Sexualidade Humana

*

Sexualidade Humana

Seminário espírita reúne 500 pessoas

O 12º Seminário do Instituto de Cultura Espírita do Ceará debateu questões ligadas ao ser humano e sua sexualidade. As exposições e discussões trataram dos assuntos levando em conta as orientações da doutrina espírita.

Sexo é algo que o espírito necessita para exercitar o desenvolvimento do amor.

No início o buscamos pelo instinto, pela sensação do prazer, mas é por meio dele, que acabamos por chegar ao amor na sua concepção maior. As ideias foram apresentadas ontem na exposição do presidente do Instituto de Cultura Espírita do Ceará (ICE-CE), e Associação Médico-Espírita do Ceará (AME-CE), Francisco Cajazeiras, no 12º Seminário Espírita do ICE. O evento, com programação iniciada às 9 horas e encerrada às 18h30min no Hotel Oásis Atlântico, teve como temática central o ser humano e sua sexualidade. Além de Cajazeiras, o seminário também teve como expositor o ex-presidente da Federação Espírita de São Paulo, Avildo Fioravante.

Os cerca de 500 participantes puderam debater questões de comportamento, genética, erotização e o abuso sexual de crianças e adolescentes.

À luz do Espiritismo, conforme Cajazeiras, o fato de um adulto se interessar sexualmente por uma criança significa na base o adoecimento daquele espírito, problema que pode estar ligado a dramas de vidas passadas. No caso do pai que abusa de filhas, é um espírito que tem dificuldade de se reconhecer no seu papel atual de pai, não conseguindo superar isso. O seminário, disse ele, buscou tocar numa questão sempre atual sobre a qual todos têm muitas dúvidas.

Embora as pessoas se acreditem muito conhecedoras do assunto, estão muito aquém de um conhecimento real.

Segundo o expositor, o Espiritismo tem uma concepção que ajuda as pessoas a entenderem o significado da vida levando em conta que o ser humano não se limita à matéria, é espírito, e essas dimensões se interpõem. Isso nos permite fazer discussões sobre os problemas do cotidiano levando em conta o lado racional, ou seja, que não se deixa levar pelas paixões, vai além do material. Nesse sentido, afirmou, a sexualidade não pode ser compreendida somente como uma expressão genital, mas como potencialidade para a vivência do amor, reforçou.

Cajazeiras disse que o sexo, assim como a inteligência humana, não são bons nem ruins. Isso vai depender da utilização que o ser inteligente dá a cada uma dessas coisas, o que pode torná-las positivas ou negativas. Ambas utilizadas para o bem podem enriquecer, mas ao contrário, utilizadas para o mal, só vão trazer dor e sofrimento. Francisco Cajazeiras é cearense, médico e professor dos cursos de Medicina e de Psicologia da Universidade de Fortaleza (Unifor). É presidente do ICE-CE.

E-Mais

O Instituto de Cultura Espírita do Ceará foi Fundado em agosto de 1996, por um grupo de trabalhadores espíritas. Contando com um grupo de 50 membros, o ICE recebe mensalmente cerca de 1.200 pessoas nas suas diversas atividades. A casa tem uma grande preocupação com a divulgação da Doutrina Espírita, por isso está sempre realizando estudos e palestras para disseminar o conhecimento.

Rosa Sá
da Redação
30 Mar 2009

Fonte:
http://www.opovo.com.br/opovo/fortaleza/866341.html
*
Publicado no SinapsesLinks:
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Conheça: Janelas da Alma
http://sites.google.com/site/eudisonleal/
*

Chico Xavier

*

Chico Xavier

Pedro Leopoldo e Uberaba – A primeira, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, é a cidade natal; a segunda, no Triângulo Mineiro, é adotada.

Chico Xavier nasceu em Pedro Leopoldo, onde morou até os 49 anos; depois, partiu para Uberaba e lá ficou até morrer, aos 92 anos.

Foi nos dois municípios que Francisco Cândido Xavier praticou seus 75 anos de mediunidade, deixou a marca de sua obra espiritual e assistencial e as lembranças de uma trajetória cheia de fé, admiração e respeito. “Pedro Leopoldo foi o berço natal e Uberaba o berço que o acolheu”, explica o filho de criação do médium Eurípedes Humberto Higino dos Reis, que cuida do legado de Chico em Uberaba. “Ele dizia que Pedro Leopoldo era a mãe e Uberaba, a tia”, revela o curador da Casa de Chico Xavier em Pedro Leopoldo, Hélcio Marques.

Conheça o perfil de Chico Xavier

A Casa de Chico Xavier está instalada onde ele morou. Ela abriga exemplares em diversos idiomas dos mais de 400 livros psicografados pelo médium e das 170 obras que versam sobre ele, além de reportagens de jornais, revistas e em fitas de vídeo. Além desse espaço, Pedro Leopoldo tem o Centro Espírita São Luiz Gonzaga, erguido no local onde era a casa em que Chico nasceu, em 1910. Uma das principais praças da cidade, desde 1980, recebeu o nome do médium.

A Fundação Cultural Chico Xavier está encarregada da construção do Memorial Chico Xavier, no Açude do Capão, local em que, em 1931, o médium viu, pela primeira vez, seu benfeitor espiritual, Emmanuel.

Cada local ligado à história de Chico Xavier representa uma etapa dos Caminhos da Luz, marcados por placas indicativas. Estão incluídas a Fábrica de Tecidos Cachoeira Grande e a Fazenda Modelo, onde ele trabalhou, e a Mostra Permanente Chico Xavier, com parte do acervo recolhido pelo pesquisador Geraldo Leão, que integram o Arquivo Público Municipal de Pedro Leopoldo.

Em Uberaba, há o Museu Chico Xavier, instalado na casa do médium e em fase de ampliação. Lá estão o quarto onde ele dormia – o Recanto do Chico –, preservado como no dia em que desencarnou, em 2002, a mesa em que ele psicografava e a coleção dos bonés que eram sua marca registrada. Podem ser vistos também suas obras, material sobre ele e um amplo acervo de fotografias e de informações sobre sua trajetória.

CASA DA PRECE
O Grupo Espírita da Prece continua realizando cultos aos sábados no local que ficou conhecido popularmente como Casa da Prece. Era lá que Chico, às sextas-feiras e aos sábados, recebia mais de 500 pessoas. Eurípedes dos Reis conta que ele começava a atender às 14h e ia até as 5h do dia seguinte.

Por iniciativa da Prefeitura de Uberaba e de outras instituições locais, foi criado o Instituto Chico Xavier, com o objetivo de construir um memorial que contará com biblioteca, sala de vídeo, galeria e auditório, em 1,3 mil metros quadrados de área construída. A obra está em andamento.

O instituto pretende recolher e reunir em um só local mensagens, cartas e imagens, além de todo o acervo já disponível. O material impresso sobre o memorial preconiza: “Chico Xavier é mundial, um antagonismo entre o tamanho de sua fama e sua simplicidade. O memorial será universal, tal qual o seu exemplo”. Os espaços de Uberaba e de Pedro Leopoldo deverão estar prontos para as comemorações do centenário de nascimento de Chico, no próximo ano. (abril 2010)

Tanto em Pedro Leopoldo quanto em Uberaba, a obra assistencial do médium continuou depois de sua morte. Na terra natal, o Centro Espírita Luiz Gonzaga, fundado por Chico em 1950, mantém a sopa fraterna Maria João de Deus (nome da mãe do médium), que alimenta cerca de 300 pessoas todos os sábados, além de fornecer enxovais para bebês. E a Casa de Chico Xavier distribui 200 cestas básicas por mês e atende 150 famílias por semana ofertando pão e leite.

ENCONTRO Em Uberaba, o Refeitório Amigos Anônimos fornece jantar a cerca de 1 mil pessoas todas as quintas-feiras e o Assistencial Chico Xavier distribui cestas básicas, pão, leite e enxovais a outras 800, aos sábados. O assistencial dispõe ainda de gabinetes médico e dentário para atendimento gratuito. “Chico dizia que não era somente matar a fome, porque os bons espíritos faziam tratamentos naquelas filas. A doação era o chamarisco para que as pessoas recebessem tratamento espiritual”, conta Eurípedes dos Reis. Segundo o filho adotivo do médium, apareciam até pessoas que não eram carentes, mas “vinham buscar os donativos porque queriam pegar na mão dele”.

A capacidade de atrair gente que Chico demonstrou em vida continuou depois da desencarnação. “O povo ficava em cima dele. A necessidade de misericórdia era muito grande”, avalia Hélcio Marques. A Casa de Chico Xavier, em Pedro Leopoldo, inaugurada há três anos, já recebeu 37 mil visitantes, a maioria de outras cidades e estados e em torno de 5% do exterior. E o Culto do Evangelho, realizado no local aos domingos, tem sempre a presença de 150 pessoas, em um espaço adequado para receber 60.

O túmulo de Chico Xavier, no Cemitério Municipal São João Batista, em Uberaba, é um dos mais visitados. No mausoléu está uma estátua em bronze do médium em sua pose, ao psicografar, e exemplares de seus livros, entre eles, o primeiro (Parnaso do além túmulo) e o mais vendido (Nosso lar).

Entre 18 e 20 de abril, mês do aniversário de nascimento do médium, será realizado, em Pedro Leopoldo, o 2o Encontro Nacional Amigos de Chico Xavier, com expectativa de 3,5 mil participantes. Ao primeiro encontro, no ano passado, em Uberaba, compareceram 2,5 mil pessoas.
*
Maurício Lara – Estado de Minas
*
Fonte:
http://www.uai.com.br/UAI/html/sessao_2/2009/03/29/em_noticia_interna,id_sessao=2&id_noticia=104448/em_noticia_interna.shtml
*
Publicado no SinapsesLinks:
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*
Conheça: Janelas da Alma
https://sites.google.com/site/eudisonleal/
*

Moral

*

Os bons espíritas

O Evangelho Segundo o Espiritismo
Allan Kardec
CAPÍTULO XVII – SEDE PERFEITOS 271
Caracteres da perfeição: 1 e 2. – O homem de bem:
3. – Os bons espíritas:

Bem compreendido, mas sobretudo bem sentido, o Espiritismo leva aos resultados acima expostos, que caracterizam o verdadeiro espírita, como o cristão verdadeiro, pois que um o mesmo é que outro. O Espiritismo não institui nenhuma nova moral; apenas facilita aos homens a inteligência e a prática da do Cristo, facultando fé inabalável e esclarecida aos que duvidam ou vacilam.

Muitos, entretanto, dos que acreditam nos fatos das manifestações não lhes apreendem as conseqüências, nem o alcance moral, ou, se os apreendem, não os aplicam a si mesmos.
A que atribuir isso? A alguma falta de clareza da Doutrina? Não, pois que ela não contém alegorias nem figuras que possam dar lugar a falsas interpretações. A clareza e da sua essência mesma e é donde lhe vem toda a força, porque a faz ir direito à inteligência. Nada tem de misteriosa e seus iniciados não se acham de posse de qualquer segredo, oculto ao vulgo.

Será então necessária, para compreendê-la, uma inteligência fora do comum? Não, tanto que há homens de notória capacidade que não a compreendem, ao passo que inteligências vulgares, moços mesmo, apenas saídos da adolescência, lhes apreendem, com admirável precisão, os mais delicados matizes. Provém isso de que a parte por assim dizer material da ciência somente requer olhos que observem, enquanto a parte essencial exige um certo grau de sensibilidade, a que se pode chamar maturidade do senso moral, maturidade que independe da idade e do grau de instrução, porque é peculiar ao desenvolvimento, em sentido especial, do Espírito encamado.

Nalguns, ainda muito tenazes são os laços da matéria para permitirem que o Espírito se desprenda das coisas da Terra; a névoa que os envolve tira-lhes a visão do infinito, donde resulta não romperem facilmente com os seus pendores nem com seus hábitos, não percebendo haja qualquer coisa melhor do que aquilo de que são dotados. Têm a crença nos Espíritos como um simples fato, mas que nada ou bem pouco lhes modifica as tendências instintivas. Numa palavra: não divisam mais do que um raio de luz, insuficiente a guiá-los e a lhes facultar uma vigorosa aspiração, capaz de lhes sobrepujar as inclinações. Atêm-se mais aos fenômenos do que a moral, que se lhes afigura cediça e monótona. Pedem aos Espíritos que incessantemente os iniciem em novos mistérios, sem procurar saber se já se tornaram dignos de penetrar Os arcanos do Criador. Esses são os espíritas imperfeitos, alguns dos quais ficam a meio caminho ou se afastam de seus irmãos em crença, porque recuam ante a obrigação de se reformarem, ou então guardam as suas simpatias para os que lhes compartilham das fraquezas ou das prevenções. Contudo, a aceitação do princípio da doutrina é um primeiro passo que lhes tornará mais fácil o segundo, noutra existência.

Aquele que pode ser, com razão, qualificado de espírita verdadeiro e sincero, se acha em grau superior de adiantamento moral. O Espírito, que nele domina de modo mais completo a matéria, dá-lhe uma percepção mais clara do futuro; os princípios da Doutrina lhe fazem vibrar fibras que nos outros se conservam inertes. Em suma: é tocado no coração, pelo que inabalável se lhe torna a fé. Um é qual músico que alguns acordes bastam para comover, ao passo que outro apenas ouve sons. Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más.
Enquanto um se contenta com o seu horizonte limitado, outro, que apreende alguma coisa de melhor, se esforça por desligar-se dele e sempre o consegue, se tem firme a vontade.
*
Publicado em: SinapsesLinks
http://sinapseslinks.blogspot.com/
*

A lei do amor

*

A lei do amor deve suprir toda união

Ainda discorrendo sobre o casamento, Allan Kardec afirma que “nem a lei civil, nem os compromissos que ela faz contrair podem suprir a lei do amor se esta lei não preside a união; disso resulta que, frequentemente, o que se une à força, se separa por si mesmo; que o juramento que se pronuncia ao pé do altar torna-se um perjúrio se dito como uma fórmula banal; daí as uniões infelizes, que acabam por tornar-se criminosas; dupla infelicidade que se evitaria se, nas condições do casamento, não se fizesse abstração da única lei que o sanciona aos olhos de Deus: a lei de amor.
Quando Deus disse: ‘Vós não sereis senão uma mesma carne’; e quando Jesus disse: ‘Vós não separareis o que Deus uniu’, isso se deve entender da união segundo a lei imutável de Deus, e não segundo a lei variável dos homens”.

O item conclusivo do Cap. XII, o nº 4, traz o seguinte esclarecimento:

“A lei civil é, pois, supérflua, e é preciso retornar ao casamento segundo a Natureza? Não, certamente, a lei civil tem por objetivo regular as relações sociais e os interesses das famílias, segundo as exigências da civilização; eis porque ela é útil, necessária, mas variável, deve ser previdente, porque o homem civilizado não pode viver como o selvagem; mas nada, absolutamente nada, se opõe a que seja o corolário da lei de Deus; os obstáculos para o cumprimento da lei divina resultam dos preconceitos e não da lei civil. Esses preconceitos, se bem que ainda vivazes, já perderam seu império entre os povos esclarecidos; eles desaparecerão com o progresso moral, que abrirá, enfim, os olhos sobre os males sem número, as faltas, os próprios crimes que resultem de uniões contraídas tendo em vista unicamente os interesses materiais; e se perguntará um dia se é mais humano, mais caridoso, mais moral, unir indissoluvelmente um ao outro seres que não podem viver juntos, do que lhes dar a liberdade, se a perspectiva de uma cadeia indissolúvel não aumenta o número das uniões irregulares.”

Que possamos concluir, com recomendações ao livro Caminho, Verdade e Vida, recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier, e lançado pela Federação Espírita Brasileira, com prefácio datado de Pedro Leopoldo, 2 de setembro de 1948, estudando o trecho de Atos,73, que depois de nos alertar que “a família não seria a parentela, mas a parentela converter-se-ia, mais tarde, nas santas expressões da família”, complementa:

“A caminho de Jesus, será útil abandonar a esfera de maledicências e incompreensões da parentela e pautar os atos na execução do dever mais sublime, sem esmorecer na exemplificação, porquanto, assim, o aprendiz fiel estará exortando-a, sem palavras, a participar dos direitos da família maior, que é a de Jesus Cristo.”

Leitor amigo, no casamento ou fora dele, não nos esqueçamos de que o respeito, a compreensão, a paciência infinita para com as faltas alheias deverão sempre nortear-nos os passos, já que todos aspiramos a uma vida onde reinem a Paz e a Alegria, recomendada pelo Apóstolo dos Gentios, e ainda permanecemos num mundo de provas e expiações, o qual ainda necessitamos habitar.

Elias Barbosa
Clínico geral e psiquiatra
eliasbarbosa34@terra.com.br
*
Fonte:
http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,22,ARTICULISTAS,6824
*

O Véu e a Alteridade

*

O Véu e a Alteridade

Nilza Teresa Rotter Pelá

O noticiário internacional traz novamente a intolerância de um país para com estudantes mulheres que, por preceito religioso, usam véu para ir à escola. Eu não usaria véu, mas é direito meu não fazê-lo como é direito de outra mulher usá-lo se compreender que assim é bom para ela e se não está sendo coagida a isso.

A exclusão dessas mulheres das escolas, uma vez que será mais freqüente abandonar a escola que a religião, tiraria dessas jovens estudantes a oportunidade de contato com jovens de diferentes culturas e religiões , o que sem dúvida lhes ampliaria o repertório de condutas e valores, o que poderia sim, lhes dar elementos de análise se querem ou não tirar o véu e enfrentar o radicalismo religioso a que são expostas.

Outro aspecto a ser analisado diz respeito aos sentimentos de exclusão e rejeição que essas mulheres estariam sofrendo, o que seria difícil para elas compreender como cristãos que pregam o amor e a fraternidade podem fazer isso com elas.

Dentro desse contexto aparece o conceito de alteridade

Alteridade

Capacidade de conviver com o diferente de se proporcionar um olhar interior a partir das diferenças. Significa que se reconhece o outro também como sujeito de iguais direitos.

É exatamente a constatação das diferenças que gera a alteridade. Não é um conceito desse século, mas foi retomado pelo relatório da Comissão Especial em Educação de UNESCO sob a coordenação de Jacques Delors, intitulado Educação um Tesouro a Descobrir(1). Chama a atenção o capítulo 4 da parte II, que aborda os Quatro Pilares da Educação quais sejam: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a conviver, aprender a ser.

No pilar Aprender a Conviver é trabalhado o conceito de alteridade. Nesse pilar o educador procura situar o educando com os outros compartilhando experiências e desenvolvendo responsabilidades sociais. Essas experiências geram responsabilidades que os levam a busca de integração com a natureza, o compromisso com a humanidade e a necessidade de superação dos egoísmos coletivos e individuais, isso só é possível pelo compartilhamento, pela comunhão, pelo diálogo, pela convivência. Ensinou-nos Jesus: Fazer aos outros o que desejamos que os outros nos façam ( Mt.7:12)como a maneira de conviver com respeito, tolerância e cooperação fraternal.

O Espiritismo tem seu alicerce nos ensinamentos de Jesus e seu fundamento pedagógico não podia ser outro senão aquele praticado pelo Cristo. Joanna de Angelis (A pedagogia de Jesus- O Reformador-junho de 2004) assim apresenta essa pedagogia: Pedagogo por excelência não apenas ensinando a conhecer, a fazer, a conviver e a ser, mas sobretudo, demonstrando que ele o realizava. Melhor pedagogia que a d’Ele não existe, pois que vem atravessando os dois milênios já transatos com superior qualidade de orientação. Este é o teu mandato de realmente aprenderes a viver”.

Oxalá possamos estar mais atentos à alteridade que ao véu.

Bibliografia
1) DELORS, JACQUES, Educação um tesouro a descobrir.Brasília: DF:MEC:UNESCO,2003
Fonte: Verdade e Luz, edição nº 266 – Março de 2008
Federação Espírita do Estado de Mato Grosso – http://www.feemt.org.br
*
Original:
http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=342727
*

Punishment from God?

*

Punishment from God?

May b u could answer me??? i m in a deep trouble…………..
is it punishment from God?

well i brought in a house where we were like princess all 5 sisters i m the eldest one, i got engaged wen i was 18 ( its tradional out here to get married 4 girls 18-25) as its a poor country ppl want to move abroad the guy was in england wen he came for marriage i didnt like him he was not what i want but we had paper marriage but i broke it after some months as i didnt like him at all i tried to settle with him but couldnt……mean while i start my graduation which was stopped coz of marriage now i m 23 in the course of 5 years i came across almost 10 guys but only 1 guys i could say was what i want but today im in hell coz that guy n i have problems some issues in getting married and at the same time the same england guy is again here for me but i still dun like him at all my family is forcing me to get married as i m already 23 has four sis but i cant marry him i love a guy but right now he cant marry me what should i do i have soo much pressure from my family this is by God, is God punishing me ? my mom says that God is punishing me coz i broke the heart of someone thats why some one is breaking my heart i m ready to marry my love but not anyone else yet my studies are still incomplete.
plzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz… tell me what should i do??????????????
*
Fonte:
http://answers.yahoo.com/question/index?qid=20090329024426AA8IPLn&grp_name=ChrisOchunEspiritismo&grp_spid=1601155462&grp_cat=/Religion___Beliefs/Santer%c3%ada&grp_user=0
*