A Casa e a Causa Espírita

*
Link permanente para esta mensagem:___ http://wp.me/p1oMor-dQL
*

*
A Casa e a Causa Espírita
*
Interessante notar que entre as palavras Casa e Causa a diferença é um simples U de União.

Mas, quem trabalha pela Causa Espírita conhece bem a dificuldade de se fazer entendido na Casa Espírita.

Há dirigentes que não divulgam eventos que se realizam em outros Centros Espíritas, pois com isto receiam perder freqüentadores de “sua” Casa.

A dificuldade encontrada por participantes dos órgãos de unificação para serem recebidos por algum diretor da Casa Espírita é muito grande, pois estão sempre ocupados em alguma atividade interna. As cartas enviadas, em sua grande maioria são ignoradas, pesquisas não são respondidas, dificilmente tem alguém para enviar às reuniões que tratariam de atividades em conjunto, é muito difícil delegar poder, se o presidente não puder comparecer, raramente indicará alguém.

Para entendermos a necessidade da União entre as Casas Espíritas e, por conseqüência, entre os espíritas, recorramos ao mestre, Allan Kardec. Do livro Obras Póstumas, no capítulo “Constituição do Espiritismo”, vemos a preocupação de Allan Kardec com os rumos do Espiritismo, vamos pinçar alguns pensamentos.

Para a pergunta se o Espiritismo estará preservado dos cismas.

Eis a resposta que nós dá: Não, certamente, porque terá, sobretudo no começo de lutar contra idéias pessoais, sempre absolutas, tenazes, refratárias a se amalgamarem com idéias de outrem. E terá de lutar contra a ambição dos que, a despeito de tudo se empenham por ligar seus nomes a uma inovação qualquer… Conseguintemente, seitas poderão formar-se ao lado da Doutrina, seitas que não lhe adotem os princípios ou todos os princípios, porém não dentro da Doutrina. É este o primeiro ponto de capital importância.O segundo ponto está em não sair das idéias práticas… Não atravanquemos a Doutrina de princípios que possam ser considerados quiméricos e fazer que a repilam os homens positivos. O terceiro ponto, enfim, é inerente ao caráter essencialmente progressivo da Doutrina.

No capitulo “O chefe do Espiritismo”, Kardec mostra a preocupação de se formar “uma direção central superior, guarda vigilante da unidade progressiva e dos interesses gerais da Doutrina”. Discorre nesta parte da impossibilidade de se ter um “escolhido” para esta função e conclui: “O problema é, pois, o de constituir-se uma direção central em condições, de força e estabilidade, que a ponham ao abrigo de todas as flutuações; que correspondam a todas as necessidades da causa e oponham intransponível barreira às tramas da intriga e da ambição”. “Em vez de um chefe único, a direção será confiada a uma comissão central permanente, cuja organização e atribuições se definam de maneira a não dar azo ao arbítrio”.Diz mais o codificador: hoje claramente demonstrada a Doutrina não podia sair de um único centro, completamente estruturada, da mesma maneira que toda a ciência astronômica não poderia sair de, inteiramente constituída, de um único observatório.Qualquer centro que tentasse erguê-la exclusivamente, sobre suas observações faria coisa incompleta e se acharia, com relação à infinidade de pontos, em contradição com outros. Se mil centros quisessem fazer cada um a sua doutrina, não haveria duas iguais em todos os pontos. Se estivessem de acordo quanto aos fundamentos, difeririam inevitavelmente quanto à forma.

Porque então a dificuldade da União?

Importa termos em mente que não somos deste ou daquele Órgão , desta ou daquela Casa Espírita, e sim estamos neste ou naquele órgão ou nesta ou naquela Casa Espírita, somos Espíritas todos nós, e a casa dividida torna-se ingovernável.

A recomendação do Espírito de Verdade é muito clara “Espíritas! Amai-vos, este o primeiro ensinamento; instruí-vos, este o segundo” se não conseguirmos atender ao primeiro, de bem pouco nos valerá o segundo.

Deixamos agora uma citação de Bezerra de Menezes para que possamos refletir sobre o que cada um de nós está fazendo com a Doutrina Espírita: “Solidários, seremos união. Separados uns dos outros seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos. Distanciados entre nós, continuaremos à procura do trabalho com que já nos encontramos honrados pela divina providência”.
*
Fonte: http://migre.me/9noGW
*

Anúncios

2 comentários sobre “A Casa e a Causa Espírita

  1. Eu acredito que o homem tem seu livre arbitrio para decidir qual religião deva seguir, se ele se encontra em uma, cujo principios é de amor a Deus e a fidelidade a causa dos homens, nada a temer. Temos muitas boas que podemos opitar para seguir. Temos muitas espiritas que, cujo bem maior além dos principios principais que é amar a Deus, muito têm feito em beneficio dos homens, tanto espiritual como material.

Seu comentário:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s