Espírito Palminha

*
Link permanente para es mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-eUU
*

*
Espírito Palminha
*
Relato ditado, através da audição, pelo espírito de José Grosso ao médium Ênio Wendling.

Ao fundo, música suave de um coral espírita que cita nomes de vários amigos espirituais. Registramos a presença de alguns mentores espirituais: José Grosso, Palminha, Scheilla e de outros numerosos espíritos da Fraternidade.

Assinalamos, também, a presença do espírito Charles Baudelaire e percebemos que os amigos espirituais são velhos conhecidos.

José Grosso inicia, assim, o relato:

Viemos de longe, de passadas eras e vamos falar sobre nosso irmão, chamado carinhosamente de Palminha*, simplesmente Palminha.

Hoje, nessa altura de sua caminhada espiritual, deseja firmemente desempenhar, como vem fazendo, a tarefa da fraternidade, sob a égide de Jesus. Busquemos reportar marcantes épocas da vida desse querido amigo. Reafirmamos que viemos de longe. Vislumbramos os tempos dos Vedas. Os grandes templos de Amon. As colunas formidáveis da cidade de Soma (subúrbio de Memphis), sob a areia do deserto no antigo Egito. Identificamos, ainda, o nosso irmão Palminha em Tebas e Memphis.

Consta que após algumas encarnações de mandos e desmandos, reencarnou-se como escravo núbio, vivendo por pouco tempo nessa condição, pois devido a circunstâncias que desconhecemos tornou-se senhor.

Podemos percebê-lo descansando nos alpendres dos jardins de grande palácio, nas tardes solarengas e cálidas de verão, às margens do Nilo. Como senhor, mercadejou com escravos e não demonstrou nenhum sentimento fraterno para com eles, esquecendo-se de que já fora um deles.

Habitou, também, os templos de Carnac. Viveu em áreas longínquas na China. Conviveu com os Persas. Nosso Palminha viveu na época do cristianismo em Roma. Suas idas ao circo romano o empolgaram bastante.

Segundo Charles Baudelaire, que se encontra citado acima nesse relato: “a multidão sanguinolenta reunia-se no vasto circo de Roma. O coliseu regurgitava ao murmúrio sinistro de patrícios e plebeus que buscavam, na dor dos desgraçados, o prazer e o tumulto”.

Vivendo em Roma, Palminha conheceu e se identificou com muitos cristãos. Ouviu-os falarem de Jesus. Muitos deles estão reencarnados e vivendo no Brasil de hoje.

Naquela época, alguns fizeram parte dos quinhentos da Galiléia. Viveu e ajudou a destruir os templos de Heliópolis, incendiando-os. Conviveu no palácio do Califa de Samira, sendo um de seus familiares.

Renasceu na Pérsia, reviu a Índia, mas desejava, nesse tempo, algo mais da vida. Seus sentimentos começaram a mudar.

Conviveu com amigos e com a turba dos que gostavam de anarquia e destruição, pois seu passado falava muito forte, ainda, em seu espírito. Viveu numa aldeia em Simiansqui, ao norte do império Chinês. Participou das ordens de Gengis Khan. Estreitou laços com os afins.

Teve reencarnações na Tartaria, após essa existência viveu nos Balcãs e reencontrou um espírito muito querido na Germânia: o nosso José Grosso. Pertenceu, também, ao grupo dos seguidores de Alarico VIII. Após esse período, Palminha desejou ardentemente modificações mais profundas em seu espírito.

Vieram, então, reencarnações mais suaves, tranqüilas e religiosas na França, Espanha e Brasil.

Nos dias de hoje, sua identificação espiritual com os companheiros encarnados é grande. Quer ser lembrado somente como Palminha.

Seus objetivos se encontram no apostolado do bem, na simplicidade consciente e responsável do espírito que deseja valorizar o atual momento em que estamos vivendo, pois são marcos decisórios para a sua evolução e a de todos nós.

Em sucessivas reencarnações, nosso Irmão Palminha experimentou derrotas, conquistas e sofrimentos atrozes.

Mas, hoje, considera o momento um oásis de bênçãos na tarefa junto aos companheiros espíritas do Brasil e da Fraternidade.

Não podemos deixar de citar a encarnação de Palminha no Brasil como Antônio da Silva, um dos nove filhos do casal Gerônimo e Francisca, e irmão de José da Silva -José Grosso.

Pertenceu, também, a um dos bandos da época, na década de trinta, no nordeste. Desencarnou com ferimentos, quando do cerco policial nas imediações da cidade de Floriano, no Piauí. Consta que tentava fugir quando foi alvejado.

Correu sem perceber que seu corpo ficara para trás. Voltou e constatou que “havia desencarnado”.

Não é sabido quanto tempo levou até ser amparado pelos espíritos de Joseph, Scheilla e José Grosso. Com o passar do tempo, foi convocado a cooperar nas reuniões do grupo Scheilla, em Belo Horizonte.

O nosso querido Palminha é incansável trabalhador e um dos mentores da nossa Fraternidade.

Agradecemos a Jesus pelo privilégio de tê-lo junto a nós. Que ele receba o nosso carinho e as nossas vibrações fraternas. Que o nosso Divino Amigo Jesus o abençoe hoje e sempre.

* Palminha: nome dado ao espírito que, quando se manifestava em reuniões de efeitos físicos, batia palmas e de suas mãos saíam raios de luz.
*
Acervo do Leal:
C:\#1_Leal\1_WPD\99_Kardec\ZeGrosso3112104.34y2.wpd
sinapseslinks@gmail.com

Anúncios

Acontecimentos catastróficos

*

Acontecimentos catastróficos

A inversão da onda em direcção à costa Brasileira
(Visões da Idalina F. Oliveira – Portugal)

Depois de passar a ilha da Madeira a onda inverterá a sua direcção e dirigir-se-á de novo para o atlântico sul, mas desta vez para a costa americana. Começará a sua devastação na costa do Brasil a partir da latitude de Belo Horizonte, na região do Estado Federal do Espirito Santo. Toda esta costa brasileira será duramente atingida, mas não atingirá a cidade de São Paulo. Esta vaga de acontecimentos catastróficos irá terminará no paralelo 28 Sul no Estado de Santa Catarina. O Uruguai não sofrerá muito com este cataclismo.
*
Caro visitante,
Você se interessa por este tipo de notícia e/ou informação?
Escreva-me e te enviarei na íntegra, o arquivo DOC.
Fraternalmente,
Leal – aprendiz em todas as instâncias da Vida
ep-leal@uol.com.br
*

Chico Xavier

*

Chico Xavier

Pedro Leopoldo e Uberaba – A primeira, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, é a cidade natal; a segunda, no Triângulo Mineiro, é adotada.

Chico Xavier nasceu em Pedro Leopoldo, onde morou até os 49 anos; depois, partiu para Uberaba e lá ficou até morrer, aos 92 anos.

Foi nos dois municípios que Francisco Cândido Xavier praticou seus 75 anos de mediunidade, deixou a marca de sua obra espiritual e assistencial e as lembranças de uma trajetória cheia de fé, admiração e respeito. “Pedro Leopoldo foi o berço natal e Uberaba o berço que o acolheu”, explica o filho de criação do médium Eurípedes Humberto Higino dos Reis, que cuida do legado de Chico em Uberaba. “Ele dizia que Pedro Leopoldo era a mãe e Uberaba, a tia”, revela o curador da Casa de Chico Xavier em Pedro Leopoldo, Hélcio Marques.

Conheça o perfil de Chico Xavier

A Casa de Chico Xavier está instalada onde ele morou. Ela abriga exemplares em diversos idiomas dos mais de 400 livros psicografados pelo médium e das 170 obras que versam sobre ele, além de reportagens de jornais, revistas e em fitas de vídeo. Além desse espaço, Pedro Leopoldo tem o Centro Espírita São Luiz Gonzaga, erguido no local onde era a casa em que Chico nasceu, em 1910. Uma das principais praças da cidade, desde 1980, recebeu o nome do médium.

A Fundação Cultural Chico Xavier está encarregada da construção do Memorial Chico Xavier, no Açude do Capão, local em que, em 1931, o médium viu, pela primeira vez, seu benfeitor espiritual, Emmanuel.

Cada local ligado à história de Chico Xavier representa uma etapa dos Caminhos da Luz, marcados por placas indicativas. Estão incluídas a Fábrica de Tecidos Cachoeira Grande e a Fazenda Modelo, onde ele trabalhou, e a Mostra Permanente Chico Xavier, com parte do acervo recolhido pelo pesquisador Geraldo Leão, que integram o Arquivo Público Municipal de Pedro Leopoldo.

Em Uberaba, há o Museu Chico Xavier, instalado na casa do médium e em fase de ampliação. Lá estão o quarto onde ele dormia – o Recanto do Chico –, preservado como no dia em que desencarnou, em 2002, a mesa em que ele psicografava e a coleção dos bonés que eram sua marca registrada. Podem ser vistos também suas obras, material sobre ele e um amplo acervo de fotografias e de informações sobre sua trajetória.

CASA DA PRECE
O Grupo Espírita da Prece continua realizando cultos aos sábados no local que ficou conhecido popularmente como Casa da Prece. Era lá que Chico, às sextas-feiras e aos sábados, recebia mais de 500 pessoas. Eurípedes dos Reis conta que ele começava a atender às 14h e ia até as 5h do dia seguinte.

Por iniciativa da Prefeitura de Uberaba e de outras instituições locais, foi criado o Instituto Chico Xavier, com o objetivo de construir um memorial que contará com biblioteca, sala de vídeo, galeria e auditório, em 1,3 mil metros quadrados de área construída. A obra está em andamento.

O instituto pretende recolher e reunir em um só local mensagens, cartas e imagens, além de todo o acervo já disponível. O material impresso sobre o memorial preconiza: “Chico Xavier é mundial, um antagonismo entre o tamanho de sua fama e sua simplicidade. O memorial será universal, tal qual o seu exemplo”. Os espaços de Uberaba e de Pedro Leopoldo deverão estar prontos para as comemorações do centenário de nascimento de Chico, no próximo ano. (abril 2010)

Tanto em Pedro Leopoldo quanto em Uberaba, a obra assistencial do médium continuou depois de sua morte. Na terra natal, o Centro Espírita Luiz Gonzaga, fundado por Chico em 1950, mantém a sopa fraterna Maria João de Deus (nome da mãe do médium), que alimenta cerca de 300 pessoas todos os sábados, além de fornecer enxovais para bebês. E a Casa de Chico Xavier distribui 200 cestas básicas por mês e atende 150 famílias por semana ofertando pão e leite.

ENCONTRO Em Uberaba, o Refeitório Amigos Anônimos fornece jantar a cerca de 1 mil pessoas todas as quintas-feiras e o Assistencial Chico Xavier distribui cestas básicas, pão, leite e enxovais a outras 800, aos sábados. O assistencial dispõe ainda de gabinetes médico e dentário para atendimento gratuito. “Chico dizia que não era somente matar a fome, porque os bons espíritos faziam tratamentos naquelas filas. A doação era o chamarisco para que as pessoas recebessem tratamento espiritual”, conta Eurípedes dos Reis. Segundo o filho adotivo do médium, apareciam até pessoas que não eram carentes, mas “vinham buscar os donativos porque queriam pegar na mão dele”.

A capacidade de atrair gente que Chico demonstrou em vida continuou depois da desencarnação. “O povo ficava em cima dele. A necessidade de misericórdia era muito grande”, avalia Hélcio Marques. A Casa de Chico Xavier, em Pedro Leopoldo, inaugurada há três anos, já recebeu 37 mil visitantes, a maioria de outras cidades e estados e em torno de 5% do exterior. E o Culto do Evangelho, realizado no local aos domingos, tem sempre a presença de 150 pessoas, em um espaço adequado para receber 60.

O túmulo de Chico Xavier, no Cemitério Municipal São João Batista, em Uberaba, é um dos mais visitados. No mausoléu está uma estátua em bronze do médium em sua pose, ao psicografar, e exemplares de seus livros, entre eles, o primeiro (Parnaso do além túmulo) e o mais vendido (Nosso lar).

Entre 18 e 20 de abril, mês do aniversário de nascimento do médium, será realizado, em Pedro Leopoldo, o 2o Encontro Nacional Amigos de Chico Xavier, com expectativa de 3,5 mil participantes. Ao primeiro encontro, no ano passado, em Uberaba, compareceram 2,5 mil pessoas.
*
Maurício Lara – Estado de Minas
*
Fonte:
http://www.uai.com.br/UAI/html/sessao_2/2009/03/29/em_noticia_interna,id_sessao=2&id_noticia=104448/em_noticia_interna.shtml
*
Publicado no SinapsesLinks:
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Conheça: Janelas da Alma
https://sites.google.com/site/eudisonleal/
*