Campinas-SP

*

From: Nando Penteado
To: ep-leal@uol.com.br
Sent: Saturday, June 16, 2007 10:43 PM
Subject: Show para o Jorge Cassângel

Queridos amigos,

Após muito tempo sem me apresentar em público, venho convidá-los a me
assistir e/ou a me ajudar a divulgar esse evento que tem uma causa
bastante justa…

Um grande amigo, Jorge Cassângel, está precisando urgentemente de uma
cadeira de rodas e reuni alguns músicos de renome na nossa região (Pezão
e Edu Passeto) para fazermos um show cujo intuito é angariar fundos para
a compra desse meio de transporte para ele.

O show será em Campinas, no próximo sábado, dia 23/06/2007.

Não deixe de ler estes textos que escrevi sobre o show (hora e local) e
sobre o Jorge, inclusive no texto do Jorge há fotos dele e um vídeo
muito interessante no qual ele fala sobre como encara a sua doença, a
distrofia muscular, é uma verdadeira lição de vida:

O show: http://www.nandopenteado.com/?url=jorge_show_23-06-2007
Sobre o Jorge com fotos e vídeo:
http://www.nandopenteado.com/?url=jorgecassangel

Você pode ajudar indo ao show ou divulgando-o, e eu conto com você!!

Jorge Cassângel é uma pessoa maravilhosa, garanto que não somos nós que
o ajudamos, mas ele que nos ajuda sempre com sua maneira especial de
encarar suas dificuldades, nos ensinando assim a encarar as nossas
próprias também.

Um grande abraços e até lá!

Nando Penteado.
*
*
***

Livre Arbítrio

*

Livre Arbítrio

Você já ouviu, alguma vez, falar de Livre-arbítrio?

Livre-arbítrio quer dizer livre escolha, livre opção.

Em todas as situações da vida, sempre temos duas ou mais possibilidades para escolher. E a cada momento a vida nos exige decisão.

Sempre temos que optar entre uma ou outra atitude.
Desde que abrimos os olhos, pela manhã, estamos optando entre uma atitude ou outra.

Ao ouvir o despertador podemos escolher entre abrir a boca para lamentar por não ser nosso dia de folga ou para agradecer por mais um dia de oportunidades.

Ao encontrarmos o nosso familiar que acaba de se levantar, podemos escolher entre resmungar qualquer coisa, ficar calado, ou desejar, do fundo da alma, um bom dia.

Quando chegamos ao local de trabalho, podemos optar entre ficar de bem com todos ou buscar o isolamento, ou, ainda, contaminar o ambiente com mau humor.

Conta um médico que trata de pacientes com câncer, que as atitudes das pessoas variam muito, mesmo em situações parecidas.

Diz ele que duas de suas pacientes, quase da mesma idade, tiveram que tirar um seio por causa da doença.

Uma delas ficou feliz por continuar viva e poder brincar com os netos, a outra optou por lamentar pelo seio que havia perdido, embora também tivesse os netos para curtir.

Quando alguém o ofende, você pode escolher entre revidar, calar-se ou oferecer o tratamento oposto.

A decisão sempre é sua.

O que vale ressaltar é que todas as ações terão uma reação correspondente, como conseqüência. E essa reação é de nossa total responsabilidade.

E isso deve ser ensinado aos filhos desde cedo. Caso a criança escolha agredir seu colega e leve uns arranhões, deverá saber que isso é resultado da sua ação e, por conseguinte, de sua inteira responsabilidade.

Tudo na vida está sujeito à lei de causa e efeito, para uma ação positiva, um efeito positivo, para uma ação infeliz, o resultado correspondente.

Se você chega no trabalho bem humorado, alegre, radiante, e encontra seu colega de mau humor, você pode decidir entre sintonizar na faixa dele ou fazer com que ele sintonize na sua.

Você tem ainda outra possibilidade e escolha: ficar na sua. Todavia, da sua escolha dependerá o resto do dia. E os resultados lhe pertencem.

A semeadura é livre, mas a colheita obrigatória.

Pois bem, nós estamos semeando e colhendo o tempo todo. Se semeamos sementes de flores, colheremos flores, se plantarmos espinheiros, colheremos espinhos.

Não há outra saída. Mas o que importa, mesmo, é saber que a opção é nossa. Somos livres para escolher, antes de semear.

Aí é que está a justiça da vida.

Mesmo as semeaduras que demoram bastante tempo para germinar, um dia darão seus frutos.

São aqueles atos praticados no anonimato, na surdina, que aparentemente ficam impunes.

Um dia, ainda que seja numa existência futura, eles aparecerão e reclamarão colheita.

Igualmente os atos de renúncia, de tolerância, de benevolência, que tantas vezes parecem não dar resultados, um dia florescerão e darão bons frutos e perfume.

É só dar tempo ao tempo…

Os resultados aparecerão na hora e tempo certo.
Se ainda não floresceram é porque ainda não chegou a hora !
*
Autoria: Letícia Thompson
*
Colaboração: Maria Christina Camargo Leal – Taubaté-SP – Brasil
*
*
***