Casamento

*
*

*
*
Casamento
*
Amar a esposa ou o marido não garante um casamento satisfatório. Além do afeto, a capacidade de adaptação e o diálogo são os pontos fundamentais para quem quer viver feliz para sempre. É o que indica a pesquisa feita pela psicóloga Mara Rossi para uma tese de mestrado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC).
*
Amigo(a) visitante, conheça o texto na íntegra. Click aqui. Grato.
*

Anúncios

Divórcio

*

Do divórcio ante a evolução do Espírito
05/04/2009

Em artigos publicados no mês transato, verificamos que o Cap. XXII do livro que Allan Kardec publicou em 1864, O Evangelho Segundo o Espiritismo, se resumia apenas em dois temas. O primeiro deles, aqui já estudado, dividido em quatro itens; cabe-nos hoje concluir o assunto “Não separeis o que Deus juntou”, com a transcrição, na íntegra, do item 5, intitulado “O Divórcio”:

“O divórcio é uma lei humana que tem por fim separar legalmente o que está separado de fato; não é contrária à lei de Deus, uma vez que não reforma senão o que os homens fizeram, e não é aplicável senão nos casos em que não se levou em conta a lei divina; se fosse contrária a esta lei, a própria Igreja seria forçada a considerar prevaricadores aqueles dos seus chefes que, pela sua própria autoridade, e em nome da religião, em mais de uma circunstância, impuseram o divórcio; dupla prevaricação então, uma vez que seria só em vista de interesses temporais, e não para satisfazer a lei do amor.

Mas Jesus, ele mesmo, não consagrou a indissolubilidade absoluta do matrimônio. Não disse: ‘É por causa da dureza de vosso coração que Moisés vos permitiu devolver vossas mulheres? O que significa que, desde o tempo de Moisés, a afeição mútua não sendo o objetivo único do casamento, a separação podia tornar-se necessária.’ Mas acrescenta: ‘Isso não foi desde o princípio’; quer dizer que na origem da Humanidade, quando os homens não estavam ainda pervertidos pelo egoísmo e pelo orgulho, e viviam segundo as leis de Deus, as uniões fundadas sobre a simpatia, e não sobre a vaidade ou a ambição, não davam lugar ao repúdio.

Vai mais longe e especifica o caso em que o repúdio pode ter lugar: o de adultério; ora, o adultério não existe onde reina uma afeição recíproca sincera. Proíbe, é verdade, a todo homem de esposar a mulher repudiada, mas é preciso ter em conta os costumes e o caráter dos homens do seu tempo. A lei mosaica, nesse caso, prescrevia a lapidação; querendo abolir um uso bárbaro, seria preciso, entretanto, uma penalidade, e a achou na ignomínia que devia imprimir a interdição de um segundo matrimônio. Era de alguma sorte uma lei civil substituindo outra lei civil, mas que, como todas as leis dessa natureza, devia sofrer a prova do tempo.”

Com relação à evolução do Espírito, ouçamos Allan Kardec, no Cap. XI — “Encarnação dos Espíritos” — em A Gênese – Os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo:

“À medida que progride moralmente, o Espírito se desmaterializa, isto é, depura-se, com o subtrair-se à influência da matéria; sua vida se espiritualiza, suas faculdades e percepções se ampliam; sua felicidade se torna proporcional ao progresso realizado. Entretanto, como atua em virtude de seu livre arbítrio, pode ele, por negligência ou má vontade, retardar o seu avanço; prolonga, conseguintemente, a duração de suas encarnações materiais, que, então, se lhe tornam uma punição, pois que, por falta sua, ele permanece nas categorias inferiores, obrigado a recomeçar a mesma tarefa. Depende, pois, do Espírito abreviar, pelo trabalho de depuração executado sobre si mesmo, a extensão do período das encarnações.”

Elias Barbosa
Clínico geral e psiquiatra
eliasbarbosa34@terra.com.br
*
Fonte:
http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,22,ARTICULISTAS,7180
*

Bodas de Rubi

Boda de Rubi
Casados há 40 anos!

Christina,
Há muitas histórias para serem contadas, pois o tempo de convivência serviu de passarela para a caminhada evolutiva.

Eu e você sempre tivemos a felicidade de agradecer a Deus-Pai todos os dias concedidos da nossa trajetória. Acredito que ai está o Esteio do relacionamento duradouro. Vivemos o que todas as pessoas vivem: alegrias, tristezas, dificuldades, realizações, mas sempre apoiados na fé e na certeza que caminhamos para um futuro inquestionavelmente melhor.

Se eu tivesse que dar a fórmula para o casamento feliz, eu diria: Amor.

Deus-Pai nos concedeu três lindos filhos, hoje adultos e com suas próprias Famílias constituídas, e, a caminho do Futuro de Luz.

Nossa união também nos deu quatro lindos netos e netas, muito amados.

Christina, eu e você precisamos continuar a Agradecer ao Pai da Vida, pois, a despeito das nossas dificuldades individuais, são muitas as Flores que adornam o nosso Percurso.

Louvemos a Deus, a Jesus e aos nossos Anjos Protetores por tantas bênçãos recebidas.

Agradecemos aos nossos antepassados, aos nossos queridos e saudosos pais, aos nossos filhos, aos filhos agregados, netos, netas, e a todos que compartilharam e compartilham suas Vidas conosco.

Possam essas irradiações de Amor chegar a cada um dos Corações Espirituais do Universo que Construímos.

Muito obrigado!
Salve 17 de setembro de 2008.
Christina, eu te amo.
Eudison
*

Casamento!

** SENTIDO DO MATRIMÔNIO **

O café da manhã que mamãe preparava era maravilhoso! Embora fôssemos uma família humilde, minha mãe sempre preparava com muito carinho a primeira refeição do dia. Era ovo frito com farinha, outro dia era ovo escaldado, depois era bife com pão, lingüiça com ovo e pão… Tudo feito com simplicidade.

Ao acordar, naquela manhã, quando retornei da ‘lua de mel’, para ir ao trabalho, pensei que encontraria a mesa posta, o café da manhã preparado. Como estava acostumado com a casa da mamãe, pensei que acordaria com aquele gostoso cheirinho que vinha sempre da cozinha lá de casa. Olhei para o lado e vi minha esposa, Neusa, dormindo profundamente. Feito um anjinho – de pedra!

Raspei a garganta, fiz barulho tentando acordá-la. Nada! Fui para o trabalho irritado, de barriga vazia. O local do trabalho ficava a uns cinco minutos do apartamento que alugávamos. Ao me sentar na mesa de trabalho, sentindo a estômago roncar, abri a Bíblia no seguinte trecho: ‘O que quereis que os homens vos façam, fazei-o também a eles’ (Lucas 6:31).

Disse pra mim mesmo: ‘O Senhor não precisa dizer mais nada’. Lá pelas nove horas da manhã, hora em que se podia tirar alguns minutos para o café, dei um jeito de ir até o apartamento, não sem antes passar em uma padaria e comprar algumas guloseimas. Preparei o café da manhã e levei na cama para Neusa. Ela acordou com aquele sorriso tão lindo!

Estamos para completar Bodas de Prata. Nesses quase vinte e cinco anos de casamento, continuo repetindo esse gesto todos os dias. E com muito amor!

Estou longe de ser um bom marido, mas a cada dia me esforço ao máximo… Tenho muito a melhorar, tenho de ser mais santo, mais paciente, mais carinhoso. Sinto-me ainda longe disso, pois o o que estou mirando é
Jesus: ‘Maridos, continuai a amar as vossas esposas, assim como Cristo amou a sua igreja e se entregou por ela’ (Efésios 5:25).

O matrimônio é um desafio, pois a todo o momento temos que perdoar e pedir perdão. A cada dia temos que buscar forças em Deus, pois sem Ele nada podemos fazer.

Quando Paulo se despedia dos cristãos em Éfesios, citou uma bela frase : ‘Há mais felicidade em dar do que há em receber’ (Atos 20:35). Quando se descobre isso no matrimônio, se descobre o princípio da felicidade.

Por que muitos casamentos não tem ido adiante? Porque o egoísmo tomou conta do casal. É o ‘cada um por si’ que vigora.

Estamos na sociedade do descartável: copo descartável, prato descartável, etc. Pessoas não são descartáveis, porém, o que não é descartável precisa ser cuidado para ser durável.

O mundo precisa do testemunho dos casais de que o matrimônio vale a pena! E, para que isso aconteça, é necessário um cuidado amoroso e carinhoso por parte do esposo e da esposa. Ambos têm o dever de cuidar um do outro com renovados gestos de carinho e perdão diariamente.

É preciso declarar, todos os dias o amor, em gestos e palavras. A primeira palavra que sempre digo para minha esposa ao iniciar o dia é: ‘Eu amo você’. Não é fácil dizer isso às vezes, pois muitas vezes acordo de mal comigo mesmo. Faça isso agora também. Declare seu amor!

Aos solteiros e aos que ainda não se casaram, quero dizer o seguinte: ‘Se você estiver pensando em casar para ser feliz, não se case! Fique como está, solteiro mesmo’. Mas, se sua intenção é casar para fazer alguém feliz, case-se e você será a pessoa mais feliz do mundo!

O segredo da felicidade é fazer o outro feliz!

Autoria: desconhecida
Colaboração: Edna Sbrissa