Comunicação

*
*

*
*
Comunicação
*
Classificação das Habilidades Sociais

Comunicação Verbal:
pode ser definida como uma troca de Informação verbal entre duas ou mais pessoas Segundo Chlavenato (2000) significa tornar comum uma mensagem ou informação.

As pessoas se comunicam de diversas formas. mas a comunicação verbal é a mais comum e se refere à emissão de palavras e sons que usamos para nos comunicar.

A comunicação é responsável pela formação de extensas redes de troca social que mantêm e alteram a cultura
A Interação social se manifesta na comunicação entre as pessoas e é por meio desta e de outros fenômenos que as pessoas manifestam seu comportamento em relação aos outros.

Sensibilidade Perceptiva:
(comunicação não verbal):
envolve a capacidade de decodificar o significado de comportamentos não verbais, por meio de gestos, posturas, expressões faciais, movimentos dos olhos, paralinguagem, dentre outros.

Refere-se também à capacidade de transmitir mensagens não verbais de acordo com os objetivos sociais.

A comunicação não verbal não apenas se ajusta à comunicação verbal, mas também favorece a expressão de Intenções e emoções (Portella. 2006) Para Rector e Trinta (1985: 1990, citado por Portei Ia, 2006) 65% da nossa comunicação é não verbal.

A percepção da atitude de uma pessoa seria Influenciada em 7% pelo conteúdo verbal, 38% pelo tom de voz e 55% pela face (Fortuna e Portella. 2010) refere-se à habilidade de fornecer e de receber feedback positivo e negativo, Para Fortuna e Portella (2010), dar e receber feedback (retroalimentação) constituem habilidades essenciais para regular o próprio desempenho e os das pessoas com quem se convive, visando a relações saudáveis e satisfatórias. Dar e receber feedbacks podem ser entendidos como uma descrição verbal ou escrita sobre o desempenho da pessoa.

Autoapresentação Positiva:
é uma habilidade social que consiste na capacidade de apresentar-se de forma adequada nas diferentes situações sociais, envolvendo aspectos relacionados às regras de demonstração e à aparência (Portella Stingel e Bastos. 2005). Pode também ser definida como as maneiras pelas quais os Indivíduos buscam controlar as Impressões pessoais para atingir um determinado objetivo (Leary 1995).

Capacidade Empática:
é a capacidade de compreender e sentir o que alguém pensa e sente em uma situação de demanda afetiva, comunicando-lhe adequadamente tal compreensão e sentimento (Dei Prette e Dei Prette. 2001) Por meio da empatia. é possível compreender os sentimentos e perspectivas da outra pessoa e experimentar para com a mesma compaixão e preocupação com seu bem-estar (Falcone. 1999).

Assertividade:
é a capacidade de expor de maneira objetiva. clara e direta o que se pensa sente ou quer sem ser passivo, tampouco agressivo.
Envolve autorrespeito e respeito pelos outros
É exercer os próprios direitos sem violar os dos outros, se colocando sem ser agressivo e sem ser passivo.
Dizer sim quando quer dizer sim. dizer não quando quer dizer não e solicitar mudança de comportamento são exemplos.

Fonte:
Revista Psique
Ano VI no. 63
Página 44

Publicado em: SinapsesLinks
https://sinapseslinks.wordpress.com/

Ponto Negro

*
*

*
*
O Ponto Negro

Certo dia, um professor chegou na sala de aula e disse aos alunos para se prepararem para uma prova-relâmpago.

Todos acertaram suas filas, aguardando assustados o teste que viria.
O professor foi entregando, então, a folha da prova com a parte do texto virada para baixo, como era de costume.

Depois que todos receberam, pediu que desvirassem a folha.

Para surpresa de todos, não havia uma só pergunta ou texto, apenas um ponto negro, no meio da folha.

O professor, analisando a expressão de surpresa que todos faziam, disse o seguinte:

– Agora, vocês vão escrever um texto sobre o que estão vendo.

Todos os alunos, confusos, começaram, então, a difícil e inexplicável tarefa.

Terminado o tempo, o mestre recolheu as folhas, colocou-se na frente da turma e começou a ler as redações em voz alta.

Todas, sem exceção, definiram o ponto negro, tentando dar explicações por sua presença no centro da folha.

Terminada a leitura, a sala em silêncio, o professor então começou a explicar:

– Esse teste não será para nota, apenas serve de lição para todos nós. Ninguém na sala falou sobre a folha em branco.

Todos centralizaram suas atenções no ponto negro.

Assim acontece em nossas vida. Temos uma folha em branco inteira para observar e aproveitar, mas sempre nos centralizamos nos pontos negros. A vida é um presente da natureza dado a cada um de nós, com extremo carinho e cuidado.

Temos motivos para comemorar sempre. A natureza que se renova, os amigos que se fazem presentes, o emprego que nos dá o sustento, os milagres que diariamente presenciamos. No entanto, insistimos em olhar apenas para o ponto negro!

O problema de saúde que nos preocupa, a falta de dinheiro, o relacionamento difícil com um familiar, a decepção com um amigo.
Os pontos negros são mínimos em comparação com tudo aquilo que temos diariamente, mas são eles que povoam nossa mente.

Pense nisso!

Tire os olhos dos pontos negros de sua vida.

Aproveite cada bênção, cada momento a natureza lhe dá.

Creia que o choro pode durar até o anoitecer, mas a alegria logo vem no amanhecer.

Tenha essa certeza, tranqüilize-se e seja …. FELIZ
*
Autoria desconhecida.
*
Colaboração:
Celia Amirabile
São Paulo-SP
*