explorando em seus discursos e teses.

É fato comprovado que, sem perdoar, torna-se quase impossível a convivência entre os seres humanos. Isso é atestado hoje em dia até mesmo por representantes da ciência ortodoxa e suas pesquisas, que procuram quantificar este fato inegável: a grande influência que o perdão exerce sobre os estados emocionais e a saúde. O ressentimento, o rancor, a mania de pôr a culpa nos outros ou a busca de culpados para os contratempos e dificuldades são fatores que levam nossa mente e nosso coração a pararem de funcionar de maneira equilibrada e sadia.

Se antes das recentes descobertas da ciência o conceito de perdoar, exercitar o esquecimento das faltas, nossas e alheias, podia ser reduzido a uma fórmula exaltada por alguns religiosos, atualmente as coisas mudaram de forma radical. Acho até que os religiosos são os que menos perdoam ou buscam perdoar, mas isso é tema para outras reflexões. Quero dizer que o exercício do perdão se transformou em receita de saúde, inclusive na acepção que os médicos dão ao termo. Em minhas poucas leituras sobre saúde e com base nas pequenas informações sobre os assuntos científicos de que disponho, sei apenas que, assim como o rancor faz mal e ocasiona danos ao nosso sistema nervoso, o perdão, ao contrário, aumenta nossa imunidade da alma e do corpo.

Quem sabe seja por isso que Jesus Cristo aconselhou o perdão? Uma vez que ele conhecia muito bem o estado emocional e espiritual dos indivíduos que habitam este nosso planeta, é sensato supor tal coisa. Além disso, como ele foi o médico que mais solucionou enfermidades em seu tempo, talvez a indicação para perdoar fosse uma prescrição visando à integridade de nossa saúde, tanto física quanto de alma. Hoje em dia, os estudiosos do mundo têm descoberto que muitas receitas como essa, dadas por Cristo, são antídotos poderosos o bastante para combater certos males que os medicamentos convencionais são incapazes de debelar. Desse modo, perdoar não somente cura os males da alma, como angústia, rancor e ressentimento, mas também produz reações físicas facilmente detectadas em nossos corpos. O perdão adquire outra conotação e passa a ser, acima de tudo, uma atitude de inteligência.

Assisti a muita gente morrer, cotidianamente, quando estive de posse do corpo. Entretanto, não era a morte física, pura e simplesmente. Era a morte da alma, da razão, do bom senso. Indivíduos que se fecharam a toda espécie de apelo e se isolaram na amargura, na culpa, na cobrança de atitudes mais perfeitas por parte do outro.

Um tipo de perdão que precisamos exercitar urgentemente, a fim de evitar quadros assim, é o autoperdão. Muitos cristãos se veem encarcerados em círculos de culpa, a qual, em grande número de vezes, é agravada por uma religião do medo. Como resultado, proliferam instrumentos mais ou menos variados de autopunição, que acometem a própria pessoa e os que lhe acompanham a marcha. De modo tenaz, cobram-se por atos pretéritos de negligência ou ignorância; enclausuram-se em sérias limitações por não se permitirem experiências mais felizes, tanto quanto relações e realizações duradouras e nobres.
*
Autora: Madre Teresa de Calcutá
*
Psicografia: Robson Pinheiro
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Palavras chaves:
aconselhou
amargura
angústia
antídotos poderosos
assuntos científicos
atitude de inteligência
autoperdão
autopunição
bem viver
bom senso
ciência
ciência ortodoxa
cientistas
círculos de culpa
cobrança
cobrança de atitudes
conceito de perdoar
contratempos
convivência
coração
culpa
culpados
danos
dificuldades
enclausuram-se
enfermidades
esquecimento das faltas
estado emocional
estresse emocional
Evangelho
exercício do perdão
faltas
filósofos
fórmula exaltada
humor
ignorância
imunidade
imunidade da alma
incapazes de debelar
infelicidade
influência
integridade
inteligência
Jesus Cristo
líderes políticos
limitações
Madre Teresa de Calcutá
males da alma
maneira equilibrada
mania
medicamentos
médico
morrer
morte da alma
negligência
nobres
Perdão
Perdoar
pesquisadora
prescrição
presente
Psicografia
rancor
rancor faz mal
razão
reações físicas
realizações duradouras
receita de saúde
religião do medo
religiosa
remédio
ressentimento
Robson Pinheiro
saúde
se fecharam
se isolaram
seres humanos
sistema nervoso
viver
*

Perdão

*

PERDOA AS NOSSAS OFENSAS

“E perdoa-nos as nossas ofensas, assim como nós temos perdoado a quem nos tem ofendido” (Mateus 6:12). Perdoar, o espinho na carne de muita gente. São muitos os que não conseguem livrar-se desse espinho, e sofrem com os males provocados pela incapacidade de perdoar, apesar de repetirem essa oração, mas sem liberarem o perdão.

Perdoar significa “dar completamente”, “abrir dentro de si”, “dar o próprio eu a outrem”, “liberar”. Em vez de sacrificar o ofensor a seu ódio, a seu rancor ou mágoa, o perdoador imola-se a si mesmo, abrindo assim, de par em par, as portas da alma ao influxo das torrentes divinas.

Quem ofende, pede perdão; quem é ofendido, perdoa. E não precisa esperar que o ofensor lhe peça perdão. Jesus, na cruz do Calvário, não esperou que os que o crucificaram lhe pedissem perdão. Antes, rogou ao Pai: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”.

Se alguém guarda dentro de si sentimentos de rancor, ódio ou mágoa, e não perdoa a quem lhe ofendeu, conserva dentro de si as impurezas desses sentimentos. Essas impurezas podem acarretar o surgimento de enfermidades e, pior, deixa a pessoa afastada da comunhão com Deus.

Philip Yancey, em seu livro MARAVILHOSA GRAÇA, cita um pensamento de George Herbert, que diz: “Aquele que não pode perdoar, destrói a ponte sobre a qual ele mesmo tem de passar”.O perdão quebra as cadeias do ódio e do ressentimento, cicatriza as feridas deixadas pela mágoa, traz paz ao coração.

Perdoar é um gesto de amor, de nobreza, de temor a Deus, de espiritualidade; pedir perdão é um gesto de humildade, de arrependimento, de consciência espiritual de quem quebrou um estado harmônico que necessita ser restabelecido pelo perdão.
Não perdoar e não pedir perdão são atitudes de soberba, orgulho, frutos do homem não-espiritual.

Então, devemos pensar bem ao orarmos o Pai Nosso. Que não seja uma oração mecânica, mas possamos refletir bem sobre a profundidade da expressão “assim como nós temos perdoado aos nossos ofensores”. Será que temos, realmente, liberado perdão aos nossos ofensores ?

Agora, devemos perdoar totalmente, em nosso íntimo, e não apenas verbalmente. Há pessoas que dizem: “Eu perdôo, mas não esqueço o que ele fez”, ou, “Perdôo tudo, menos isto”.

Não podemos, ao perdoar, deixar resquícios ou raiz de amargura, de ódio ou ressentimento dentro de nós. Deus, quando nos perdoa, apaga todas as nossas transgressões:
“Eu, eu mesmo, sou o que apaga as tuas transgressões por amor de mim, e dos teus pecados já não me lembro” (Isaías 43:25)

Quando, em nossa oração, pedirmos ao Pai que nos perdoe assim como perdoamos aos nossos ofensores, lembremo-nos, também, que Jesus, ao ensinar essa oração, acrescentou: “…se, porém, não perdoardes os homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas”.

Vale lembrar que errar é humano; perdoar é divino. Diz Huberto Rohden que “para a negatividade da ofensa feita deve ser liberada a positividade do amor. O positivo do amor, expresso no ato de perdoar, anulará o negativo da ofensa de seu irmão. “

“Aquele que recebe a ofensa e não perdoa, é como a água, que é alérgica às impurezas do ambiente e é por elas contaminada. Já aquele que perdoa, é como luz, que é absolutamente incontaminável pelo ambiente; não existe luz impura; ela é pura no meio do ambiente impuro. A imunidade da luz é absoluta, ao passo que a imunidade da água é relativa”.

Experimente perdoar aqueles que lhe ofenderam, e sinta a paz que reinará em seu coração quando, ao orar o Pai Nosso, disser ao Senhor: “…assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

Passe esta mensagem adiante; você pode estar ajudando alguém a quebrar as algemas do ódio, do rancor, da mágoa, da amargura; a restabelecer uma amizade, a plantar sementes de amor e a propagar o Evangelho; a tornar este mundo menos poluído e mais saudável.
*
Autoria desconhecida
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Colaboração:
Daniela Marchi
Araçatuba-SP
*