Eu amo

*
Por favor,
Click sobre a imagem para ampliá-la.
*

Eu amo

Declaração da Deborah,7.
E você?
*

Anúncios

Conhecimento

*

Conhecimento

Termo que designa, em filosofia, o processo pelo qual o sujeito apreende. O conhecimento sensível é adquirido por meio dos sentidos.
O inteligível depende do uso da razão e tem como objeto tipos gerais, e não individuais e concretos.

Pesquisadores:
Agostinho, santo ; Bacon, Roger ; Fenomenologia ; Hume, David ; Husserl, Edmund ; Kant, Immanuel ; Locke, John ; Merleau-Ponty, Maurice ; Pirro de Élida ; Platão ; Popper, Karl ; Positivismo ; Pragmatismo ; Schopenhauer, Arthur
v. tb. Categoria; Empirismo; Epistemologia; Filosofia; Intuição; Lógica

Macro-áreas:

● Aeronáutica e Astronáutica
● Agricultura
● Antropologia
● Arquitetura e Urbanismo
● Arte
● Astronomia
● Biologia
● Botânica
● Ciência e Tecnologia
● Cinema
● Comunicação
● Direito
● Economia, Administração
● Educação
● Esportes e Jogos
● Filosofia
● Física
● Geografia
● Geologia
● História
● Indústria e Engenharia
● Lingüística
● Literatura
● Matemática
● Medicina, Anatomia e Fisiologia
● Meteorologia
● Militares, assuntos
● Mineração e Metalurgia
● Mitologia
● Música
● Música e Dança Populares
● Política
● Psicologia e Psiquiatria
● Química
● Religião
● Sociologia
● Teatro
● Transportes
● Zoologia
*
©Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.
*
Acervo do Leal:
C:\#1_Leal\1_WPD\1999\19960101WPD_conhecimento_oo.WPD
*

Norma culta

*

Apologia da norma culta

ALDO PEREIRA

Por que a norma culta inspira tanta controvérsia episódica e veemente?

A principal das razões pode ser a conotação de elitismo tingido de racismo

Muitos fatores concorreram, desde o descobrimento, para fragmentar a língua portuguesa de Caminha em dialetos brasileiros: extensão territorial, precariedade de comunicações, nível rudimentar da educação dos colonos, diversidade tribal afro-indígena.

Mas a literatura e a mídia atestam que sobrepaira na diversidade atual um dialeto minoritário associado a prestígio e poder.

Toda língua evolui, claro.

Preferivelmente, contudo, em processo similar ao de leis e costumes, conducente à assimilação gradual das mudanças. Estabilidade de padrões é indispensável à organização social, a ponto de justificar coerção do Estado; pense na moeda e no sistema métrico.

A norma culta (hoje menos referida por esse nome), tem provido a língua de um referencial resguardado contra variações que, se prematuras e indiscriminadas, poderiam comprometer a eficiência da comunicação.

A norma culta tem favorecido também a comunicação inteligente na atividade intelectual, na política e no ordenamento jurídico: nenhum sistema legal poderia operar com eficiência, em país algum, sem rigor gramatical e semântico, tanto na prescrição das leis quanto na jurisprudência.

Diante dessas evidências, por que a norma culta inspira tanta controvérsia episódica e veemente?

A principal das várias razões pode ser sua conotação de elitismo tingido de racismo, a tácita e presunçosa inferência de que falar e escrever “bem” (em geral, extensão de outros privilégios no acesso ao saber) legitima a hegemonia duma classe.

Outra razão pode estar no desconhecimento de como variantes dialetais fragmentam as línguas.

Quantos percebem, por exemplo, que a língua aprendida na infância é sempre um dialeto? Ou que a escrita é um dialeto da fala?

Quer se destine à leitura em voz alta (rádio, TV, artes cênicas, discursos, palestras), quer à leitura silenciosa processada no ritmo e grau de concentração do leitor, a escrita se caracteriza por atributos próprios e cumpre papel distinto do imediatismo da fala.

Por isso, caluniar a necessária identidade dialetal da norma culta para impugnar o padrão homogêneo de comunicação é o avesso do preconceito. Traz, entre outros contraproducentes efeitos, o de entorpecer a aquisição do conhecimento necessário à proficiência em outras disciplinas.

Terceira razão da crítica às vezes abusada que a norma culta inspira talvez advenha do nome antipático. Experimente substituí-lo, digamos, por português acadêmico (no sentido de “aprendido na escola”), e ensiná-lo como segunda língua (em relação ao dialeto trazido de casa), com precauções como evitar correções em classe, para não humilhar o aluno principiante perante seus pares; melhor limitá-las à vistoria dos cadernos.

O ensino desse português acadêmico pressuporia rigor na escrita, limitada tolerância gramatical e vocabular na fala, mas liberdade ilimitada na prosódia: afinal, por que desbotar o colorido de pronúncia e entonação dos falares regionais do Brasil?
*
ALDO PEREIRA é ex-editorialista e colaborador especial da Folha.
E-mail: aldopereira.argumento@uol.com.br.
*
Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2511201008.htm
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Acervo do Leal:
C:\#1_Leal\1_WPD\2010\20101125WPD_Norma culta.WPD
*