Danae Tage

*

Danea Tage

De: Revista Horizonte – Leitura Holística
Para: ep-leal@uol.com.br
Data: 04/06/2007 10:32
Assunto: Novo blog sobre Canalização_Danea Tage

Prezados amigos.

Estamos divulgando o blog recém criado que é dedicado a Danea Tage, entidade com a qual o prof. Paulo Stekel trabalha desde 1990.

O blog contém muitas canalizações que nunca haviam sido publicadas e informações sobre paraciências e descobertas científicas que venham a confirmar as técnicas de canalização, cura energética e similares.

Dêem uma olhada e mandem suas apreciações:

Click aqui:
http://daneatage.blogspot.com

Fraternalmente,
Paulo Stekel
*
*
***

Suicídio no Brasil

*

Suicídio no Brasil

De: Luciano de Almeida Peruci
Para: ep-leal@uol.com.br
Data: 05/06/2007 13:11
Assunto: Suicídio no Brasil
Fonte Jornal do Comércio (em linha)
*
CAPA
Suicídio vira questão de saúde pública
Publicado em 03.06.2007

Brasil, que está entre os países com maior número absoluto de casos,
enfrenta o problema com políticas de prevenção e apoio a quem apresenta
riscos.
Cinthya Leite
cleite@jc.com.br
*
Tema que questiona a existência drasticamente e conseqüência da falta total
de esperança, o suicídio começa a ser encarado pelo Ministério da Saúde
(MS) como um problema de saúde pública e, por isso, ganha ações
preventivas. No Brasil, são 4,5 casos para cada 100 mil habitantes. Apesar
de essa média estar longe da amostra de países como Japão, onde a taxa é de
25 mortes por 100 mil habitantes, o Brasil se enquadra na lista dos dez
países com maiores números absolutos de suicídio, já que é muito populoso.

Em 2004, foram 7.987 suicídios no País, o que representou 0,8% do total de
óbitos do ano em questão. “A cada ano, um milhão de pessoas em todo o mundo
é vítima da morte voluntária. Exatamente um indivíduo anula a vida a cada
40 segundos”, diz o psiquiatra Humberto Correa, presidente do 2º Congresso
Latino-americano de Suicidologia, que será sediado em Belo Horizonte, entre
os dias 28 e 30 de junho.

Por essas dimensões críticas, já em 1999, a Organização Mundial de Saúde
(OMS) lançou o Programa de Prevenção do Suicídio (Supre, em inglês), com o
objetivo de alertar a população em geral. Agora, o MS está prestes a
concluir um plano inédito no Brasil chamado de Amigos da Vida. Trata-se de
uma estratégia nacional de prevenção do suicídio (veja mais na página 16).
“Será o primeiro país da América Latina a adotar uma ação preventiva”,
acrescenta Humberto.

Na lista das estratégias brasileiras, está o alerta em relação aos fatores
de risco. “Desde o ano passado, quando o ministério começou a falar sobre
um plano para reverter os suicídios e as tentativas, os médicos estão mais
preocupados com a situação. Já se sabe que é preciso investigar se o
paciente tem pensamentos suicidas de forma serena e sensata”, assegura o
psiquiatra Paulo Tavares de Lima, do Hospital Ulysses Pernambucano, onde
muitos pacientes possuem condições mentais associadas ao comportamento
suicida. Por isso, garante Paulo, a equipe de saúde fica sempre atenta.

“Um transtorno mental encontra-se presente na maioria dos casos”, garante o
médico Neury José Botega, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Num artigo da Revista Brasileira de Psiquiatria, de março deste ano, ele
revela que uma revisão de 31 artigos científicos publicados entre 1959 e
2001, que englobou cerca de 15,6 mil suicídios na população geral, mostrou
que caberia um diagnóstico de transtorno mental, durante o ato fatal, em
97% dos casos.

Aproximadamente 10% dos indivíduos que sofrem de esquizofrenia falecem por
suicídio. “Tenho um irmão psicótico com 27 anos e que entrou em depressão
na adolescência. Passou a usar drogas e se tornou agressivo. Nossa família
o incentivou a fazer tratamento, mas ele nunca finalizou as etapas das
terapias”, conta o profissional autônomo P.G. “Um dia, ele avisou que iria
caminhar. Mas saiu para tentar suicídio. O fato não foi consumado, mas ele
teve fratura externa e se recusa a fazer fisioterapia. Agora é que começa a
voltar a andar.”

Embora os transtornos mentais sejam o fator de risco mais grave, os
especialistas frisam a necessidade de derrubar o mito de que, para o
suicídio acontecer, necessariamente existe um problema de ordem
psiquiátrica. “Há uma falsa idéia de que apenas os esquizofrênicos se
suicidam”, alerta Paulo.

Aqueles que têm transtornos de humor, de ansiedade e de personalidade
chamam a atenção dos especialistas. Também estão na linha do perigo
indivíduos que sofrem perdas de parentes, que têm dinâmica familiar
conturbada ou que apresentam impulsividade.

Mas os especialistas enfatizam que, de todos os sinais de perigo, a
depressão é o indício mais grave. “É a primeira doença de risco para a
auto-anulação da vida. Entre as pessoas gravemente deprimidas, 15% se
suicidam”, destaca o médico psicoterapeuta Dival Cantarelli, com base em
estatísticas da OMS. À frente do Centro de Pesquisa em Qualidade de Vida da
Universidade de Pernambuco (UPE), ele diz que o ponto positivo da
estratégia do ministério é o trabalho de esclarecimento dos profissionais
de saúde sobre a importância de se detectar precocemente as condições
mentais associadas à prática do suicídio.

A depressão é traiçoeira porque pode deixar o pessoa sem esperança e,
assim, surge o pensamento suicida. “O deprimido tem auto-estima diminuída e
fica impotente. A morte, então, é encarada como a única forma de fugir do
sofrimento de que não se tem controle”, enfatiza Paulo.

De acordo com ele, muitos suicidas têm dificuldade para fazer uma conexão
entre a existência e o sofrimento. “A capacidade de discernimento e de
crítica é restrita quando se tem pensamentos suicidas e, assim, geralmente
o paciente não está consciente do que faz. Ele não tem certeza de que
deseja morrer mesmo”, continua o médico. “Há um desejo de viver, mas não a
vida que encara, e sim outra vida sem sofrimentos”, teoriza Dival
Cantarelli.

Um dos detalhes que dificultam para a família e os médicos desconfiarem de
que o depressivo pode ter a intenção de se matar são os episódios de
depressão discretos e até mascarados. “Um quadro que soma falta de
motivação para realizar atividades do dia-a-dia, distúrbios do sono, falta
de apetite, além de comprometimento da auto-estima e da esperança pode
mascarar uma possibilidade de suicídio”, avisa Dival.

Trata-se de um panorama que se apresenta como um fantasma que a família não
consegue enxergar, principalmente num caso de transtorno afetivo bipolar
(TAB), problema que atinge 1,5% da população e é caracterizado por
alternância de fases de depressão e de hiperexcitabilidade. Em situações
desse tipo, a elevação da angústia é um dos indícios. “É uma doença
associada a um maior risco de suicídio”, afirma Humberto Correa.

O caso do advogado aposentado Manoel Fernandes Maia, 58 anos, vítima do TAB
e do transtorno obsessivo compulsivo (TOC), elucida a teoria. Há dois anos,
quando enfrentava crises intensas, ele pensou em se suicidar. “No momento
final, desisti. Não sei bem por quê, mas acredito que minha religiosidade
me ajudou a não cometer o ato. Posso dizer que se trata de um pensamento
diabólico, que ninguém deveria ter”, conta Manoel, que está com as doenças
controladas há um ano.

Ele explica que pensou em suicídio porque entrou em depressão grave e só
enxergava a morte como saída. “Mas percebi que é uma fuga covarde. Então,
busquei ajuda para me transformar numa fênix, uma ave que, segundo a
tradição egípcia, durava muitos séculos e, ao ser queimada, renascia das
próprias cinzas”, revela Manoel, que batizou de Fênix o livro recém-lançado
em que ele escreveu detalhada
mente as perturbações dos portadores de TAB e
TOC.

Sobre as estatísticas, o médico psicossomatista e psicoterapeuta Meraldo
Zisman alega que os suicídios geralmente são registrados como acidentes
fatais. “Por isso, não se pode ter um panorama que espelhe a realidade”,
complementa o médico psicossomatista e psicoterapeuta Meraldo Zisman. Em
relação às tentativas, os registros oficiais são mais escassos e menos
confiáveis que os dos autocídios consumados. Estima-se que o número de
tentativas supere o número de suicídios em, pelo menos, dez vezes. Ao
considerar o sexo, os homens praticam mais suicídio que as mulheres.
*
*
***

Extraterrestres

*

Extraterrestre

+ Marcelo Gleiser

Conversa sobre ETs
Nós, humanos, somos os gênios ou os idiotas do Universo?

Na semana passada, escrevi sobre o romance “Contato”, de Carl Sagan, que explora a possibilidade de um primeiro contato com uma civilização extraterrestre muito mais avançada do que a nossa. Desde então, venho refletindo sobre a questão da nossa inteligência dentro de uma perspectiva mais cósmica e menos antropocêntrica.

Em geral, quando falamos de inteligência, nos comparamos a algum “gênio” ou “idiota” que conhecemos, ou a algum animal. Apesar de ser raro pensarmos sobre inteligência de forma mais abrangente, a reflexão sobre a possibilidade de vida extraterrestre inevitavelmente leva a isso. Afinal, somos gênios ou idiotas?

Imagine que, na semana que vem, cientistas anunciem que foi descoberta vida em Marte. Nada de homenzinhos verdes, apenas organismos unicelulares feito nossos paramécios e amebas. Qual seria o impacto de uma notícia dessas?

Não sei se o leitor se lembra do pronunciamento de agosto de 1997, feito pelo então presidente norte-americano Bill Clinton, sobre a possível descoberta de vida em Marte. No caso, a vida estaria num meteorito que viajou de lá até aqui e que foi encontrado enterrado sob o gelo da Antártica. Após muito debate, ficou concluído que o meteorito fora contaminado por vida terrestre (embora alguns ainda achem que era mesmo vida marciana). Mas vamos supor que a descoberta tivesse sido confirmada: existe vida primitiva em Marte. E daí?

Muita coisa. A descoberta implicaria que a vida é possível em outro planeta. O fato de a vida existir num planeta próximo da Terra onde as condições são extremamente hostis confirmaria que ela é incrivelmente resistente e criativa. Conseqüentemente, se a vida existe num planeta frio e seco, com atmosfera de baixa densidade e sem oxigênio (ele compõe apenas 0,13% da atmosfera, dominada por gás carbônico), ela deve existir em muitos outros planetas. Talvez haja bilhões deles apenas na nossa galáxia.

Supondo, bastante razoavelmente, que os preceitos da teoria da evolução são aplicáveis a todas as formas de vida, a possibilidade de bilhões de planetas terem algum tipo de vida tem conseqüências profundas. Obviamente, mesmo se formas de vida multicelular forem muito mais raras do que as unicelulares (foram necessários quase 2 bilhões de anos até surgirem os primeiros seres multicelulares na Terra), seres multicelulares existirão pela galáxia afora.

Veja que, na Terra, foram necessários em torno de 500 milhões de anos para seres multicelulares virarem seres inteligentes, isto é, nós. Como a galáxia tem em torno de 10 bilhões de anos, a vida teve tempo de sobra para fazer a transição de unicelular a multicelular inteligente. Segundo esse ponto de vista, a galáxia deve ter muitas civilizações inteligentes. Ademais, como nossa tecnologia só começou a avançar rapidamente há uns 200 anos, somos os bebezinhos tecnológicos da galáxia. Devem existir incontáveis civilizações muito mais avançadas do que nós. Ou não…

Em 60 anos de tecnologia nuclear, escapamos por pouco de conflitos com potencial de varrer a vida humana no planeta. A ameaça ainda existe. Será esse o obstáculo maior à sobrevivência de uma civilização? Será que a definição de inteligência é a capacidade de agir coletivamente para a preservação da espécie? Nesse caso, somos gênios ou idiotas? Lendo as manchetes dos jornais, a Rússia desenvolvendo novas armas nucleares, os EUA querendo criar escudos antimísseis, os iranianos querendo imitar o Paquistão e a Índia, fica difícil nos considerar gênios. Espero, de coração, que eu esteja enganado.

—————
MARCELO GLEISER é professor de física teórica no Dartmouth College, em Hanover (EUA) e autor do livro “A Harmonia do Mundo”
*
Fonte:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ciencia/fe0306200701.htm
*
*
***