Editores de Taubaté

20150901_Editores_TTE
*
* Pindamonhangaba-SP – Terça-feira
* 01/set/2015
*
*** .
*** Amigos Editores de Taubaté
*** .
*
Amigo(a),
Sejamos Abençoados!
Saúde!
*
Pura Alegria!
Hoje, pela manhã, “aconteceu” de me encontrar com estes amigos espíritas dedicados.
Como sempre…aprendi muito na oportunidade…sempre foi assim.
Sou aluno destes queridos professores.
Que sejam Sempre Abençoados!
Saúde!
Luz!
*
Desejo que o seu Novo Dia Concedido seja: Feliz!
*
Fraternalmente,
Leal – aprendiz em todas as instâncias da Vida
Encarnado há 27.435 dias.
Eu TE Agradeço Senhor!
*
*** https://sinapseslinks.wordpress.com/
*** https://www.facebook.com/sinapses.links

Pessoas Felizes

20150901_Felizes
*
Como as Pessoas Felizes São Diferentes do Resto do Mundo

◆ Elas são resillentes
As pessoas felizes recuperam dos contratempos rapidamente. Em vez de olharem para as adversidades da vida como obstáculos destrutivos e rígidos que têm que ultrapassar para serem felizes, elas vêem as situações adversas como
passíveis de gestão e temporárias – o preço a pagar pelo aluguer de espaço no planeta.

◆ Elas são otimistas
Todos conhecemos uma verdade: a maioria das pessoas querem falar dos seus problemas e do que não está a correr bem. As pessoas felizes têm os mesmos problemas que todos os outros mas em vez de se foca rem nos problemas,
preferem viver focadas nas soluções. Os restantes ficam aborrecidos e irritados, ocupando a maioria do tempo a falar dos problemas. As pessoas felizes têm uma habilidade incomum para encontrar soluções onde estas parecem não existir. Há sempre uma altura e um lugar para acalmar, mas quando estiver pronto para uma solução peça a um optimista.

◆ Elas experlenclam uma grande variedade de emoções
Enquanto as pessoas felizes têm mais emoções positivas que negativas – três vezes mais, na verdade – elas experienciam as emoções negativas como toda a gente. Porém, experienciam-nas de forma diferente. As pessoas felizes não silenciam as emoções negativas; enfrentam-nas, bem de frente, para que possam aprender com elas.
Também não as deixam dominar nem que as definam. Permitem que as emoções negativas as orientem a mudar um comportamento, realizando um auto-exame, ou deixando um relacionamento menos bom. Elas vêem as emoções negativas como uma chamada interna para mudar de rumo ou reavaliarem-se.

◆ Elas saboreiam as coisas que a maioria das pessoas tomam como garantidas ou Ignoram
As pessoas felizes são mestres na arte de saborear. Elas antecipam eventos alegremente, mantêm-se presentes durante os mesmos e permanecem na memória depois dos eventos. Fazem-no porque tendem a manter o fim em mente. Sabem que as crianças crescem, o tempo passa e todos nós morremos. As pessoas felizes vivem numa filosofia carpe diem e nunca precisam de um motivo para comemorar.

◆ Elas procuram constantemente o desaflo e a mestria
As pessoas felizes vivem em busca de maneiras de se desafiarem e desenvolverem (ou dominarem) uma habilidade.
Raramente são complacentes, têm uma ideia de como se parece o sucesso pessoal e utilizam doses saudáveis de auto-crítica para atingir os seus objetivos. Não se detestam, mas são realistas o suficiente consigo mesmas e com as suas
deficiências. Procuram pessoas, hobbies, profissões, ou ideias que as desafiam a si e aos seus conceitos obsoletos.

◆ Elas gastam tempo com as pessoas que gostam
As pessoas felizes sabem que as relações são essenciais para qualquer vida positiva. Os seres humanos não foram feitos para viver isolados. Quando o fizermos, chega a solidão, segue-se a depressão, e encontramo-nos numa espiral
descendente de negatividade. As relações são críticas para a felicidade das pessoas. Reconhecem que passar tempo com as pessoas que gostam é imprescindível e fazem-no. Não são apenas mais um corpo, estão seriamente presentes.

◆ Elas perdoam rapidamente
Perdoar um delito não é fácil. Quase que se sente bem em vincar o rancor ou um julgamento, produzindo um conforto leve de auto-justificação. Mas as pessoas. felizes escolhem o perdão. Elas olha para o contexto do perdão amplamente-
permitindo tanto ao lado ofensivo como ao lado ofendido seguirem em frente. As pessoas felizes sabem que a sua incapacidade de perdoar alguém não faz mal à pessoa em questão nem permite “mostrar-se”, mas sim magoar-se.

◆Elas servem um propósito maior
As pessoas felizes vivem os seus valores de forma tangível. Vivem ansiosas para ligar e dar importância a algo significativo – uma causa, propósito, ou crença em algo superior a si. A existência humana tem dois objetivos: dar uma
contribuição para a humanidade e ter um propósito de vida. As pessoas felizes passam muito tempo a fazer com que tenham esses dois objetivos bem definidos.
*
Autoria: Professora Patrícia Teberga
Pindamonhangaba-SP

Positividade

20150901_Positividade

A POSITIVIDADE
– A positividade resulta de hábitos e padrões de pensamentos saudáveis que podem ser inatos ou resultantes de uma prática e treinamento diário. *Por que é tão difícil?
– Uma experiência dolorosa cria uma ferida que será reativada e até reforçada por acontecimentos semelhantes ao primeiro.
– Se alguém me toca e não houver uma ferida não me dói … apenas será uma experiência dolorosa se houver uma ferida. *Metáfora do abraço.
– Na maioria das vezes o problema não é o que os outros fazem, mas sim o fato de tocarem numa ferida que existe e ativa dores profundas.
– A vivência repetida de certos acontecimentos negativos que reforçam um primeiro desencadeia sentimentos de ameaça e mecanismos de defesa inconscientes.
– A nossa negatividade surge pelo medo de vivenciar experiências dolorosas e partimos do princípio de que tudo é uma ameaça e que tudo é mau. Uma forma ilusória de evitar mais decepções, sofrimentos e perdas.
– Essa mentalização negativa programa o cérebro para se focar apenas no que é mau e acabamos por desvalorizar o que é bom e passamos a vida em sofrimento
desnecessariamente. * Exemplo da mulher grávida.

COMO SER POSITIVO?
– Uma fórmula muito interessante e que resulta bem como exercício para desenvolver a positividade são as poderosas afirmações positivas.

– ATENÇÃO: forma de pensar, palavras e reações a comportamentos dos outros.
– Ser postivo dá mais trabalho do que ser infeliz. Afinal, para ser infeliz é só seguir o fluxo, enquanto para ser positivo é preciso mudar o “remar contra a maré”. E tudo isso é uma questão de escolha.
– Tudo o que atraímos resulta de quem somos. Positividade – felicidade.

TODA SUA (José Oliva )
Ainda que o tempo passe e você ache que nunca mais, eu vou ser toda sua. Ainda que não lembre meu gosto e não reconheça meu rosto, ainda que evite pensar. Ainda que nesse momento você não se sinta capaz, eu vou ser toda sua. Ainda que esteja sem força, a água secando na boca, ainda que tema se olhar.
Queira, acredite, me aguarde: eu vou ser, de verdade. Ou eu vou ser toda sua ou não me chame … Ainda que essa ventura pareça distante demais, eu vou ser toda sua. Ainda que me imagine dos outros, prazer e alegria dos outros e maldiga a hora em que me desejou.
Queira, acredite, me aguarde: eu vou ser, de verdade. Ou eu vou ser toda sua ou não me chamo … felicidade.

Autoria: Professora Patrícia Teberga
Pindamonhangaba-SP

Felicidade

20150901_Felicidade
*
DEFINIÇÕES DE FELICIDADE:

Aristóteles: a felicidade diz respeito ao equlíbrio e harmonia praticando o bem; se atinge pele
exercício da virtude e não da posse.

Epico: a felicidade ocorre através da satisfação dos desejos.

Pirro de Élis: acreditava que a felicidade acontecia através da tranquilidade.

Sócrates: a felicidade era o bem da alma que só podia ser atingido por meio de uma conduta virtuosa e justa.

Platão: assim, como a função do olho é ver e a do ouvido, ouvir, a função da alma é ser virtuosa e justa, de modo que, exercendo a virtude e a justiça, ela obtem a felicidade.

Filósofo indiano Mahavira: a não violência era um importante aliado para atingir a felicidade plena.

Lao Tsé: a felicidade poderia ser atingida tendo como modelo a natureza.

Confúcio: acreditava na felicidade devido à harmonia entre as pessoas.

O budismo acredita que a felicidade ocorre através da liberação do sofrimento e pela superação do desejo, através do treinamento mental.

O inglês Bertrand Russell: é necessário alimentar uma multiplicidade de interesses e de relações com as coisas e com os outros homens para ser feliz. Para ele, em síntese, a felicidade é a eliminação do egocentrismo.

O filósofo suíço Jean-Jacques Rousseau defendeu que o ser humano era, originalmente, feliz, mas que o advento da civilização havia destruído esse estado original de harmonia. Para se recuperar a felicidade original, a educação do ser humano deveria objetivar o retorno deste à sua simplicidade original.

filósofo francês Auguste Comte (1798-1857) enfatizou a ciência e a razão como elementos que deveriam nortear o ser humano na busca da felicidade. Esta felicidade seria baseada no altruísmo e na solidariedade entre todo o gênero humano, formando a chamada “religião da humanidade”.

Jesus Cristo defendeu o amor como o elemento fundamental para se atingir a harmonia em todos os níveis, inclusive no nível da felicidade individual.

Autoria: Professora Patrícia Teberga
Pindamonhangaba-SP

Curso Autoconhecimento 04

20150831_Autocon_04
*
* Pindamonhangaba-SP – Segunda-feira
* 31/ago/2015
*
*** Curso Autoconhecimento 04
*** Link para todas as aulas: http://bit.ly/1G1XRux
*** Felicidade
*
Amigos(a),
Sejamos Abençoados!
Saúde!
*
A quarta aula do Curso Autoconhecimento foi realizada.
A dinâmica de grupo foi reveladora…falou sobre nossa opiniões.
Fica o agradecimento para todos os Colegas e em especial para nossas professoras: Patrícia e Sandra Teberga.
Sejam Abençoadas.
*
Desejo que o seu Novo Dia Concedido seja: Feliz!
*
Fraternalmente,
Leal – aprendiz em todas as instâncias da Vida
Encarnado há 27.434 dias.
Eu TE Agradeço Senhor!
*
*** https://www.facebook.com/sinapses.links
*** https://sinapseslinks.wordpress.com/